Menu
2019-06-22T12:33:10-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Seu Dinheiro no Domingo

Filho feio não tem pai: quem assume a reforma da Previdência?

Disputa pela paternidade da reforma da Previdência sugere que medida vai render bons dividendos políticos e quem sabe históricos

23 de junho de 2019
11:57 - atualizado às 12:33
Bolsonaro, Maia Guedes
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, recebe texto da reforma da Previdência - Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

A expressão que dá título a essa nossa conversa de domingo ocorreu-me em função dos desentendimentos entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, em torno da reforma da Previdência.

O filho no caso é a própria reforma e como parece haver uma “briga” pela paternidade, “filho feio” não é. Quando alguma medida não gera bons dividendos políticos ou econômicos é difícil achar o “pai”.

Depois de criticar o relatório de Samuel Moreira (PSDB-SP), Guedes parece ter aberto mão da paternidade, mas o “filho” já vinha sendo bem embalado por Rodrigo Maia.

Maia assumiu o rebento e o apresentou ao público e um gesto forte, porém pouco compreendido, na quarta-feira, dia 12, quando chamou a imprensa, o relator e os partidos de centro, que podem ser vistos como padrinhos da “criança”.

O que o presidente da Câmara sinalizou naquele momento, antes mesmo da leitura oficial do relatório, que aconteceu na quinta-feira, é que ele já dispunha dos votos para aprovar a reforma. Na comissão, são necessários 25 e em plenário ao menos 308.

Se alguém duvidava disso, Maia repetiu, ao longo dos últimos dias, que vai fazer as duas votações antes do recesso parlamentar de meados de julho. As dúvidas que existiam e ainda existem, mesmo que em parte, são de ordem prática, como quórum e discussões em plenário e comissão. Mas ele não tomaria tamanho risco se não tivesse com os votos.

Goste ou não da política e de seus representantes é assim que a política é. O presidente da Câmara parece ter chegado ao melhor consenso possível e vai ser o “pai” da reforma. Embora ele enfatize que o texto é da Câmara e dos líderes.

Quem fica aliviado com essa briga de paternidade é o presidente Jair Bolsonaro, que, convenhamos, nunca quis ser o "pai" da criança, apesar de ter carregado a reforma no colo. Isso fica evidente toda vez que ele fala que "a reforma é de todos os brasileiros" e que se pudesse, não faria reforma alguma, mas que é obrigado pelas circunstâncias.

Enfim, Maia tem uma vantagem sobre os demais “pais”, um “hedge” ou proteção, para usar linguagem do mercado, que os demais não dispõem. Se as coisas derem errado ele pode “devolver a criança” e falar que faltou empenho do governo pela aprovação. A posição dele é bastante confortável.

O presidente da Câmara, de fato, parece se candidatar a “pai” de outros rebentos que devem começar a caminhar pelo Congresso ao longo do segundo semestre, como a reforma tributária, autonomia do Banco Central (BC) e outras medidas microeconômicas eclipsadas pela reforma da Previdência e pela "usina de crises" do Executivo. A conferir.

A revolta de Guedes

Ao ouvir o áudio de Guedes, que criticou o relatório em breve conversa com colegas jornalistas no Rio de Janeiro, fica claro um certo desgosto e alguma revolta em ver o “filho” desfigurado.

A grande batalha do ministro em todas as audiências que compareceu dentro e fora do Congresso foi de tentar explicar a importância de termos um regime de capitalização, uma Nova Previdência.

O ministro usou inúmeras figuras, com o avião caindo, para tentar ser didático e dizer que apenas reformar o modelo atual não basta. Estamos fadados a ter recorrentes “crises” previdenciárias em função da mudança na demografia.

Quando o Congresso disse não, ele se mostrou inconformado com a falta de lógica econômica da coisa. O modelo de capitalização ainda seria discutido com o Congresso, mas a premissa básica, de fazer com que os juros compostos trabalhem em prol do trabalhador, foi solenemente ignorada.

Guedes tem razão, mas a lógica da política é diferente da lógica no “mundo normal” e na atual conjuntura, capitalização virou um palavrão.

Tomara que o tema não morra e uma nova emenda sobre capitalização seja apresentada e sem os vícios de discussão que envolvem o modelo chileno e aquele discurso fácil de que “estão entregando as aposentadorias para os bancos malvados”.

Que a decepção de Guedes também não seja motivo para o ministro abandonar o barco ou melhor, abandonar outros filhos que estava pensando em “parir”, como a carteira de trabalho verde e amarela, que embute uma reformulação dos encargos trabalhistas, e um novo modelo tributário menos regressivo.

O "risco" aqui é o tal do capitalismo dar certo, enterrando o discurso da oposição, das "esquerdas" ou dos ditos "progressistas", que ainda estão presos à insanidade de fazer sempre a mesma coisa esperando resultados diferentes.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

ALTA VELOCIDADE

Anatel prevê leilão do 5G no final do primeiro semestre de 2021

Presidente da autarquia diz que certame não terá objetivo arrecadatório, mas exigirá das empresas maiores compromissos de investimento

NÚMEROS DA PANDEMIA

Brasil passa de 170 mil mortes por covid-19 desde o início da pandemia

Nas últimas 24 horas foram registrados 630 óbitos e 31.100 novos diagnósticos positivos, segundo Ministério da Saúde

Ano morno

Black Friday das corretoras e bancos: as ofertas que valem a pena em 2020

Black Friday nas corretoras e bancos está desanimada neste ano. Selecionei as ofertas mais interessantes relacionadas a investimentos, como já virou tradição

relações com os eua

Não acho que sucessão nos EUA mude disputa com China por 5G, diz Mourão

Mais uma vez questionado sobre a possibilidade de o governo brasileiro reconhecer a vitória do democrata Joe Biden na eleição americana, Mourão repetiu o discurso de que, “no momento certo, será feito o que tiver de ser feito”

em expansão

Notre Dame Intermédica compra Grupo Hospitalar de Londrina por R$ 170 milhões

Plano de integração com a empresa comprada prevê sinergias operacionais e administrativas com as operações da Clinipam no Estado do Paraná

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies