Menu
2020-03-13T06:23:54-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Entrevista exclusiva

BC deve cortar Selic em 0,5 ponto com efeito do coronavírus na economia, diz Figueiredo, da Mauá Capital

Para Luiz Fernando Figueiredo, ex-diretor de política monetária do BC, o Copom poderia fazer cortes adicionais que fariam a taxa terminar o ano entre 3% e 3,5%

13 de março de 2020
5:40 - atualizado às 6:23
Luiz Fernando Figueiredo, sócio da Mauá Capital
Luiz Fernando Figueiredo, sócio da Mauá Capital e ex-diretor do Banco Central - Imagem: Reprodução YouTube

O impacto da epidemia do novo coronavírus na economia brasileira, ainda que tenha tamanho e duração incertos, justifica um corte da taxa básica de juros (Selic) de meio ponto percentual pelo Banco Central já na reunião que acontece na próxima semana.

Essa é a avaliação de Luiz Fernando Figueiredo, ex-diretor de política monetária do BC e sócio-fundador da Mauá Capital. Para ele, o Copom poderia continuar com flexibilizações adicionais que fariam a taxa terminar o ano entre 3% e 3,5% ao ano.

Figueiredo afirma que o choque gerado pela pandemia é desinflacionário, já que diminuirá o ritmo de crescimento da economia. “Um corte de juros seria uma maneira de o BC responder ao efeito do coronavírus na atividade”, afirma o economista, que projeta um PIB entre 1,5% e 2% em 2020.

Para o ex-diretor do BC, o ambiente de inflação no Brasil ainda está muito confortável mesmo sem o choque da pandemia — o que, portanto, daria mais argumentos para a autoridade monetária diminuir novamente o juro básico, hoje em 4,25% ao ano.

Mercados irracionais

Figueiredo acredita que os mercados financeiros atualmente se encontram em estado de “irracionalidade”, pois não conseguem mensurar de forma apropriada o risco que estão correndo.

Isto se deve ao cenário ainda nebuloso sobre a escala dos impactos do vírus na economia. Deste modo, o movimento dos ativos é exagerado, diz ele.

“Na maioria disparada das empresas, o preço das ações caiu muito mais do que a lucratividade delas vai cair” – Luiz Fernando Figueiredo, Mauá Capital

Para ele, há um descompasso entre os fundamentos e o mercado. “A bússola do mercado está quebrada. Os preços estão muito fora da visão de normalidade.”

O ex-diretor do BC vê, por exemplo, que as recentes altas nos juros futuros, cujas taxas hoje apontam para uma alta da Selic nas próximas reuniões do Copom, constituem outro desses movimentos sem fundamento nenhum na realidade econômica.

Isto mesmo em meio a um contexto de deterioração do ambiente político brasileiro, que põe em risco a sustentabilidade fiscal do país. Na quarta-feira, o Congresso derrubou um veto do presidente Jair Bolsonaro que impacta em R$ 20 bilhões por ano o gasto público.

Instrumento utilizado normalmente por países para impedir a depressão da atividade econômica, a política fiscal não poderá ser uma opção no caso brasileiro.

“A saúde fiscal do Brasil ainda é frágil”, diz o economista. O incremento do gasto público para estimular o crescimento, desta forma, é carta fora do baralho. Para ele, a política monetária é o instrumento à mão do governo para enfrentar a crise econômica gerada pela epidemia.

Mas e o câmbio?

Em outra frente, no mercado cambial, o BC já tem atuado com a venda de dólar à vista ou por meios das operações de swap (que equivale à venda de dólar no mercado futuro), disse Figueiredo. Mesmo assim, a moeda norte-americana chegou a superar a marca de R$ 5 na abertura da sessão da quinta-feira.

Embora a alta do dólar provoque alguma pressão inflacionária, a redução no ritmo da atividade econômica, que hoje já se encontra em uma toada gradual, diminui o repasse da variação cambial para os preços, segundo Figueiredo. Por sua vez, a economia, sendo afetada pelo vírus, também impactará a inflação para baixo, abrindo a porta para mais quedas na Selic.

A meta de inflação para este ano é de 4%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Enquanto isso, a inflação medida pelo IPCA no acumulado dos últimos 12 meses é de 4,01%, de acordo com o IBGE.

Figueiredo também discutiu a preferência do mercado por uma atuação ainda mais forte da autoridade monetária no câmbio.

“Em momentos como este, o que o mercado gostaria é que houvesse uma mão mais pesada do BC, faz parte. Hoje [ontem] o BC foi muito mais contundente, é muito difícil de criticar.”

Segundo Figueiredo, o Banco Central está testando as maneiras de intervenção nesse mercado, já que o mercado reage a um impacto do coronavírus ainda não passível de medição. O ex-BC vê que a taxa de câmbio de equilíbrio se encontra atualmente “muito mais próxima dos R$ 4 do que dos R$ 5”.

E a bolsa?

Em meio ao coronavírus, empresas do setor de saúde são uma escolha apropriada, diz ele, que também recomenda empresas ligadas a consumo domestico e setores de utilities.

Após o esclarecimento dos impactos da doença na economia e apaziguamento do surto, os ativos tendem a voltar ao preço que tinham anteriormente, disse o ex-BC.

"Os mercados sofreram barbaramente. A tendencia é que, quando comece a recuperar, seja um movimento brutal na outra direção", diz Figueiredo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

balanços 3º tri

Hypera Pharma atinge maior receita da história e lucro cresce 29,4% no terceiro trimestre

Além da evolução de dois dígitos no segmento de ‘sell-out’ (vendas em farmácias), o período também fechou a conclusão de dois grandes negócios para a Hypera Pharma

Mudanças no time

BB Seguridade anuncia Marcio Hamilton Ferreira como novo diretor-presidente

Ferreira é graduado em Administração de empresas e desde janeiro ocupava o cargo de Diretor-Presidente da Brasilprev, empresa investida da BB Seguridade.

Multa de US$ 40 milhões

Justiça dos EUA aprova acordo para encerramento de ação coletiva, diz BRF

A empresa pagou a quantia de US$ 40 milhões para encerrar todas as demandas pendentes e que possam vir a ser propostas por pessoas ou entidades

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Um grande passo para a Arezzo

A Arezzo, rede de lojas de calçados femininos presente em boa parte dos shoppings brasileiros, abriu o capital na bolsa em 2011. Se você buscar no Google, provavelmente vai encontrar a matéria que eu escrevi na época sobre o IPO da empresa. Eu inclusive estive na sede da antiga BM&FBovespa (atual B3) na manhã do […]

fechando a conta no azul

Perdeu, mas ganhou: Ibovespa tem correção e cai, mas termina semana em alta; juros disparam com inflação

Índice não conseguiu manter toada positiva vista em outros dias e recuou com quedas de bancos e Petrobras; dólar sobe com inflação maior à vista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies