Menu
2020-03-11T20:28:50-03:00
DERROTA PARA O GOVERNO

Em derrota para o governo, Congresso retoma ampliação de acesso ao BPC

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, alertou ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, que a derrubada do veto “pode significar o fim do teto de gastos”

11 de março de 2020
20:28
Congresso Nacional
Congresso Nacional - Imagem: Pedro França/Agência Senado

O Congresso derrubou o veto do presidente Jair Bolsonaro ao projeto que eleva o limite de renda familiar per capita para concessão do benefício de prestação continuada (BPC). No Senado, foram 45 votos pela derrubada do veto a 14 e, na Câmara, 302 a 137. A votação significa uma derrota para o governo, em meio a uma crise entre o Executivo e o Legislativo na disputa pelo controle do Orçamento.

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, alertou ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, que a derrubada do veto "pode significar o fim do teto de gastos". O governo estima um impacto de R$ 217 bilhões em uma década com a derrubada do veto, sendo R$ 20 bilhões apenas este ano.

O projeto de lei, que teve origem no Senado, aumentava de um quarto do salário mínimo para meio salário mínimo a renda mensal per capita familiar da pessoa portadora de deficiência ou do idoso com direito a receber o BPC, equivalente a um salário mínimo. Em dezembro do ano passado, Bolsonaro decidiu vetar integralmente a medida. Na época, a justificativa do Executivo foi que o projeto criava despesas obrigatórias sem indicar fonte de custeio.

Além do ônus ao caixa da União, uma fonte ouvida pelo Broadcast afirma que a derrubada do veto pode ainda agravar a situação das filas de espera junto ao INSS.

O governo enfrenta desde o início do ano uma crise por causa do acúmulo de requerimentos de benefícios. A fila tem hoje 1,9 milhão de pedidos aguardando uma decisão, sendo 1,3 milhão em análise há mais de 45 dias (prazo legal para o INSS se pronunciar).

A votação do veto foi realizada enquanto a Comissão Mista de Orçamento do Congresso analisava os projetos enviados pelo Executivo para regulamentar o Orçamento impositivo. No plenário, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), tentou manter a medida. "Chamo a atenção para que hoje o maior drama do orçamento público federal é em relação às despesas obrigatórias. Quanto mais se ampliarem as despesas obrigatórias, maior a necessidade de reduzir as despesas discricionárias. E nós estamos falando de despesas de investimento: investimento em saúde, investimento em educação, investimento em primeira infância, investimento em infraestrutura", disse Bezerra ao pedir a manutenção do veto.

O deputado Edmilson Rodrigues (PSOL-PA) pediu a derrubada da medida. "Chega a ser criminosa essa tentativa de reduzir gastos públicos, aumentando a morte e a miséria do povo brasileiro", disse.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Recessão à vista

PIB do Brasil deve cair 0,7% em 2020 por coronavírus, diz S&P

S&P Global Ratings prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve sofrer contração de 0,7% neste ano, com risco de baixa, devido aos impactos econômicos da pandemia de coronavírus

Seu Dinheiro na sua noite

Balança mas não cai?

Caro leitor, Embora a pandemia global de coronavírus ainda esteja longe de ser debelada – pelo menos com os dados e tratamentos que temos até o momento – o mercado começou a semana menos pessimista. Itália, Espanha e o estado de Nova York – três localidades críticas de disseminação da doença – mostraram, no fim […]

Embraer cortada

S&P rebaixa rating da Embraer de BBB para BBB- e mantém nota em observação

S&P diz que, em resposta à pandemia de coronavírus, muitas companhias aéreas devem tentar atrasar novas entregas de aeronaves até pelo menos o fim do terceiro trimestre de 2020, o que deve pressionar o fluxo de caixa e as métricas de crédito da empresa.

Em meio à pandemia

Telefônica, dona da Vivo, parcela fatura de inadimplentes

A Telefônica Brasil, dona da marca Vivo, decidiu flexibilizar as condições de pagamento de seus clientes de telefonia fixa e móvel, banda larga e TV por assinatura devido à crise do coronavírus

Não rolou

Clientes do Bradesco relatam instabilidade no aplicativo de internet banking

O aplicativo do Bradesco para pessoa física apresentou problemas na manhã desta segunda-feira, 6. Com o isolamento social, muitos clientes tiveram de fazer as transações via celular

Recuperação intranquila

Ibovespa passa por instabilidade com possível demissão de Mandetta, mas ainda fecha em alta firme

O Ibovespa terminou a sessão com ganhos de mais de 6%, mas ainda assim ficou distante das máximas e aquém das bolsas americanas. Tudo por causa das incertezas relacionadas à permanência do ministro da Saúde no cargo

Números atualizados

Brasil tem 553 mortes e 12 mil casos confirmados do novo coronavírus

Brasil chegou a 553 mortes em razão da pandemia do coronavírus, segundo atualização do Ministério da Saúde. Número representa um aumento de 13%

Fundos

Comprada em bolsa nos EUA, Verde Asset diz que volta de preços ocorrerá ‘mais rápido do que muitos imaginam’

Mercado já colocou nos preços uma brutal queda de lucratividade das empresas, que será revertida ao longo dos próximos anos, segundo a gestora

Não tem pra todo mundo

‘Não há como ajudar todos os setores’, diz presidente do Santander

Presidente do Santander Brasil, Sergio Rial afirmou que deve-se evitar que mais setores venham buscar dinheiro no governo por conta da crise

Premiê com covid-19

Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido, dá entrada em UTI

Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, deu entrada em uma unidade de terapia intensiva após a piora no seu quadro médico, disse a BBC

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements