Menu
2021-06-10T12:06:41-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
O mercado e a vacina

Fundo Verde tem ganho de 0,58% em maio e economista pede mudança no critério de vacinação

O Fundo Verde deixou o debate macroeconômico e estratégico de lado na carta de maio, optando por discutir a eficácia do programa de vacinação

10 de junho de 2021
11:53 - atualizado às 12:06
Luis Stuhlberger, sócio da Verde Asset, que administra o Fundo Verde
Luis Stuhlberger, sócio da Verde Asset, durante evento promovido pelo Credit Suisse - Imagem: Fotoka/Divulgação

O Fundo Verde, um dos mais tradicionais veículos de investimento multimercado do país — e que conta com o experiente gestor Luis Stuhlberger na linha de frente — teve um desempenho modesto em maio, com ganhos de 0,58%.

É mais que o dobro do CDI, cujo rendimento ficou em 0,27% no mês passado, é verdade. Ainda assim, chama a atenção o fato de que o saldo positivo do Verde se deve quase que exclusivamente ao alocamento em ações, com ganho de 0,83% — os books de moedas (-0,14%) e renda fixa (-0,05%) ficaram no vermelho.

"As perdas no mês vieram da posição comprada em dólar contra o real e da posição tomada em juros nos Estados Unidos", diz a Verde Asset, na carta do fundo em maio. Em termos de cenário macro, a gestora destaca as discussões a respeito do possível superaquecimento da economia global e um consequente choque inflacionário.

No entanto, nada disso foi debatido com maior profundidade no documento. As lâminas de desempenho estão todas lá, mas o destaque da carta fica com um artigo do economista-chefe da Asset, Daniel Leichsenring. O tema é, no mínimo, controverso: ele defende uma mudança nos critérios de vacinação, sem prioridade às pessoas com comorbidades.

Fundo Verde em maio

Fundo Verde e a vacina

Usando dados do Ministério da Saúde, Leichsenring fez uma análise tipicamente econômica do programa de vacinação: comparou a quantidade de doses distribuídas aos estados com os números de aplicações.

A conclusão, em bom economês, é a de que os recursos não estão sendo alocados da maneira mais eficiente: os estoques estão aumentando desde que começou a ser dada prioridade às pessoas com comorbidades.

"Nunca tivemos uma situação tão favorável do ponto de vista da disponibilidade de vacinas (o que não significa que é boa, mas é melhor do que jamais foi). Os estoques seguem subindo", diz o economista.

Gráfico Fundo Verde Vacinas

Sem apresentar dados, Leichsenring diz que "praticamente não há filas em muitos postos de vacinação nas capitais" e que "todos os dias, nos postos, sobram vacinas e faltam pessoas". E, segundo o economista, a explicação para esses supostos fatos estaria no critério de comorbidades.

Para ele, trata-se de um filtro impreciso e com inúmeras variáveis, o que dificulta a delimitação do grupo a ser vacinado e pode superestimar o tamanho da população que se encaixa. E, para corrigir essas distorções, o economista propõe o retorno do critério por idade.

"No ritmo atual, o estoque equivale a 42 dias de vacinação, sem contar com nenhuma entrega adicional. As entregas seguem acontecendo, e acelerando", diz Leichsenring, argumentando que, dentro do critério de idade, pode-se definir grupos prioritários.

Vacinas e a economia

E por que a carta do Fundo Verde fala tanto de vacinas?

No curto trecho em que se dedica a discutir o cenário macroeconômico, a gestora cita que o Brasil vem mostrando um desempenho econômico superior às expectativas, mas que a retomada poderia ser ainda mais rápida caso a vacinação no país fosse acelerada.

Em março deste ano, Luis Stuhlberger disse estar decepcionado com a condução da pandemia pelo governo Bolsonaro e que, dados os impactos econômicos das decisões da administração federal, não pretendia votar novamente no atual presidente em 2022 caso uma mudança radical não fosse colocada em prática.

No entanto, a Verde Asset nunca tinha feito críticas tão nítidas ao programa de vacinação, em especial à estratégia adotada pelo governo de São Paulo, comandado por João Dória — desafeto público do presidente.

No acumulado dos cinco primeiros meses de 2021, o Fundo Verde acumula ganhos de 3,74%, ajudado pelo bom desempenho das alocações em ações (2,15%) e em renda fixa (+2,67%) — o book de moedas, por outro lado, tem perda de 0,38%. O CDI avança 0,96% no mesmo período.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

de olho na reabertura

Vacina no braço e compra de ações: por que o UBS (o banco suíço) agora recomenda a bolsa brasileira

Banco suíço cita as revisões de crescimento para a economia brasileira, menor risco fiscal, expectativa de lucro das empresas e preços em patamares “convidativos”

seu dinheiro na sua noite

Anitta no conselho do Nubank, mais ofertas de ações e o ponto de inflexão do minério de ferro

Acostumado a fazer barulho no mercado, o Nubank fez, nesta segunda-feira, mais um anúncio que deu o que falar: a contratação da cantora e empresária Anitta para integrar o conselho de administração da empresa. A garota do Rio, nascida no bairro suburbano de Honório Gurgel e alçada à fama pelo funk carioca, ocupará uma cadeira […]

linhas 8 e 9

CCR assina acordo de acionistas com RuasInvest no Consórcio Via Mobilidade

Acordo prevê os porcentuais de participação de 80% da CCR e de 20% da RuasInvest no Consórcio ViaMobilidade Linhas 8 e 9

Microcaps

Panvel (PNVL3): é hora de investir?

A rede Panvel é queridinha no Sul do país. Sua recuperação tem mostrado que ela pode ser uma gema entre as microcaps da Bolsa. Descubra se vale a pena investir nela no Chama o Max de hoje.

sinal verde

Câmara aprova texto-base da MP que viabiliza privatização da Eletrobras

Placar foi de 258 votos contra 136; texto já havia sido aprovado pela Casa, mas voltou depois de alterações no Senado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies