Menu
2020-11-05T16:59:48-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
MAIS OTIMISMO

Ibovespa dispara 3%, após decisão do Fed e em meio à expectativa de vitória de Biden; dólar cai forte

Vitória democrata para a presidência sem predominância do partido nas casas legislativas se torna caso favorável ao bom humor de investidores. Bolsas americanas têm altas firmes à espera de apuração em Nevada, Georgia e Pensilvânia, após Fed dizer que vê riscos consideráveis e manter juros parados

5 de novembro de 2020
10:37 - atualizado às 16:59
Columbia, South Carolina USA – May 4, 2019: United States 47th Vice President and 2020 presidential hopeful Joe Biden (D) speaks to potential supporters during his campaign stop in Columbia.
Imagem: Shutterstock

Os ativos de risco têm mais um dia positivo nos mercados financeiros globais, enquanto o dólar registra mais um dia de fraqueza mundial frente a moedas fortes e de países emergentes, em meio à indefinição sobre quem será o novo presidente dos Estados Unidos.

Há pouco, o Federal Reserve, banco central americano, divulgou sua decisão sobre as taxas de juros, mantendo o patamar de estímulos inalterado na faixa de 0% a 0,25% — e apontando, ainda por cima, "riscos consideráveis à frente" enquanto a economia continua a se recuperar.

Mas o principal foco dos mercados continua a ser a apuração das eleições americanas, que caminha para o seu terceiro dia. O cenário que se tornou cada vez mais provável é o de uma vitória democrata, embora por margens menores do que se antecipavam nas pesquisas.

Até o momento, Joe Biden tem 264 votos no colégio eleitoral, enquanto o republicano Donald Trump tem 214, segundo a projeção da Associated Press. Para se tornar o novo ocupante da Casa Branca, é preciso o número mínimo de 270 delegados.

Se Biden vencer em Nevada (com 6 delegados eleitorais), onde lidera por 0,9 ponto percentual, será eleito o novo presidente do país.

Outras contagens em Estados-chave como Georgia (16 delegados) e Pensilvânia (20 delegados) também estão em andamento. Na Georgia, a vantagem de Trump está se reduzindo — agora é de 0,3%. Na Pensilvânia, onde havia expectativa também de um jogo duro, Trump lidera por 1,7% — cerca de 500 mil votos por lá serão contados ainda hoje, sendo que a vantagem atual do republicano é de 110 mil votos.

Trump acusa um golpe na contagem dos votos enviados pelo correios e já iniciou um movimento de recorrer à Suprema Corte americana para tentar reverter o resultado. O risco de judicialização da disputa, no entanto, fica em segundo plano no momento.

Em meio a este cenário incerto, os investidores não dão sinais de apreensão e as bolsas globais têm mais um rali, apoiadas na leitura de que um democrata na presidência poderá trazer um maior pacote de estímulos fiscais à combalida economia dos Estados Unidos.

Ao mesmo tempo, o fato de as duas casas legislativas — a Câmara dos Deputados e o Senado — ficarem divididas entre democratas e republicanos também favorece o bom humor dos agentes financeiros, já que assim são menores as chances de projetos intervencionistas por parte dos "azuis" (como aumento de impostos corporativos e regulamentação do setor de tecnologia).

Por ora, no Senado há 48 cadeiras de democratas eleitos, o mesmo número de republicanos. São necessários 51 assentos para um dos partidos ter a maioria.

Na Câmara, há 209 cadeiras para os democratas e 190 para os republicanos, segundo as projeções atuais. São necessários 218 assentos para controlar o órgão.

Nos Estados Unidos, os principais índices acionários subiam ao menos 2,2% por volta das 16h50, mantendo o bom humor visto nos últimos dias. Na Europa, as bolsas nas principais praças, como Londres, Paris e Frankfurt, terminaram o dia em altas mais leves, de no mínimo 0,4%.

Surfando na onda positiva vista mais fortemente nos EUA, o principal índice acionário da bolsa brasileira voltou a operar acima dos 100 mil pontos. No mesmo horário, o Ibovespa acompanhava o bom humor generalizado e subia cerca de 3%, aos 100.780 pontos.

Top 5

As ações da Ultrapar aparecem como grande destaque positivo da bolsa brasileira nesta manhã, após a divulgação dos números do terceiro trimestre. O Credit Suisse, inclusive, elevou a recomendação para a ação.

Os papéis do Grupo Fleury também sobem forte, após o anúncio da criação de um fundo de investimento em startups.

Os papéis de concessionárias de rodovias, como EcoRodovias ON (ECOR3), e de transportes urbanos e aeroportos, como CCR ON (CCRO3), também estão entre as maiores altas do índice — os dois papéis perderam cerca de 30% no ano. O setor é ajudado pelo bom balanço apresentado pela EcoRodovias na noite de ontem.

A temporada de balanços brasileira também segue no radar. O principal destaque é o resultado do Banco do Brasil, que veio abaixo do esperado pelos analistas, mas cuja ação Banco do Brasil ON (BBAS3) tem ganhos agora de quase 2%.

Veja as maiores altas do Ibovespa hoje:

CÓDIGOEMPRESAPREÇO (R$)VARIAÇÃO
UGPA3Ultrapar ON             19,43 13,23%
CSAN3Cosan ON             72,72 8,88%
CIEL3Cielo ON                3,62 8,71%
ECOR3Ecorodovias ON             11,53 8,98%
CCRO3CCR ON             12,34 8,82%

Confira também as maiores quedas do principal índice da bolsa:

CÓDIGOEMPRESAPREÇO (R$)VARIAÇÃO
CSNA3CSN ON             20,79 -3,03%
COGN3Cogna ON                4,38 -2,01%
IRBR3IRB ON                6,20 -0,48%
SUZB3Suzano ON             51,46 -0,33%
KLBN11Klabin units             24,04 -0,17%

Dólar e juros voltam a cair

O dólar experimenta mais um dia de fraqueza global, como apontado pelo Dollar Index, índice que compara a moeda a divisas fortes como euro, libra e iene e cai 0,6% neste momento.

Frente ao real, a moeda americana tem uma queda ainda mais forte de 1,9%, a R$ 5,5459. Na mínima, o dólar tombou 1,98% para R$ 5,5419.

A leitura de agentes financeiros é que uma eventual vitória de Biden representará menos protecionismo do que a de Trump, diminuindo os riscos de estender uma guerra comercial contra a China — o que ajudou o dólar nos últimos anos ao disparar incerteza nos mercados.

Os juros futuros, por sua vez, continuaram o movimento de descompressão de taxas e fecharam em quedas, com movimentos mais intensos de baixa nos vértices mais longos da curva — como contratos para janeiro de 2023 e 2025, que seguiram mais de perto o ritmo de tombo do dólar.

Além disso, os leilões do Tesouro Nacional ocorreram sem percalços hoje, com o movimento de baixa se fortalecendo após as vendas de LFTs (Tesouro Selic, título pós-fixado), NTN-F (Notas do Tesouro Nacional série F, título pré-fixado) e LTNs (Tesouro Prefixado) — a maioria dos títulos foi comprada apesar da situação fiscal delicada do país.

  • Janeiro/2021: de 1,937% para 1,938%
  • Janeiro/2022: de 3,46% para 3,45%
  • Janeiro/2023: de 5,06% para 5,03%
  • Janeiro/2025: de 6,75% para 6,66%

De olho no Fed

Não é somente as eleições americanas que são destaque nos Estados Unidos nesta quinta-feira. Hoje tivemos a decisão de política monetária do Fed (16h), que agora está sendo seguida de uma coletiva do presidente da instituição, Jerome Powell.

A instituição manteve a taxa de juros básica parada na faixa entre 0%e 0,25%. Além disso, o banco central não vê, atualmente, a necessidade de alta de juros até 2023.

“A atividade econômica e o emprego continuaram se recuperando, mas permanecem bem abaixo dos níveis do início do ano”, afirmou o comunicado do Fed.

A autoridade monetária ressaltou que persegue os objetivos de máximo nível de emprego e a inflação média de 2%.

O comunicado do Fed novamente disse que a instituição continuará a aumentar seu balanço patrimonial de US$ 7 trilhões para "ajudar a promover condições financeiras acomodatícias" — ou seja, o banco poderá realizar ainda compras de ativos em um cenário de aumentos de casos da covid-19.

Ainda no cenário macroeconômico dos EUA, mais cedo o Departamento do Trabalho americano divulgou que o número de pedidos de auxílio-desemprego teve queda de 7 mil pedidos na semana, indo a 751 mil.

Com a piora do quadro da pandemia do coronavírus na Europa, o Banco da Inglaterra anunciou mais estímulos nesta manhã e também acelerou o seu programa de compra de títulos públicos para US$ 195 bilhões, em meio ao coronavírus e lockdown no Reino Unido.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Após vacinação e apoio fiscal

Economia dos EUA está “em ponto de inflexão” positivo, diz Powell, do Fed

Economia norte-americana está prestes a começar a crescer muito mais rapidamente, afirmou presidente do banco central norte-americano em entrevista

nos estados unidos

Remuneração de CEOs cresceu em meio à pandemia

Recuperação do mercado de ações impulsionou ganhos de executivos em 2020, que tiveram remuneração média de US$ 13,7 mi no período

Após estremecimentos

China quer parceria estratégia com Brasil, diz chanceler asiático

Chanceler chinês, Wang Yi, falou com o novo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos Alberto Franco França.

entrevista

Bittar reafirma que Guedes sabia de acordo para destinar verba a emendas

Apontado como um dos artífices da “maquiagem” no Orçamento, o senador Marcio Bittar diz que não chegou sozinho ao valor de R$ 29 bilhões em emendas

Apesar da pandemia

Saúde perde espaço em emendas parlamentares

Números mostram estratégia dos parlamentares para destinar recursos para obras e projetos de interesse eleitoral em seus redutos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies