Menu
2019-07-31T20:07:06-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Nova mínima histórica

Copom corta Selic de 6,5% para 6% ao ano e vem mais redução por aí

Decisão do Banco Central ficou em linha com o esperado por metade do mercado, pois havia divisão de apostas entre corte de 0,25 ponto e meio ponto percentual

31 de julho de 2019
18:21 - atualizado às 20:07
Copom
Reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central, responsável por definir a Selic - Imagem: Raphael Ribeiro/BCB

O Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a taxa básica de juros, a Selic, de 6,5% para 6% ao ano, nova mínima histórica. A decisão foi unânime e sem viés e podemos falar que "agradou" a uma metade do mercado, pois a outra metade esperava redução de 0,25 ponto.

No comunicado apresentado após a decisão, o colegiado presidido por Roberto Campos Neto, reconhece que o processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira tem avançado, mas enfatiza que a continuidade desse processo é essencial para a queda da taxa de juros estrutural e para a recuperação sustentável da economia.

O Copom também acena que novas reduções poderão acontecer ao afirmar que a consolidação do cenário benigno para a inflação "deverá permitir ajuste adicional no grau de estímulo".

Mas pondera que a comunicação dessa avaliação sobre novos cortes "não restringe sua próxima decisão" e reitera que os próximos passos da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação. A próxima reunião acontecerá nos dias 17 e 18 de setembro.

Antes de seguir adiante com o Copom, taxas de juros menores favorecem a alocação em ativos de risco, como  bolsa de valoresfundos imobiliários e títulos longos do Tesouro Direto. Segue o link para um e-book gratuito sobre perspectivas de investimento no segundo semestre.

Cai até onde?

Os números apresentados pelo Banco Central (BC) sugerem que o ciclo de corte poderia ser de até 1 ponto percentual. Isso decorre da projeção de inflação fechando 2020 em 3,9%, considerando Selic de 5,5% e câmbio de R$ 3,8. A meta para 2020 é de 4%.

Esses 5,5% de Selic representam a mediana do mercado, mas certamente veremos uma onda de revisões para próximo de 5% ou até abaixo disso. O Bank of America Merrill Lynch já fala em juro de 4,75% em 2019.

Para 2019, com Selic em 5,5% e câmbio de R$ 3,75, a inflação fecharia a 3,6%, contra meta de 4,25%. Vale lembrar que o corte de hoje tem impacto mais marcado de 2020 em diante em função do efeito defasado no lado real da economia. De fato, o BC já retirou 2019 do seu horizonte relevante.

A taxa básica estava em 6,5% desde março de 2018, quando marcou o fim de um ciclo de corte iniciado em outubro de 2016, com Selic partindo de 14,25% ao ano.

Selic
Gráfico Selic - aqui está o link para o gráfico interativo na página do BC - Imagem: BCB - Imagem: BCB

Balanço de riscos

O Copom reconhece o avanço na agenda de reformas, referência clara à aprovação em primeiro turno da Previdência. Mas esse continua sendo o “risco preponderante”, dentro dos principais vetores acompanhados pelo BC.

De fato, o parágrafo sobre o balanço de riscos, não mudou. De uma lado, a atividade fraca pode continuar gerando inflação abaixo do previsto. Do outro lado, eventual frustração sobre a continuidade das reformas pode afetar prêmios de risco e inflação futura. Algo que se intensifica no caso de deterioração do quadro externo para emergentes.

O Comitê avalia que o balanço de riscos para a inflação evoluiu de maneira favorável, mas entende que, neste momento, o risco de frustração com as reformas é preponderante.

O colegiado também reitera que a conjuntura econômica prescreve política monetária estimulativa, ou seja, com taxas de juros abaixo da taxa estrutural. Atualmente, a taxa real (juro futuro descontado da inflação esperada) está na casa dos 1,7%.

Cena doméstica

Depois de falar em interrupção do processo de recuperação, agora, para o Copom, os indicadores recentes da atividade econômica sugerem “possibilidade de retomada" desse processo. Para o BC, essa retomada ocorrerá em ritmo gradual.

No lado da tendência da inflação, obtida pela observação dos diferentes núcleos, o BC fala em níveis confortáveis, inclusive dos componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária (como serviços).

Cena externa

Para o BC, o cenário externo mostra-se “benigno”, em decorrência das mudanças de política monetária nas principais economias. Entretanto, os riscos associados a uma desaceleração da economia global permanecem.

Em junho, a avaliação era de quadro externo “menos adverso”. Durante boa parte do ano, o quadro internacional era visto como “desafiador”.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

comércio eletrônico

Desde o início da pandemia, e-commerce brasileira já ganhou 135 mil lojas

Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), desde o início da pandemia mais de 135 mil lojas aderiram às vendas pelo comércio eletrônico para continuar vendendo e mantendo-se no mercado

atualização dos dados

Brasil tem 1,66 milhão de casos confirmados do novo coronavírus

Foram 1.254 novas mortes e 45.305 novas pessoas infectadas registradas nas últimas 24 horas, conforme atualização do Ministério da Saúde divulgada hoje

destravando o crédito

Banco do Brasil atinge R$ 3,3 bilhões em empréstimos no Pronampe em dois dias

Banco do Brasil se aproxima, assim, da meta de esgotar os recursos da iniciativa, aposta do governo Bolsonaro para destravar o crédito, ainda nesta semana

Prévia operacional

MRV bate recorde de vendas no 2º trimestre, totalizando R$ 1,81 bi e 11,5 mil unidades

Segundo prévia operacional, companhia também bateu recorde de volume de repasses, graças à regularização do Minha Casa Minha Vida

seu dinheiro na sua noite

A bolsa cheia e um restaurante vazio

Depois de quase quatro meses em home office, voltei a pisar hoje na redação do Seu Dinheiro. Foi uma passagem de um único dia para tratar de alguns assuntos com a Marina Gazzoni. Ela já retomou a rotina de vir ao nosso escritório duas vezes por semana, enquanto eu sigo na equipe que está em home […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements