Menu
2020-03-22T17:41:07-03:00
Estadão Conteúdo
BOLSA DE VALORES

B3 registra maior queda entre bolsas globais

Outros índices de Bolsas que estão entre as maiores quedas são o da Rússia (RTSI), com perda acumulada de cerca de 38% desde o início do ano; da Bolsa das Filipinas (-38%); o principal índice da bolsa da Hungria (-36%)

22 de março de 2020
17:41
Sede da B3
Sede da B3 - Imagem: Shutterstock.com

A paralisação da economia por conta dos efeitos do novo coronavírus levou o Ibovespa, o principal índice da B3, a ter a maior queda entre indicadores semelhantes das principais Bolsas do mundo em 2020. A retração chegou a 42% até o pregão da última sexta-feira, 20. As empresas listadas na Bolsa paulista perderam R$ 1,746 trilhão em valor de mercado no período.

Outros índices de Bolsas que estão entre as maiores quedas são o da Rússia (RTSI), com perda acumulada de cerca de 38% desde o início do ano; da Bolsa das Filipinas (-38%); o principal índice da bolsa da Hungria (-36%); e o da Itália (o FTSE MIB) - país que se tornou o novo epicentro da pandemia do coronavírus, mas ainda assim com queda menor do que a registrada pelo Ibovespa (de 33%). Nas Filipinas, as operações da Bolsa local chegaram a ser suspensas na semana passada por tempo indeterminado.

Além da rápida mudança nas expectativas para a economia do País, que deve entrar em período de recessão, analistas apontam pelo menos outra razão para a diferença nos índices de retração: o fato de a Bolsa brasileira entrar só agora em um período de "maturidade", com a chegada de maior número de investidores pessoas físicas. Com seis acionamentos nos últimos pregões do chamado circuit breaker (as pausas quando as quedas são muito acentuadas), o mesmo número observado em toda a crise de 2008, os recém-chegados teriam passado a vender ações muito rapidamente, o que ajudou a levar o preço ainda mais para baixo.

Uma outra explicação para as perdas recordes é a liquidez maior da Bolsa brasileira em relação a outros emergentes, o que acentua a queda no momento de crise. "Ninguém está negociando fundamentos agora", diz um operador de mercado. "O mercado entrou numa área de semi-pânico."

Até antes da crise, a Bolsa brasileira tinha boas perspectivas este ano. "O País era um dos preferidos nas recomendações de bancos estrangeiros, porque iria crescer acima da média dos emergentes, tinha reformas em andamento e estabilidade, com eleições presidenciais ainda distantes", diz Ronaldo Patah, estrategista para mercados emergentes do UBS. "Mas, quando há pressa para vender, o preço cai rápido."

O movimento teria sido intensificado pela inexperiência de muitos investidores, que haviam visto apenas o momento de valorização do mercado. "Muita pessoa física entrou no mercado acionário no momento de alta. Pouco tempo depois, vem a crise, e essas pessoas não estavam preparadas para tamanha aversão ao risco", diz um gestor. No fim de 2018, a B3 tinha 813 mil investidores pessoas físicas. Em fevereiro, momento que eclodiu a crise do coronavírus no mundo ocidental, esse número tinha saltado para próximo de dois milhões.

Em momentos de crise, é comum que os investidores saiam de mercados vistos como de maior risco, caso dos países emergentes, e retornem para ativos considerados mais seguros, como o dólar, que sobe 25% ante o real em 2020. "Essa valorização mostra a corrida por ativos mais seguros", diz Thiago Salomão, analista da Rico Investimentos. "A busca pelo dólar não é nem por fundamento da economia americana, é fuga mesmo."

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

evolução

Indústrias de grandes economias registram aceleração em fevereiro

Manufatura da zona do euro se expande no ritmo mais forte em três anos, enquanto Japão tem primeira alta desde abril de 2019

dragão à vista

Economistas voltam a piorar projeções para inflação e dólar em 2021

Possibilidade de dólar fechar o ano abaixo de R$ 5,00 ficou ainda mais remota, segundo mediana de projeções divulgada pelo BC

O melhor do Seu Dinheiro

Quem vai ganhar a corrida das varejistas?

Quem será o novo Magazine Luiza? Essa pergunta virou quase um clichê no mercado depois que a varejista se tornou um dos maiores casos de sucesso da bolsa, com uma valorização de quase 35.000% desde dezembro de 2015. Entre o antigo modelo de lojas de rua e o promissor varejo online, o segredo da empresa […]

alívio no caixa

Governo reabre programa para renegociação de dívidas das empresas

A ideia é proporcionar um alívio no caixa das empresas no momento em que governadores decretaram o fechamento de estabelecimentos não essenciais devido ao colapso em seus sistemas de saúde

briga de galo

IMC mantém, por ora, contrato de franquia com KFC

Juízo indefere pedido da KFC de revogação da exclusividade da IMC na administração das operações KFC no Brasil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies