Menu
2020-01-14T15:21:37-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Questão de cálculo

Por que o reajuste do salário mínimo para 2020 ficou abaixo da inflação – e o que o governo pode fazer?

Valor de R$ 1.039, anunciado em 31 de dezembro pela gestão Bolsonaro, trouxe um reajuste abaixo do INPC total de 2019

14 de janeiro de 2020
14:34 - atualizado às 15:21
Dinheiro Salário mínimo
Imagem: Shutterstock

A divulgação do Índice Nacional de Preços ao Mercado (INPC) de 2019 na última sexta-feira (10) trouxe alguns dados ocultos e que motivaram reações contra o reajuste do salário mínimo de 2020 definido pelo governo federal.

O novo salário mínimo foi anunciado em 31 de dezembro e fixado no valor de R$ 1.039. Mas após a divulgação dos índices oficiais de inflação em 2019, foi constatado que o valor aprovado não repõe a variação de preços em um ano.

Diferentemente do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial, o INPC é o índice utilizado pelo governo como parâmetro de reajuste do salário mínimo, e em 2019 fechou em 4,48%. Como o mínimo estava estabelecido em R$ 998 em 2019, o aumento via reajuste ficou em 4,1%, portanto abaixo da inflação. Se levada em conta a variação do INPC, o salário mínimo deveria ter chegado a R$ 1.042,71 em 2020.

Mas algumas informações técnicas ajudam a explicar os motivos para que o salário mínimo ‘perdesse valor’ em 2020. A principal delas é que o governo, para definir o valor de R$ 1.039, realizou cálculos com base na previsão do mercado financeiro para o INPC em dezembro do ano passado, que estava em 0,62%. Se essa projeção se confirmasse, o índice de todo o ano de 2019 somaria 3,84%.

Ocorre que os índices de inflação aceleraram acima do esperado em dezembro, levando o acumulado do ano a superarem as expectativas do mês. Como esses dados só foram divulgados em janeiro, o reajuste para o novo salário mínimo fixado anteriormente acabou perdendo da inflação.

O que o governo pode fazer?

O presidente Jair Bolsonaro já se pronunciou a respeito do reajuste do salário mínimo e afirmou que existe brecha legal para que um novo aumento de valor seja autorizado pelo governo neste ano. A ideia é oficializar um número alinhado à inflação de 2019.

Apesar do desejo do presidente, a equipe econômica trabalha com outra alternativa, que tradicionalmente é aplicada pelo governo. Um integrante do time de Paulo Guedes lembrou que é possível compensar a inflação quando forem feitos os reajustes de salário mínimo no ano seguinte.

Ao definir o salário mínimo de 2019, por exemplo, a equipe econômica adicionou R$ 1,75 porque o INPC de 2017 ficou acima do que foi considerado na definição do salário mínimo de 2018.

Já para a definição do salário mínimo de 2020, a equipe econômica levou em conta o valor de R$ 999,91 (acima dos R$ 998 vigentes no ano passado) porque a inflação efetiva de dezembro de 2018 também veio mais alta do que a estimativa que foi levada em conta.

Se a correção de 4,48% do INPC de 2019 fosse aplicada sobre essa base, de R$ 999,91, o valor do salário mínimo deveria ter subido, então, para R$ 1.044,70.

De acordo com cálculos do governo, o aumento de cada R$ 1 para o salário mínimo implica despesa extra em 2020 de aproximadamente R$ 355,5 milhões.

Opção em análise

O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, disse nesta terça-feira que o ministro Paulo Guedes deve discutir o reajuste do salário mínimo com o presidente Bolsonaro. A alternativa em análise levaria o salário mínimo para R$ 1.045.

"O presidente Jair Bolsonaro já deu declarações de que entende ser possível esse espaço. Um valor maior para o salário mínimo aumenta o poder de compra dos trabalhadores, mas também tem pressão orçamentária", afirmou o secretário especial.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Decisão em plenário

Toffoli marca julgamento sobre inquérito das fake news para semana que vem

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, marcou para a próxima quarta, 10, o julgamento sobre a continuidade ou não das apurações do inquérito das fake news

Ministério atualiza dados

Brasil chega a 526,4 mil casos e 29,9 mil mortes por coronavírus

Até o momento, 211.080 pacientes estão recuperados da doença

seu dinheiro na sua noite

O mundo em ebulição

Caro leitor, Não bastasse uma pandemia mundial que paralisou a economia, tensões políticas no Brasil e o retorno da troca de farpas entre Estados Unidos e China, temos assistido também, nos últimos dias, a intensos protestos nos EUA contra o racismo. No último fim de semana, às já habituais manifestações em apoio ao governo aqui […]

Cresceu 3,7% em 2019

Vendas de festa junina nos supermercados devem crescer 0,6% em SP, diz associação

A perspectiva do avanço de vendas em supermercados é bem menor do que a registrada no ano passado, um crescimento de 3,7%

Queda no tráfego

Movimento em rodovias da Triunfo cai 13,9% na quarta semana de maio

O movimento de veículos leves recuou 77,3%, enquanto o tráfego de veículos pesados caiu 36,6%. Os dados se referem à Concebra, Concer, Transbrasiliana e Econorte

Termo de compromisso

BC multa Bradesco em R$ 92,2 milhões e solicita aprimoramento em operações de câmbio

A autarquia aplicou ainda multas de R$ 350 mil em oito funcionários do Bradesco. Os valores devem ser pagos em até 30 dias

Otimismo na bolsa

Ibovespa ignora tensões sociais e sobe mais de 1%, amparado na agenda econômica

O Ibovespa abriu o mês no campo positivo e foi às máximas desde 10 de março, sustentado pelos indicadores econômicos mais fortes na China e nos EUA. O dólar, por outro lado, teve um dia mais pressionado, colocando na conta as manifestações nos EUA e no Brasil

Pesquisa energética

Consumo de energia cai 6,6% em abril, diz EPE

O setor comercial foi o mais atingido, com queda de 17,9%, seguido pela indústria, com perda de 12,4% no consumo. Já o setor residencial subiu 6%, sinalizando aumento da demanda trazida pelo isolamento social, que obrigou as pessoas a ficarem mais em casa

LIÇÕES SOBRE INVESTIMENTOS

Senna, o barbeiro de Mônaco, já tocou minha campainha

Mesmo os tricampeões mundiais cometem erros de vez em quando. Neste texto, Felipe Paletta mostra como a inteligência emocional pode contribuir com você para tomar melhores decisões de investimentos. Dimensionando o risco, você pode ir mais longe.

Impacto do coronavírus

Balança comercial tem superávit de US$ 4,548 bilhões em maio, queda de 19,1%

Com queda nas exportações e, em menor volume, nas importações, a balança comercial brasileira registrou saldo positivo de US$ 4,548 bilhões em maio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements