Menu
2020-11-04T08:11:49-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Balanço

Itaú tem lucro de R$ 5 bilhões no terceiro trimestre e “empata” com Bradesco

Resultado do maior banco privado brasileiro representa uma queda de 29,7% em relação ao mesmo período do ano passado, mas superou as projeções do mercado

3 de novembro de 2020
19:43 - atualizado às 8:11
Agência do Itaú
Imagem: Shutterstock

O Itaú Unibanco registrou lucro líquido recorrente de R$ 5,030 bilhões no terceiro trimestre, o que representa uma queda de 29,7% em relação ao mesmo período do ano passado, mas um avanço de 19,6% na comparação trimestral.

O resultado superou as projeções dos analistas compiladas pelo Seu Dinheiro, que apontavam para um resultado de R$ 4,225 bilhões. Mas deu a impressão de que poderia ser melhor.

Afinal, o lucro do maior banco privado brasileiro ficou praticamente "empatado" com o do Bradesco, embora seja maior.

Leia também:

A rentabilidade sobre o patrimônio líquido do Itaú melhorou em relação ao segundo trimestre, de 13,5% para 15,7%. Mas ainda está bem abaixo do nível de 23,5% no terceiro trimestre do ano passado.

Nesse quesito, o Itaú até conseguiu se manter acima do principal rival, cujo retorno foi de 15,2%, mas ficou abaixo do Santander Brasil, o campeão de rentabilidade entre os grandes bancos privados no terceiro trimestre.

Margem pressionada

Pesou no resultado do Itaú o desempenho da margem financeira, a linha do balanço que contabiliza as receitas com crédito, descontados os custos de captação.

No terceiro trimestre, a margem atingiu R$ 16,928 bilhões, uma queda de 11,2% na comparação com o mesmo período do ano passado e de 4,8% no trimestre.

O banco atribuiu a redução à mudança no mix de produtos do varejo, com uma menor utilização de produtos rotativos e de crediário e maior utilização de créditos parcelados com melhores condições e taxas, maior participação da carteira de pessoas jurídicas e a redução da Selic.

Crédito avança

O resultado só não foi pior porque a carteira de crédito do Itaú teve um bom desempenho, com um avanço de 20,4% em 12 meses e de 4,4% no trimestre, para R$ 847 bilhões. Parte dessa alta, porém, é resultado da variação cambial.

As linhas com pequenas e médias e empresas foram o principal destaque, com uma alta de 36,9% nos últimos 12 meses. As operações com grandes empresas aumentaram 24,2% no mesmo período.

Assim como aconteceu com os demais bancos, o Itaú registrou uma redução na inadimplência acima de 90 dias para 2,2% em setembro. No trimestre passado, o índice estava em 2,7% e no terceiro trimestre do ano passado, em 2,9%.

Vale lembrar, porém, que a queda dos calotes é resultado principalmente dos processos de renegociação e prorrogação do pagamento de parcelas promovidos pelos bancos no auge da crise do coronavírus. Ou seja, a expectativa é que a inadimplência comece a subir nos próximos resultados.

Em um sinal de que o pior da crise do coronavírus parece ter ficado para trás, o chamado custo do crédito, que inclui as despesas com provisões para calotes, recuou 18,7% no trimestre, para R$ 6,319 bilhões. Na comparação com o mesmo período do ano passado, porém, o custo ainda foi 40,6% maior.

Tarifas e despesas

As receitas com a cobrança de tarifas e o resultado com seguros do Itaú Unibanco também foram destaque positivo, com aumento de 12% em relação ao terceiro trimestre do ano passado, para R$ 11,094 bilhões.

Assim como o Bradesco, o Itaú apostou no controle de custos. As despesas diminuíram 0,9% no terceiro trimestre e somaram R$ 12,678 bilhões.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

em meio à crise

Em reunião com empresários, Bolsonaro defende vacinação e diz não ter preocupação com CPI da Covid

Presidente e ministros participaram de uma videoconferência com o grupo que reúne os 50 maiores grupos privados do País

seu dinheiro na sua noite

Ação da Moura Dubeux caiu 50% desde o IPO. Ficou barata?

O ano de 2020 começou promissor para a economia brasileira e com boas perspectivas para a chegada de novas empresas à bolsa. A temporada de IPOs se iniciou nos primeiros dias de fevereiro, com a estreia da construtora Mitre, seguida da empresa de tecnologia Locaweb. Mais para meados do mês, vimos a abertura de capital […]

ampliação de sortimentos

Lojas Americanas compra Imaginarium e prevê aumentar marcas próprias

Companhia anunciou aquisição do Grupo Uni.co, mas não revelou valores; com negócio, Americanas avança sobre varejo especializado em franquias

FECHAMENTO

Mercado olha desconfiado para Orçamento e Ibovespa acompanha queda do exterior; dólar fica estável

Com a agenda de indicadores esvaziada e a véspera de feriado, os investidores acabaram optando pela cautela

Prioridade na Casa

Câmara aprova requerimento de urgência sobre projeto de privatização dos Correios

A medida permite que a proposta “fure” a fila de votação de projetos e pode agilizar o processo de desestatização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies