Menu
Luciana Seabra
Advogada do Investidor
Luciana Seabra
É CFP®, especialista em fundos de investimento e sócia da Empiricus
2019-04-20T16:03:49-03:00
dica de leitura

O que você deve ler agora, segundo Luis Stuhlberger, o gestor do tão desejado fundo Verde

Ele está atento à guerra comercial entre EUA e China e seus efeitos sobre a economia global, de onde considera que pode vir um acordo capaz até de causar uma onda de otimismo nos mercados globais

11 de fevereiro de 2019
5:29 - atualizado às 16:03

Luis Stuhlberger, gestor do fundo Verde, tem dedicado seu tempo de leitura a tentar entender a China. Em evento recente, do Credit Suisse, ele contou quais foram seus mais recentes companheiros de viagem, devorados no trajeto São Paulo-Londres. E sugeriu as leituras.

Um deles foi o artigo "China's Prospective Import Binge and Globalisation 2.0", publicado em janeiro por Stephen Jen e Joana Freire, da gestora SLJ Macro Partners. O argumento básico do artigo é que a probabilidade de a guerra comercial entre chineses e americanos levar a uma China mais aberta é maior do que a de resultar em uns Estados Unidos mais protecionistas – ao contrário do que a maior parte dos analistas têm defendido.

Nessa versão da história, a China aumentaria suas importações, dando um impulso ao crescimento econômico mundial.

A segunda indicação do gestor foi do livro "China Great Wall of Debt", de Dinny McMahon, jornalista que cobriu China por dez anos no Wall Street Journal e no Dow Jones Newswire. Na verdade, Stuhlberger citou uma versão condensada do livro: "Em vez de gastar X mil horas lendo, encontrei um bom resumo..." (bom saber que gênios também leem resumos, não é mesmo?).

O livro reúne dados – como o de que o crédito bancário na China multiplicou por quatro entre 2008 e 2016 – que fazem o gestor da Verde considerar o cenário chinês extremamente desafiador.

A obra conta ainda histórias simbólicas das especificidades de operar no país, como a de Kun Huang e Jon Carnes, investidores canadenses que divulgaram um relatório e montaram uma posição vendida acusando empresas chinesas de divulgarem dados falsos de produção. As companhias acabaram deslistadas da Nasdaq, mas os investidores foram presos na China por difamação, passando inclusive por trabalho forçado e tortura.

Em 2017, o Verde sofreu com uma posição de dólar contra a moeda chinesa, que resultou no terceiro ano atrás do CDI de seus 22 anos de história. A tese até se realizou – no ano passado, quando Stuhlberger já tinha desistido dela (como contou nesta entrevista).

Neste momento, o gestor está atento à guerra comercial entre EUA e China e seus efeitos sobre a economia global. E revelou considerar provável um acordo, que inclusive vê como a única razão possível agora para uma onda de otimismo nos mercados globais. "Trump pode não gostar dos chineses, mas gosta bem menos do S&P caindo", disse o gestor da Verde em seu discurso público mais recente.

O multimercados Verde, gerido por Stuhlberger, rende 15.776% desde que foi criado, em 1997, muito acima dos 2.034% do CDI. Neste ano já entrega 3,34%, o equivalente a 521% do CDI. O fundo infelizmente está fechado para novos investimentos no momento.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

ficou para esta quinta

Para privatizar Eletrobras, governo aceita mais 19 emendas à MP

Por acordo entre os senadores, o texto da MP será votado apenas amanhã, 17, a partir das 10h, e até lá, eles poderão apresentar sugestões de destaques, que podem alterar o teor do parecer

seu dinheiro na sua noite

A Selic subiu mais um pouco – e na próxima reunião tem mais

Esta “Super Quarta” terminou com os bancos centrais brasileiro e americano apertando um pouquinho mais a torneirinha dos juros. A inflação pressiona, aqui e na terra do Tio Sam, e as autoridades monetárias querem mostrar que permanecem vigilantes. O Federal Reserve ainda não elevou propriamente as taxas de juros, que foram mantidas entre zero e […]

Entrevista

Sinais do Copom apontam para Selic a 7% no fim do ano, diz Padovani, do banco BV

Economista-chefe do banco BV, Roberto Padovani destacou o tom mais ríspido do Banco Central e a indicação de que a Selic continuará em alta

MUDANÇA NOS JUROS

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom

Veja o que ficou igual e o que mudou no comunicado da decisão do Copom a respeito da taxa Selic, elevada ao patamar de 4,25% ao ano

Subiu de novo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,25% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies