Menu
2019-10-31T15:47:55-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Carga pesada

A Weg tem uma carta na manga para o futuro: um caminhão elétrico da Volkswagen

A Volkswagen do Brasil está desenvolvendo um caminhão 100% elétrico, uma iniciativa que pode render frutos interessantes à montadora e suas parceiras, especialmente a Weg

31 de outubro de 2019
15:47
Caminhão e-Delivery da Volkswagen em parceria com a Weg, entregue à Ambev
Caminhão e-Delivery da Volkswagen, atualmente em fase de testes para a Ambev - Imagem: Volkswagen

Transporte de cargas via caminhões e preocupação ambiental não são termos que costumam dividir a mesma frase. Veículos pesados, em geral, consomem diesel e tendem a emitir uma quantia elevada de poluentes — mas uma iniciativa da Volkswagen do Brasil, em conjunto com a Weg, quer mudar essa figura.

Uma das grandes apostas da montadora para o mercado local é o lançamento de um caminhão 100% elétrico — o primeiro do tipo fabricado no país —, batizado de e-Delivery. O veículo começará a ser produzido em série apenas em 2020, mas alguns protótipos já estão circulando pelas ruas, em fase de testes. E o futuro parece promissor.

A Volkswagen, afinal, já possui ao menos uma grande encomenda pelos novos caminhões elétricos: a Ambev. A fabricante de bebidas já assinou um contrato para a compra de 1.600 unidades do e-Delivery, de modo a renovar um terço de sua frota de veículos para a entrega e distribuição de bebidas até 2023.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Ter um grande comprador inicial é um passo importante para dar escala a qualquer projeto, e o fechamento do acordo com a Ambev viabilizou que a produção e o desenvolvimento do e-Delivery continuassem progredindo. Além da Weg, também participam do projeto Siemens, Bosch, Semcon, Moura, Meritor, Eletra e CATL.

A Volkswagen está trabalhando em duas versões do veículo: uma com capacidade de 11 toneladas e outra maior, de 14 toneladas — essa é a que começará a ser produzida em série no ano que vem. Os caminhões elétricos possuem autonomia de até 200 quilômetros, com motor de 260 kW de potência. Segundo a montadora, a recarga completa das baterias poderá ser feita em três horas.

Dito tudo isso, a Weg possui um interesse especial no projeto — e a equipe de análise do BTG Pactual fez um estudo a respeito dos potenciais ganhos de receita que o e-Delivery poderá trazer à empresa catarinense no médio prazo.

A Weg fornecerá os componentes elétricos para a rede de tração e os sistemas auxiliares do e-Delivery — o que, de acordo com o BTG, dá à empresa cerca de 15% das receitas a serem obtidas com as vendas do caminhão. No entanto, o novo veículo ainda não tem um preço definido, e, assim, é necessário fazer algumas suposições.

Futuro elétrico

Em relatório, os analistas Renato Mimica e Lucas Marquiori ponderam que, em geral, veículos elétricos custam de 15% a 70% a mais que os similares movidos a combustíveis fósseis, de acordo com o tamanho da linha de produção — quanto maior a escala, menor a diferença.

No exercício feito pelo BTG, os analistas assumem que a encomenda feita pela Ambev terá um prêmio de 50% em relação aos caminhões regulares da linha Delivery, que custam cerca de R$ 175 mil. Nesse cenário, as unidades entregues à fabricante de bebidas valeria perto de R$ 265 mil cada, levando o valor total do contrato a R$ 425 milhões.

Assim, considerando a fatia de 15% detida pela Weg no projeto, somente a encomenda da Ambev renderia à empresa catarinense uma receita extra de quase R$ 64 milhões entre 2020 e 2023. Uma cifra não muito expressiva, considerando que, entre janeiro e setembro desse ano, a receita da Weg weg.

No entanto, os analistas do BTG ponderam que o caminhão elétrico da Volkswagen tem potencial para conquistar uma fatia interessante do mercado de veículos urbanos de carga: caso o e-Delivery conquiste 20% desse universo, a Mimica e Marquiori vêem potencial de demanda de R$ 10 bilhões em cinco anos — ou R$ 1,5 bilhão para a Weg.empresas

"Obviamente, esse potencial pode aumentar caso o mercado mostre-se muito interessado pelo caminhão elétrico", escrevem os analistas, ponderando que, caso a fatia de participação de mercado suba para 30%, as vendas do e-Delivery saltarão para R$ 23 bilhões, o que implica numa receita de R$ 3,5 bilhões para a Weg em 2024.

Considerando todos esses fatores, o BTG mantém recomendação neutra para as ações ON da Weg (WEGE3), com preço-alvo de 12 meses de R$ 25,00 — por volta de 15h40, os papéis subiam 0,31%, a R$ 25,93, uma vez que, no curto prazo, os impactos financeiros do projeto tendem a ser bastante limitados.

"A tecnologia de mobilidade elétrica permanece aberta para disrupções futuras, que podem mexer com o cenário para fornecedores de equipamentos como a Weg", escrevem os analistas. "Sua participação no caminhão elétrico da Volkswagen anuncia sua imersão no mundo da produção em larga escala de sistemas de mobilidade elétrica".

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Rompimento da barragem

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações

Foi dentro de um jato particular da Vale, durante a viagem de volta ao Brasil, depois de participar do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que Fabio Schvartsman, então presidente da mineradora, recebeu a notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ano após a tragédia de 25 de janeiro, […]

Fórum Econômico Mundial

Guedes, Doria e Huck sobem a montanha mágica de Davos — mas com intenções distintas

O ministro da Economia, Paulo Guedes; o governador de São Paulo, João Doria; e o apresentador de TV Luciano Huck brigam pelo protagonismo na edição deste ano do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Seu mentor de investimentos

Estamos diante de um novo ciclo de alta das commodities?

No passado, dois bull markets de commodities deram enorme força à economia do Brasil. E, para o Ivan Sant’Anna, um novo ciclo de alta desses produtos está se desenhando no horizonte — o que abre enormes possibilidades de investimento

Parceiros

Brasil fecha acordo de cooperação técnica com a Alemanha na agricultura

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, assinou um acordo de cooperação com a Alemanha para o desenvolvimento do setor — a parceria durará, ao menos, três anos

APOSENTE-SE AOS 40 OU O QUANTO ANTES

3 Erros que vão ATRASAR sua aposentadoria

Aproveitando o clima de começo de ano, em que listas e regras para alcançar objetivos se proliferam mais rápido que o mosquito da dengue, decidi dar a minha contribuição numa lista diferente.

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements