Menu
2019-08-06T17:16:19-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política Monetária

Será que Campos Neto tira do bolso alguma indicação sobre a Selic?

Presidente do Banco Central discursa em cerimônia de transmissão de cargo e mercado, ou parte dele, espera algum aceno sobre taxa básica de juros

13 de março de 2019
8:21 - atualizado às 17:16
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em audiência na CAE.
Imagem: Pedro França/Agência Senado

No comando do Banco Central (BC) desde 28 de fevereiro, Roberto Campos Neto, não faz pronunciamentos públicos desde sua sabatina na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado no dia 26. Na tarde dessa quarta-feira, ele volta a discursar e expectativa recai sobre algum aceno diferente da “cautela, serenidade e perseverança” com relação à condução da política monetária.

Uma possível resposta vem logo mais, às 15 horas, e vou estar lá para acompanhar. Além de Campos Neto, Ilan Goldfajn também faz seu discurso de despedida.

A cerimônia é uma das mais concorridas de Brasília, contando com a presença de banqueiros públicos e privados e demais estrelas do mercado. Mas como não é de bom tom ofuscar o novo presidente, a ilustrada plateia raramente se pronuncia ou se restringe a elogiar o novo presidente. O ministro da Economia, Paulo Guedes, também participa

Por ora, a indicação do Comitê de Política Monetária (Copom), que se reúne na semana que vem, é de manutenção da Selic em 6,5% ao ano, mínima histórica atingida em março do ano passado.

O colegiado também tem dois novos diretores, Bruno Serra Fernandes, na Política Monetária, e João Manoel Pinho de Mello, na Organização do Sistema Financeiro e Resolução.

O que temos até então

Na sua sabatina no Senado, Campos Neto transmitiu uma mensagem de continuidade da gestão de Ilan Goldfajn, ao refirmar a “cautela, serenidade e perseverança” como valores que devem ser preservados e aprimorados.

Os termos estão sendo utilizados para reforçar que o BC não se pauta por mudanças de curto prazo, mas sim por alterações em tendências das variáveis econômicas.

Além disso, na ata da sua reunião de janeiro, o Copom acenou que o estímulo monetário dado pela Selic está adequado e que o crescimento depende da redução da incerteza, que passa pela realização das reformas.

Em sua apresentação na CAE, Bruno Serra Fernandes falou da recuperação “bastante gradual”, mas relacionou a permanência da política monetária no “campo estimulativo” ao desenho da política fiscal e à sinalização de “contenção” dos déficits correntes nas contas públicas.

Desde a reunião de janeiro do Copom, o crescimento teima em decepcionar, a inflação segue comportada, e o Federal Reserve (Fed), banco central americano, reforça a sua “paciência” no ajuste das condições monetárias.

Para o BC, apesar da melhora no ambiente externo em comparação com o fim do ao passado, o balanço de riscos para a inflação continuaria assimétrico para o lado negativo. A chance de decepção com as reformas ainda tem peso superior que os vetores que podem manter a inflação abaixo da meta.

Selic em debate

Parte do mercado e da academia, no entanto, acredita que o Copom teria espaço para reduzir ainda mais a Selic, contribuindo para uma recuperação mais célere da atividade. Esse debate começou no fim do ano passado e se intensificada a cada indicador de atividade e inflação.

A mediana do mercado, captada pelo Focus, mostra Selic estável em 6,5% até o fim de 2019, mas olhando a distribuição de frequência das respostas, atualizada uma vez por mês, é possível observar que uma parcela de cerca de 10% dos analistas já considera juros menores, entre 5% e 5,5%.

Algumas casas de investimento também acreditam em espaço para queda da Selic, mas relacionam a atuação do BC à cenário mais claro de aprovação da reforma da Previdência.

O leitor já deve saber disso, mas quanto menor a Selic, melhor o cenário para os ativos de risco, como bolsa de valores. No entanto, outro “valor” relevante é uma taxa de juros que além de baixa, seja estável. E na sua comunicação oficial o BC coloca isso como um objetivo a ser perseguido.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Futuro da estatal

‘Temos dentro da Eletrobras profissionais capazes de me suceder’, diz Wilson Ferreira

Após deixar presidência, Wilson Ferreira responde se há conflito de interesse ao se manter no conselho da Eletrobras e, ao mesmo tempo, presidir a BR Distribuidora

Expectativas

Novo presidente da Eletrobras (ELET3) deve dar prioridade à privatização, diz Caio Megale

Após saída de Wilson Ferreira, analista afirma que ‘a privatização da Eletrobras tem sua importância pela sua situação atual e pelo seu grau de maturidade (para ser privatizada)’

Reformas

‘Vamos limpar a pauta, destravando o horizonte de investimentos’, diz Paulo Guedes

Ministro prometeu que o governo não irá aumentar impostos e reforçou que a atividade está se recuperando em ‘V’

Inflação

Brasileiros acreditam que inflação será de 5,2% nos próximos 12 meses

Em janeiro, 14,2% dos consumidores projetaram valores abaixo do limite inferior da meta de inflação para 2021 (3,75%)

Alta nos preços

Preço do diesel no Brasil está entre os que mais subiram no mundo, diz estudo

Segundo o documento, na 1ª semana deste mês, o diesel ficou mais caro em 6 dos 7 países analisados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies