Menu
2020-03-18T17:52:52-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Buscando novas máximas

Dólar fecha a R$ 5,19 com pessimismo global e expectativa de corte na Selic

O dólar à vista terminou a sessão cotado a R$ 5,19, após disparar pela manhã e atingir a marca inédita de R$ 5,20 na máxima. A perspectiva de novo corte na Selic, somada ao pessimismo externo, fizeram o mercado ficar na defensiva — e nem três leilões do BC adiantaram

18 de março de 2020
9:36 - atualizado às 17:52
Dólar em foco
Imagem: Shutterstock

Foi mais um dia de marcas históricas para o dólar, no que tem sido a tônica de 2020 e sem perspectiva de trégua.

Já no começo da sessão, a moeda mostrou que teria um desempenho pressionado, dado o contexto global fortemente negativo e a projeção de um corte da Selic no Copom de hoje.

Depois de disparar mais de 3% em meia hora de negócios, aproximou-se do dos R$ 5,20. O movimento arrefeceu na hora e meia seguinte com uma mãozinha do Banco Central, mas a alta voltou a acelerar no meio da tarde, o que exigiu que a autoridade monetária voltasse a campo com novo leilão de dólar à vista.

Pouco antes do fim do pregão, refletindo o pessimismo que se apossou do mercado sobre a atividade econômica, o dólar atingiu o pico de R$ 5,25, gatilho para nova ação do Banco Central, que fez a moeda recuar levemente a alta para R$ 5,19. O BC vendeu US$ 860 milhões em três leilões à vista nesta sessão.

No nível máximo atingido hoje — também o maior patamar histórico —, a divisa bateu os R$ 5,25. O dólar nunca sequer havia rompido o nível de R$ 5,10.

No exterior, o dia foi marcado pela valorização da moeda americana em escala global, tanto em relação às divisas fortes quanto em comparação com os ativos de países emergentes. Isto se deu porque, após o alívio de terça-feira, o mercado voltou a adotar postura mais pessimista quanto aos rumos da economia mundial em meio ao surto de coronavírus.

Por mais que os governos tenham assumido medidas mais enérgicas para conter o avanço da doença e limitar os impactos econômicos da pandemia, notícias preocupantes no front das empresas começam a ecoar. Na Europa, as montadoras de automóveis já começam a indicar uma paralisação ao menos parcial de suas atividades na Europa.

Outro setor fortemente abalado é o de transporte aéreo, com as principais companhias do mundo mostrando grande preocupação quanto à sustentabilidade de suas operações no médio prazo caso o cenário de forte contração da demanda e restrições aéreas persista.

Assim, em meio aos sinais desanimadores, muitos já apostam que os pacotes de estímulo acionados pelos governos não será suficiente para proteger a economia mundial — o que eleva a busca por proteção e aumenta a demanda por dólares por parte dos investidores.

E agora, Copom?

No Brasil, ainda há a decisão de juros do Copom, a ser divulgada na noite de hoje. O cenário-base do mercado é de um corte na Selic, com magnitude ainda indefinida, por mais que existam dúvidas quanto à eficácia da medida.

Fato é que, se concretizada, a redução na Selic tende a gerar ainda mais pressão no mercado de câmbio — em linhas gerais, cortes nas taxas de juros desencadeiam um movimento de alta no dólar, por fatores técnicos ligados ao diferencial nas taxas em relação aos EUA.

Assim, já dando como certa a baixa na Selic, os mercados se antecipam e jogam o dólar para o alto, renovando os recordes intradiários. Há pouco, o BC anunciou um leilão de linha com oferta de até US$ 2 bilhões, mas a medida surtiu pouco efeito para acalmar o câmbio.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Esquenta dos mercados

Ibovespa tem pregão crucial depois de recuperar a marca dos 100 mil pontos

Investidores temem que riscos internos e externos limitem recuperação a um ‘bear market rally’

AINDA EM DIFICULDADES

IRB Brasil fecha agosto com prejuízo de R$ 65,4 milhões

Excluindo os efeitos de negócios descontinuados, a companhia apresentou lucro de R$ 73,8 milhões

EM ALTA

Petrobras: Produção média em 2020 deve superar expectativas

Crescimento da produção de petróleo e gás natural acima do esperado não tem resultado em estoques excessivos, diz companhia

Gestão na crise

Com BR Distribuidora, Via Varejo e Vale nos fundos, Opportunity vê bolsa barata se país superar risco fiscal

Ações têm espaço para subir se o governo encontrar uma solução para encaixar o Renda Cidadã no orçamento sem “chutar o balde”, diz Luiz Felipe Constantino, sócio e gestor do Opportunity

Boletim médico

Covid-19: Brasil tem 154 mil mortes e 5,27 milhões de casos acumulados

Atualmente há 397.524 pacientes em acompanhamento. De acordo com o Ministério da Saúde, 4.721.593 pessoas já se recuperaram da doença.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies