O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-01-31T08:11:48-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
Segredos da Bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas no exterior operam mistas, em semana de Copom, emprego nos EUA e aumento da tensão no mundo acelera alta do petróleo; confira

Além disso, o investidor deve permanecer de olho no balanço das big techs da semana, como Meta (Facebook), Alphabet (Google) e Amazon

31 de janeiro de 2022
7:54 - atualizado às 8:11
Mãos em concha segurando um líquido escuro, parecido com petróleo
Confira o que movimenta os mercados nesta semana. - Imagem: Shutterstock

O descanso no final de semana deve preparar os investidores de todo o mundo para os próximos dias, com uma série de indicadores que influenciam diretamente nas bolsas. Mais especificamente no caso do Ibovespa, a semana é de decisão de juros do Copom, que deve encarecer ainda mais o crédito na próxima quarta-feira (03).

Até lá, os investidores precisam dividir suas atenções entre três importantes segmentos que vão influenciar os negócios.

Em primeiro lugar, os dados de emprego dos EUA; em segundo, os balanços das big techs nos próximos dias; por fim, a escalada das tensões envolvendo Rússia e Ucrânia, além de uma interceptação de mísseis no Oriente Médio na madrugada desta segunda-feira (31).

Como se não bastasse, as falas de dois representantes do Federal Reserve devem chamar a atenção. Com o sugestivo nome de  "o que o aumento das taxas de juros significará para o crescimento?", o painel organizado pela Reuters deve contar com a presença de Mary Daly, representante do Fed de São Francisco. 

Na semana passada, o Ibovespa encerrou em alta de 2,72% no acumulado dos pregões, enquanto o dólar à vista teve queda de 1,20% no mesmo período e fechou em R$ 5,39.

Prepare-se para a semana e os principais eventos do dia aqui: 

Copom no radar

Depois de o IPCA-15, a prévia da inflação oficial de janeiro, vir acima do esperado, a decisão sobre os juros do Copom permanece como o grande destaque da semana no panorama nacional. 

A prévia da inflação oficial acelerou 0,58%, acima da mediana de 0,45%, segundo as projeções de especialistas ouvidos pelo Broadcast.

No entanto, o indicador veio dentro do intervalo de projeções, que iam de 0,35% até 0,73%.

Mesmo assim, as expectativas da alta de juros desta reunião dão conta de um aumento entre 1 e 1,5 ponto percentual na taxa Selic.

Com isso, os juros básicos saem do patamar de 9,25% ao ano para 10,25% até 10,75%. 

Os investidores estão otimistas com o compromisso do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, de perseguir e abaixar a inflação. Contudo, existem fatores que pressionam os preços e fogem da alçada da autoridade monetária.

Gasolina a R$ 8

Durante o final de semana, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) anunciou que em Angra dos Reis (RJ) o litro do combustível chegou ao patamar de R$ 8,00. Essa é a primeira vez que o órgão registra esse patamar de preço. 

Em média, o litro de gasolina custa R$ 6,658 no Brasil, de acordo com dados da ANP

Os combustíveis foram os grandes vilões da inflação nas últimas leituras do IBGE. O preço da gasolina e derivados está diretamente ligado ao dólar e ao preço do barril de petróleo.

Com a alta dos últimos meses desses dois entes, houve um encarecimento todos os demais produtos, tendo em vista que o meio de transporte predominante no país ainda é o modal rodoviário. 

Gasolina cara, juros altos e inflação nas alturas formam uma tempestade perfeita para queda de popularidade do presidente da República, Jair Bolsonaro, que deve tentar a reeleição para o cargo em outubro deste ano pelo Partido Liberal (PL).

Congresso de volta a ativa

A retomada das atividades da Câmara e do Senado deve encontrar um ambiente pouco propício ao debate. 

Bolsonaro desrespeitou uma determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) de comparecer ao depoimento presencial sobre o inquérito das fake news sobre a segurança das urnas eletrônicas. 

O presidente ainda precisa aprovar pautas importantes, como é o caso da PEC dos Combustíveis, que propõe uma renúncia fiscal para tentar conter o avanço da gasolina. 

As pautas apresentadas pelo presidente tentam reverter o quadro de baixa popularidade, mesmo que colocando em risco as contas públicas

Semana de emprego

O exterior volta seus olhos para diversos relatórios de emprego nos Estados Unidos ao longo da semana. O Federal Reserve, o BC americano, costuma se balizar nos dados do emprego para decidir sobre a política monetária, o que gera grandes expectativas para os indicadores. 

Na terça-feira (1º), a divulgação começa com o relatório Jolts de empregos privados, seguido pela apresentação dos dados do ADP, na quarta-feira (02). Por último, mas não menos importante, o payroll dos Estados Unidos será divulgado na sexta-feira (04).

E das big-techs

No panorama de balanços da semana, os destaques vão para as chamadas big techs, grandes companhias de tecnologia, dos Estados Unidos: Alphabet, a empresa por trás do Google (terça-feira), Meta, antigo Facebook (quarta-feira) e Amazon (quinta-feira).

Tensão no mundo

O preço do barril de petróleo chegou a registrar alta de mais de 1% na madrugada desta segunda-feira com o aumento da tensão no Oriente Médio e Ucrânia. 

Mais cedo, os Emirados Árabes Unidos (EAU) interceptaram um míssil balístico disparado por rebeldes da minoria houthi, do Iêmen, em meio a uma visita do presidente de Israel, Isaac Herzog, aos EAU.

De maneira semelhante, a elevação de tom entre Ucrânia e Rússia também permanece no radar e acelera a alta nas cotações da principal commodity energética do mundo nesta segunda. 

 Por volta das 7h30, o barril de petróleo Brent, usado como referência para a Petrobras, subia 0,96%, cotado a US$ 89,37, enquanto o WTI avançava 0,99%, aos US$ 87,67 no mesmo horário.

Bolsas pelo mundo

Os mercados acionários da China e de Taiwan permanecerão fechados ao longo de toda semana devido ao feriado do ano novo lunar, o que reduz a liquidez na região. As bolsas que permaneceram abertas fecharam majoritariamente em alta, seguindo o fechamento positivo de Nova York da semana passada. 

Na Europa, as principais praças amanheceram em tom positivo, à espera dos dados da zona do euro e da inflação da região. 

Por fim, os futuros de Nova York apontam para uma abertura sem direção definida, à espera dos balanços do dia. 

Agenda da semana

Segunda-feira (31)

  • Banco Central: Boletim focus semanal (8h25)
  • Caged: Geração de emprego formal em dezembro (9h30)
  • Economia: Balanço orçamentário de dezembro (9h30)
  • Banco Central: Setor público consolidado em dezembro (9h30)

Terça-feira (1º)

  • Brasil: PMI industrial de janeiro (10h)
  • Banco Central: Balança comercial
  • Estados Unidos: PMI industrial de janeiro (11h45)
  • Estados Unidos: Relatório Jolts sobre a geração de empregos em dezembro (12h)

Quarta-feira (02)

  • IBGE: Produção industrial de dezembro (9h)
  • Estados Unidos: Relatório de emprego privado ADP em janeiro (10h15)
  • Banco Central: Divulgação da taxa Selic a partir das 18h 

Quinta-feira (03)

  • Brasil: PMI Composto e de serviços em janeiro (10h)
  • Estados Unidos: Pedidos de auxílio-desemprego  (10h30)
  • Estados Unidos: PMI Composto e de serviços em janeiro (11h45)

Sexta-feira (04)

  • Estados Unidos: Payroll de janeiro (10h30)
  • Estados Unidos: Secretária do Tesouro, Janet Yellen, preside Conselho de Supervisão de Estabilidade Financeira (12h45)

Balanços da semana

Segunda-feira (31)

  • Sem balanços previstos

Terça-feira (1º)

Antes da abertura:

  • UBS Group (Suíça)
  • Exxon Mobil (Estados Unidos)

Após o fechamento:

  • General Motors (após o fechamento)
  • Alphabet (Google)

Quarta-feira (02)

Antes da abertura:

  • Santander Brasil (Brasil)
  • Santander (Espanha)

Após o fechamento:

  • Meta Platforms, antigo Facebook (Estados Unidos)

Quinta-feira (03)

Após o fechamento:

  • Amazon (Estados Unidos)
  • Ford (Estados Unidos)

Sexta-feira (04)

Antes da abertura:

  • Royal Dutch Shell (Holanda)
  • ConocoPhillips (Estados Unidos)
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

CVM recua e libera distribuição de dividendos do fundo imobiliário Maxi Renda FII (MXRF11) com base no ‘lucro caixa’ — relembre o caso

A xerife do mercado de capitais reconheceu “a existência de obscuridade e contradição” na decisão original

Superou o trauma? Bitcoin (BTC) segue no patamar de US$ 30 mil; saiba se a maior criptomoeda do mundo sustentará esse nível

BTC terá também que superar os críticos às moedas digitais, que não pouparam esforços para injetar ainda mais medo nesse mercado já extremamente desorientado

CEO do JP Morgan leva cartão vermelho de acionistas e pode ficar sem bônus milionário, entenda a decisão rara

A desaprovação foi a primeira desde que o conselho do banco norte-americano enfrentou um voto negativo sobre compensações desde que as regras foram introduzidas, há mais de uma década

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Hapvida, Magazine Luiza e Nubank tombam, mas Ibovespa fecha o dia no azul; confira os destaques desta terça-feira

O maior apetite ao risco e a expectativa de manutenção no ritmo de alta no juro nos Estados Unidos ajudou o Ibovespa, que teve um dia de ganho

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa sustenta alta após susto inicial com Powell; dólar cai abaixo dos R$ 5

O Ibovespa fechou o dia longe das mínimas, mas o dólar caiu 2% com o apetite por risco no exterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies