Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-09T14:52:11-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Verde no vermelho

Incertezas fiscais fazem o Brasil “flertar perigosamente com o passado”, diz Verde Asset

A Verde Asset, de Luis Stuhlberger, alerta para os riscos de rompimento do teto de gastos; o Fundo Verde teve desempenho negativo em julho

9 de agosto de 2021
11:22 - atualizado às 14:52
Luis Stuhlberger fundo verde
Luis Stuhlberger, gestor do fundo Verde - Imagem: Leo Martins

Uma das mentes por trás da Verde Asset, o veterano gestor Luis Stuhlberger está preocupado. A estrela da casa, o tradicional Fundo Verde, teve desempenho negativo em julho e está perdendo para o CDI no acumulado de 2021 — um resultado decepcionante, considerando o rendimento de mais de 18.000% acumulado desde 1997.

E, como quase sempre acontece no mercado financeiro, essa frustração se deve à diferença entre expectativa e realidade. A Verde Asset tem como cenário-base a normalização da economia a partir do ganho de escala da vacinação — uma tese que, em linhas gerais, tem se concretizado.

Só que a realidade trouxe um ingrediente que fugiu à avaliação da gestora. Em paralelo à reabertura econômica, também cresceu a percepção de risco fiscal do país: em Brasília, as discussões a respeito de possíveis dribles no teto de gastos têm se tornado cada vez mais comuns.

Assim, por mais que os balanços das companhias de capital aberto estejam mostrando lucros recordes e que a atividade econômica comece a ganhar tração, o flerte constante com a irresponsabilidade fiscal acaba anulando qualquer tipo de desdobramento positivo para o mercado financeiro.

"Agora, à medida que caminhamos para uma reabertura econômica mais ampla, o país parece flertar perigosamente com o passado", diz a carta do Fundo Verde referente a julho, mês em que contabilizou perdas de 2,16%.

O passado, no caso, é a falta de disciplina no lado fiscal, com gastos exacerbados por parte do governo — uma postura que, de acordo com o Verde, tem "cunho eleitoral". E, num cenário de rompimento do teto de gastos, a asset considera inevitável o acionamento do "freio monetário", com juros cada vez mais altos.

No acumulado de 2021, o Fundo Verde tem ganhos de 1,28% — um rendimento pior que o do CDI, que tem rentabilidade de 1,63% no primeiro semestre do ano.

Confuso com a agenda de reformas? A Julia Wiltgen te explica os pormenores da Reforma Tributária e como ela mexe com os seus investimentos. É só dar play no vídeo abaixo:

Verde no vermelho

As lâminas de desempenho do Fundo Verde mostram que, no mês passado, todos os books de investimento ficaram no campo negativo:

  • Moedas: -0,02%;
  • Renda fixa: -1,54%; e
  • Ações: -0,97%.

"As perdas no mês vieram das posições tomadas em juros, tanto nos EUA quanto na Europa, e das posições em bolsa no Brasil", diz a asset, mostrando-se surpresa — e contrariada — com a postura mais dura do Banco Central e com a postura errática do governo em relação ao teto de gastos.

O medo do Verde é o de que o país caia novamente no chamado "acelerador fiscal com freio monetário", cenário visto em muitas ocasiões no passado: o descontrole nos gastos federais acaba puxando a Selic para cima — e juros altos acabam freando a expansão econômica.

A política monetária contracionista, aliás, já está contratada pelo BC: na última decisão do Copom, a autoridade deixou claro que pretende levar os juros para além do patamar neutro.

Dito isso, a asset segue defendendo sua tese de investimento, com apostas na retomada gradual da economia no pós-pandemia dando impulso ao mercado.

O fundo não está posicionado para esse cenário de “volta ao passado”. Não temos convicção de que isso vai acontecer, embora nossas dúvidas sejam crescentes

Verde Asset, na carta do Fundo Verde de julho
Fundo Verde Luis Stuhlberger julho Verde Asset
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

seu dinheiro na sua noite

Costurando uma saída

Não faz muito tempo que usei este mesmo espaço para lembrá-lo de como o mercado não gosta de incertezas e a falta de uma leitura clara sobre o futuro acaba prejudicando os negócios na B3. O dia de hoje veio para provar que, mesmo em meio às incertezas, ter uma noção mais clara do caminho que […]

carreira e diversidade

Magazine Luiza abre inscrições para 2º programa de trainees exclusivo para pessoas negras

Programa aceita candidatos formados entre dezembro de 2018 e dezembro de 2021, em qualquer curso superior; fluência em língua inglesa e experiência profissional não fazem parte dos pré-requisitos

pós-brumadinho

Vale (VALE3) muda alto escalão e tenta reforçar discurso ESG

Luciano Siani Pires, que desde 2012 ocupa posição de vice-presidente finanças e RI, assumirá a vice-presidência de estratégia e transformação de negócios, cargo criado em março pela mineradora

Troca de comando

Gustavo Raposo renuncia ao cargo de presidente da Transpetro, subsidiária da Petrobras (PETR4); sucessor já foi escolhido

Com a saída de Raposo, o conselho da empresa deverá deliberar sobre a nomeação do atual diretor de Serviços para o comando

atenção, acionista

Dividendos: WEG (WEGE3) paga R$ 86,8 milhões em juros sobre capital próprio

Valor líquido é de R$ 0,017 por ação; terão direito aos proventos acionistas na base em 24 de setembro, segundo a companhia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies