Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-01-27T13:47:28-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
perspectivas

Para Verde e SPX, auxílio emergencial por mais três meses não é preocupante

Luis Stuhlberger e Rogério Xavier dizem que a medida pode ser necessária, caso a vacinação demore demais; ambos veem 2021 positivo para os mercados

26 de janeiro de 2021
20:10 - atualizado às 13:47
SEUDINHEIROLM3
Xavier, da SPX, e Stuhlberger, da Verde, em evento do Credit Suisse - Imagem: Leo Martins

O pagamento do auxílio emergencial por mais dois ou três meses em 2021 não preocupa o CEO da Verde Asset, Luis Stuhlberger, e o fundador da SPX Capital, Rogério Xavier. Para ambos, a medida é considerada necessária caso a vacinação demore demais no Brasil.

Lendas do mercado financeiro, Stuhlberger e Xavier participaram de um evento online do Credit Suisse nesta terça-feira (26). Os gestores demonstraram otimismo com a retomada econômica do Brasil neste ano e com a reação dos mercados.

Para o fundador da SPX, a parte de política monetária, o lado fiscal e o desenrolar da eleição na Câmara e no Senado parecem favoráveis ao governo. "É muito provável que a gente tenha o avanço de uma PEC importante, como a emergencial", disse.

Xavier contou ter recebido com satisfação a última ata do Copom e a derrubada do forward guidance na última decisão sobre juros do Banco Central. O instrumento indicava que a Selic permaneceria baixa por bastante tempo.

Mas, na avaliação do fundador da SPX, a taxa já estava excessivamente baixa. "2% não é uma taxa de equilíbrio. Espero ver mais ações no sentido de corrigir esse nível dos juros em 2021", afirmou. "Está parecendo o ano de consertar os erros".

Xavier disse ainda que no resto do mundo as curvas de juros parecem "muito pouco inclinadas". "Quando eu olho em juros em todo o mundo, me dá vontade de tomar todas as inclinações", disse.

Já Stuhlberger disse que o juro real negativo fez "mal para o Brasil". "Mas não acho que o juro vai voltar ao que era antes". Entre os efeitos negativos da Selic baixa, estaria o real depreciado em relação ao dólar, segundo o CEO da Verde.

Flertando com o abismo

Stuhlberger disse ver com otimismo este ano e que "até cogita vender S&P e comprar Brasil". O Verde sempre teve alocação de 35% em ações brasileiras, mas hoje reserva 21% para papéis daqui e 15% no exterior, segundo o sócio da gestora.

O gestor lembrou que no longo prazo o cenário local continua desafiador. "Se o País não resolver as desigualdades e os problemas estruturais, vai acabar mal".

"Todo mundo diz que o Brasil flerta com o abismo mas não cai. É uma verdade que não será verdade por todo tempo", disse o CEO da Verde. "Podemos querer eleger um salvador da pátria novamente. Espero que a gente não caia nisso de novo daqui dois anos".

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

FECHAMENTO DO DIA

Vale puxa o Ibovespa e garante alta do dia, mas dólar avança com temores fiscais na véspera do Copom

Em Nova York, a volatilidade foi mais comedida. No Brasil, o conturbado cenário interno trouxeram dor de cabeça e tensão para o Ibovespa e o câmbio

Chama o Max!

Como ter renda extra através de ações? Max Bohm explica os diferentes tipos de proventos!

Já pensou viver de renda? É o sonho de muitos brasileiros. Max Bohm, analista da Empiricus, explica quais são os diferentes tipos de proventos recebidos por um acionista. Confira agora!

Com preço no piso da faixa indicativa, Raízen movimenta R$ 6,9 bilhões no IPO; veja o que vem a seguir para esta ação

Ação da produtora de açúcar e álcool e dona dos postos Shell é precificada a R$ 7,40 e começará a ser negociada no próximo dia 5

DISPUTA DOS BANCÕES

Bradesco aumenta lucro em 63%, a R$ 6,3 bilhões — mas não supera Itaú

Cifra do período não supera a projeção de lucro de R$ 6,596 bilhões, apontada pelo mercado, conforme dados da Bloomberg

ciclo de alta

Taxa Selic hoje é de 4,25% ao ano, mas vai subir; entenda por quê

Expectativa do mercado financeiro é de que o Banco Central promova um aumento de 1,00 ponto porcentual na taxa básica de juros, levando-a para 5,25%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies