Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-07-07T12:01:36-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Cautela

Verde vê ‘dose alta de incerteza’ no Brasil e mantém risco menor que o habitual

Em relatório de gestão, fundo Verde diz que Brasil terá que conviver com pandemia até haver uma vacina e que sequelas fiscais vão perdurar por muitos anos

7 de julho de 2020
12:01

O fundo Verde, do estrelado gestor Luis Stuhlberger, acredita que o Brasil permanece "com dose alta de incerteza" devido ao contexto da pandemia de coronavírus ainda sem sinais evidentes de desaceleração. Em função disso, as posições de risco do fundo têm se mantido "menores que o habitual".

A avaliação do fundo, divulgada em carta enviada aos cotistas, é de que o risco político no país está reduzido, dada a "guinada na direção do modelo histórico de presidencialismo de coalizão."

"(...) mas as sequelas fiscais dos gastos da pandemia estarão conosco por muitos anos. A enorme poupança precaucionária criada com a crise só começará a virar consumo conforme as famílias tenham mais confiança na situação de saúde, o que ainda parece, infelizmente, um pouco distante."

- carta do fundo Verde do mês de julho.

O fundo teve rentabilidade de 0,91% em junho, em grande parte por conta de ganhos significativos com ações no Brasil e no exterior, apesar da exposição menor a risco desde o fim de maio. No ano, porém, o Verde ainda tem perda de 3,54%.

A casa considera que, apesar da boa performance dos mercados no mês de junho, o grau de incertezas aumentou bastante no mundo, mantendo uma visão pessimista em relação à pandemia de coronavírus.

"Os Estados Unidos passam por uma segunda onda de contágio da covid-19, especialmente nos estados que correram para reabrir rapidamente. O crescimento explosivo tem um perfil demográfico diferente da primeira onda (muitos jovens) e, portanto, existe a suposição de que as taxas de mortalidade vão se manter baixas. Por enquanto é apenas uma hipótese, e temos acompanhado com preocupação o crescimento da hospitalização em
lugares como Texas e Florida."

Segundo a gestora, os mercados têm suposto que não teremos novos lockdowns e que, portanto, os impactos econômicos serão razoavelmente controlados. No entanto, diz a carta, enquanto grupos de pessoas decidirem não usar máscaras e frequentarem lugares fechados, será difícil ver quedas sustentadas nos números de novos casos.

"E assim, países como EUA, Brasil, e boa parte dos países emergentes fora da Ásia devem conviver com a pandemia por mais tempo até a efetiva disponibilidade em larga escala de uma ou mais vacinas.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies