Menu
2019-10-14T14:11:37-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Alô Previdência!

Economia de R$ 1 trilhão com Previdência é o mais importante agora, diz Maia

Na visão do presidente da Câmara, instruir agora o regime de capitalização reduziria a economia e algo precisaria ser retirado depois. A ideia é retomar o debate sobre o tema apenas no segundo semestre

12 de junho de 2019
19:33 - atualizado às 14:11
Em destaque, presidente da Câmara dos Deputados, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ)
Em destaque, presidente da Câmara dos Deputados, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) - Imagem: Geraldo Magela/Agência Senado

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, reiterou hoje (12) que agora a economia de R$ 1 trilhão com a reforma da Previdência é o mais importante e fez questão destacar que o que texto da reforma é uma construção da Câmara dos Deputados "que nós lideres partidários construímos ao longo dos últimos meses".

Segundo Maia, o ministro da economia, Paulo Guedes, compreendeu que a capitalização é viável apenas se houver uma boa economia.

"Instruir agora o regime de capitalização reduziria a economia, algo precisaria ser retirado", destacou Maia.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O presidente da Casa ainda falou que deve retomar o debate sobre capitalização no segundo semestre, com mais calma, para explicar o que representará esse modelo. Maia falou que o debate sobre a capitalização remeteu muito ao modelo chileno, que nos anos 1980 dobrou a renda, mas que hoje mostra um defasagem.

Maia acrescentou que o deputado Mauro Benevides (PDT-CE) tem desenho de projeto de capitalização, sugerindo que a proposta do assessor econômico de Ciro Gomes pode servir de base para as discussões de que devem acontecer ao longo do segundo semestre. Maia acrescentou que Guedes não deve ter ficado satisfeito, mas que a democracia é assim.

"Acho que o Guedes compreende que entre economia baixa e capitalização e uma economia forte sem a capitalização é melhor ter economia forte", disse.

Estão de fora

Maia participou de uma coletiva de imprensa na sala dos líderes da Câmara dos Deputados ao lado do relator da reforma, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), do presidente da comissão especial, deputado Marcelo Ramos (PR-AM) e de outros deputados de partidos de centro para apresentar alguns pontos do reforma.

Além de destacar que a reforma é uma construção dos deputados, Maia fez um apelo à racionalidade como única forma de se conseguir construir propostas e consensos para os projetos que vão melhorar a economia do país.

Tanto Maia quanto Moreira, afirmaram que Estados e municípios estarão de fora do relatório a ser apresentado amanhã, mas que a ideia é tentar reverter esse quadro na comissão ou no plenário.

Também foram acatadas as demandas de Maia e de outros deputados do centro e da oposição de não aceitar as mudanças previstas para as aposentadorias rurais, Benefício de Prestação Continuada e desconstitucionalização de pontos da Previdência. Outra questão ainda avaliada é a idade mínima de professoras, que cairia de 60 para 57 anos.

Nas contas apresentadas pelo governo, que previa R$ 1,236 trilhão em dez anos, a retirada do BPC e das mudanças na aposentadoria rural têm impacto de R$ 127,2 bilhões.

Perguntado sobre quanto espera aprovação em plenário, Maia brincou e disse que se soubesse jogaria na loteria e não faria isso nem no Brasil, mas sim no exterior para ganhar em dólar. O presidente reafirmou, no entanto, a expectativa de ver o relatório aprovado até o fim do mês na comissão e votado até meados de julho, antes do recesso parlamentar.

De olho no texto

Samuel Moreira fez algum suspense, mas no fim acabou falando que vai buscar a economia "que sempre pretendemos de R$ 1 trilhão". No entanto, a falta de firmeza com relação ao número é porque a questão não depende dele, o relatório ainda será discutido na comissão e no plenário.

Moreira destacou, no entanto, que a questão da idade mínima de 65 para homens e de 62 anos para mulheres é a principal estrutura do projeto. Ele também disse que preferia que ocorresse a autorização para capitalização e que alguns pontos fossem mesmo tirados da Constituição, mas que nem tudo representa "seu gosto".

Ao ser questionado para dar mais detalhes sobre o texto, o relator disse que falará mais apenas amanhã (13), quando todo seu relatório será disponibilizado aos deputados da comissão especial. A oposição compareceu a sala para reclamar da falta de "voz" e que Moreira estaria antecipando seu relatório. Mas de um breve bate-boca Moreira seguiu com sua fala.

Moreira também fez uma homenagem a Maia, que está de aniversário hoje, e pediu mais empenho do governo.

"Acho que seria bom. Empenho do governo do ponto de vista da reforma está muito pequeno, gostaríamos que ele se empenhassem um pouco mais", disse Moreira.

Moreira disse, ainda, que a reforma da Previdência não resolverá tudo,  que o governo precisa de outras ações, mas que "vamos cumprir nossa responsabilidade e dar essa oportunidade para que o governo tome outras atitudes para fazer o país crescer".

Veja abaixo o impacto detalhado da reforma divulgado em 25 de abril

Previdência impacto

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Voltou atrás

Governo recua e não vai mais distribuir 100% do lucro do FGTS a trabalhadores

Medida só valeria para a distribuição de lucros a partir deste ano, a serem pagos no ano que vem.

Mercados hoje

Acordo entre Estados Unidos e China fortalece os mercados e Ibovespa bate máxima; dólar renova mínima

China e Estados Unidos anunciam acordo de primeira fase e bolsas globais voltam a atuar no campo positivo

em são paulo

Natura conclui maior instalação de painéis solares orgânicos

Foram colocados 1.580 painéis numa área de aproximadamente 1.800 metros quadrados, capazes de gerar 201 KWh por dia, segundo a companhia

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

impasse

China ainda não confirmou acordo comercial com EUA

Comunicado mostra imprevisibilidade de um processo de negociação que abala os mercados financeiros mundiais desde meados do ano passado

melhora no indicador

‘Prévia’ do PIB avança 0,17% em outubro

IBC-Br considera a trajetória das variáveis da agropecuária, indústria e serviços, além de impostos sobre produtos

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

No radar: 33º recorde na bolsa e fraude na Via Varejo

O Ibovespa bateu seu 33º recorde neste ano ontem e o dólar fechou abaixo de R$ 4,10. Entre as empresas o destaque é a Via Varejo, que deixou todo mundo de cabelo em pé ao confirmar uma fraude bilionária. Combina bem com o clima de sexta-feira 13. O que você precisa saber hoje: Mercados • O […]

Hora de dar tchau

BNDES avalia vender sua fatia na Petrobras em oferta que pode chegar a R$ 24 bi

Intenção do banco é vender toda a fatia que detém hoje da petroleira, ou seja, 10% do total de ações ordinárias emitidas pela Petrobras via oferta pública de ações

avanço no paraná

Ânima compra UniCuritiba por R$ 130 milhões

Dono de conceito máximo do MEC (nota 5) e prestes a completar 70 anos de história, o UniCuritiba é a quinta maior instituição privada da região Sul

voltando atrás

Sob pressão, relator propõe reduzir fundo eleitoral para R$ 2 bilhões

Comissão Mista do Orçamento, formada por deputados e senadores, aprovou na semana passada relatório de Domingos Neto que prevê R$ 3,8 bilhões para o fundo usado para financiar as campanhas eleitorais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements