Menu
2020-01-10T16:43:48-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela UFPR. Fez parte da oitava turma de treinamento em jornalismo econômico do Estadão.
acima do centro da meta

Inflação oficial fecha 2019 em 4,31% e supera estimativas do mercado

Segundo o IBGE, o dos preços em dezembro, de 1,15%, foi o maior registrado para o mês desde 2002; no ano, índice superou as expectativas do mercado.

10 de janeiro de 2020
9:27 - atualizado às 16:43
Inflação
Imagem: Shutterstock

A inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficou em 1,15% no mês de dezembro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (10).

Segundo o IBGE, o avanço foi o maior registrado para o mês desde 2002. Com o resultado de dezembro, o índice fechou 2019 a 4,31%. O valor ficou acima do centro da meta, que era de 4,25%, e também superou as projeções do mercado, que eram de 4,13%.

Segundo o analista da Capital Research, Ernani Reis, mesmo superando as estimativas, o número foi bem recebido pelos agentes financeiros. O especialista lembra que, também nesta sexta, a Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgou a prévia do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) para janeiro, que ficou abaixo do esperado, a 0,67%.

Para Reis, o indicador da FGV mostra que a disparada dos índices no final do ano passado não deve continuar em 2020. "Independentemente disso, a possibilidade de uma mudança de trajetória do IPCA com impacto sobre a taxa básica de juros, Selic, ainda é monitorada pelo mercado", diz.

Inflação alta costuma levar o BC a aumentar os juros, enquanto uma inflação mais baixa e controlada dá espaço pra redução dos juros. Hoje, a taxa básica está em 4,5% - por ora, a estimativa é que os juros se mantenham nesse patamar neste ano.

Para 2020, o mercado ainda tem uma expectativa de que o IPCA feche em 3,59%, segundo o Boletim Focus, do Banco Central. O centro da meta é de 4,00%, podendo o índice oscilar de 2,50% a 5,50%.

Inflação por período

  • Dezembro: 1,15%
  • Novembro: 0,51%
  • Dezembro de 2018: 0,15%
  • Acumulado no ano: 4,31%

Razões para a alta

Os preços do grupo alimentos e bebidas, que subiram 6,37%, pesaram no bolso dos brasileiros no ano passado, segundo o IBGE. A alta foi puxada principalmente pelas carnes, cujos preços dispararam no mercado interno devido ao aumento das exportações para a China e à desvalorização do real.

Segundo Pedro Kislanov, do IBGE, pesou também a alta nos planos de saúde, de 8,24%, por conta do reajuste autorizado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). "A alimentação fora do domicílio também influenciou o índice”, diz.

O IBGE ainda destaca a alta dos combustíveis (3,57%) e das passagens áreas, que subiram de 4,35% em novembro para 15,62% em dezembro. Os jogos de azar (12,88%) também impactaram a inflação de dezembro, em função do reajuste nos preços das apostas, vigente desde novembro.

Calculado pelo IBGE desde 1980, o IPCA abrange o consumo de famílias com rendimento monetário de entre um e 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte.

Cálculo vai mudar

A partir de janeiro de 2020, a conta elaborada pelo IBGE para chegar ao IPCA vai mudar. Na lista de itens avaliados pelo instituto, saem aqueles cujo peso dentro do orçamento familiar ficou menor - como aparelhos de DVD e as máquinas fotográficas. Passam a fazer parte do cálculo itens como transporte por aplicativos e serviços de streaming.

Na nova composição, são 377 produtos e serviços, seis a menos do que o modelo atual de pesquisa. No total, o IPCA passa a ter 56 novos subitens. Ou seja, 62 itens foram substituídos ou retirados da lista.

A nova lista de componentes do IPCA surgiu a partir dos dados coletados na Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018. Depois de dez anos sem levantamentos, a POF revelou uma profunda mudança nos hábitos dos brasileiros - que deixaram, por exemplo, de fazer ligações pelos orelhões e passaram a utilizar as chamadas de voz e vídeo do WhatsApp.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

algumas linhas

Banco do Brasil e Itaú Unibanco anunciam corte de juros acompanhando a Selic

Os dois bancos vão reduzir os custos de algumas linhas para pessoas físicas e empresas, a partir da próxima segunda-feira

Exclusivo SD Premium

As ações campeãs para o mês de agosto, segundo 13 corretoras

As empresas de perfil campeão estão prontas para surfar a retomada econômica – mesmo que ela demore mais um pouco para chegar. Confira a seleção dos analistas

covid no brasil

Covid-19: Brasil tem 97.256 óbitos e 2,02 milhões de recuperados

Atualmente, 741.180 pacientes estão em acompanhamento

Resultados que mexem o mercado

Braskem, AES Tietê, SulAmérica: os balanços que movimentam o mercado nesta quinta

Resultados financeiros do primeiro trimestre afetam mercado em meio à pandemia

seu dinheiro na sua noite

O fim de um ciclo?

Após um ano de cortes sucessivos, o atual ciclo de queda da taxa básica de juros, a Selic, parece ter chegado ao fim nesta quarta-feira. No início da noite, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) anunciou a redução dos juros em 0,25 ponto percentual, para 2,00% ao ano, como já era esperado […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements