🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-02-22T13:18:36-03:00
Carolina Gama
ARTILHARIA PESADA

Moro acusa Bolsonaro de sabotar reformas de Paulo Guedes e o combate à corrupção

Ex-juiz ainda foi irônico ao dizer que atual presidente se gabou de conseguir evitar a invasão da Ucrânia no momento em que Putin reconhece a autonomia de territórios separatistas e envia tropas à região, arrancando aplausos da plateia

22 de fevereiro de 2022
13:18
O ex-ministro da Justiça, Sergio Moro
O ex-ministro da Justiça, Sergio Moro - Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

A melhor defesa é o ataque. Em meio a uma queda nas pesquisas, essa foi a estratégia do pré-candidato à presidência Sergio Moro (Podemos) durante evento do BTG Pactual nesta terça-feira (22).

O ex-juiz escolheu o presidente Jair Bolsonaro (PL) como principal alvo, acusando-o de não ter vontade política para combater a corrupção e de boicotar as iniciativas do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Moro também não poupou o petista Luiz Inácio Lula da Silva, a quem acusou de ser contrário às reformas que podem destravar o crescimento do país e inibir a democracia.  

Apresentando-se como uma terceira via para as eleições de outubro deste ano, o ex-juiz caiu pela primeira vez nas pesquisas de opinião. 

Na sondagem divulgada na segunda-feira (21) pela CNT, Moro aparece com 6,4% dos votos, atrás de Lula (42,2%), Bolsonaro (28%) e empatado na margem de erro com pedetista Ciro Gomes (6,7%). O ex-juiz tinha 8,9% na última pesquisa, divulgada em dezembro de 2021. 

Não recebi apoio de Bolsonaro, diz Moro

Moro afirmou  que aceitou o cargo de ministro da Justiça no atual governo porque tinha um projeto para o país baseado na consolidação do combate à corrupção, à criminalidade violenta e ao crime organizado, mas não recebeu apoio de Bolsonaro. 

“Em 2019 houve uma profunda queda na criminalidade violenta. Também fomos bem sucedidos contra o crime organizado. Infelizmente não recebi apoio de Bolsonaro para combater a corrupção e tive que deixar o governo”, disse. 

GUIA PARA BUSCAR DINHEIRO: baixe agora o guia gratuito com 51 investimentos promissores para 2022 e ganhe de brinde acesso vitalício à comunidade de investidores Seu Dinheiro

Na sequência, o pré-candidato do Podemos citou a Petrobras, afirmando que a estatal foi envolvida em um esquema de corrupção e que sua missão era romper com esse sistema. Aqui, mais uma vez, ele disse não ter suporte do presidente. 

“Fui para o governo para consolidar o propósito de acabar com esse sistema, mas quando vi que não havia o menor interesse em seguir no caminho de combate a corrupção, fui embora. Há falta de vontade do presidente no combate à corrupção”, disse. 

Guedes e a sabotagem presidencial

O ex-juiz se comparou com o atual ministro da Economia ao afirmar que Guedes tem uma boa agenda econômica, porém, diferente daquela de Bolsonaro. 

“Guedes é um liberal que está em um governo que não é liberal, então não tem como essa agenda funcionar. Passei pelo mesmo que ele. Se um ministro não tem apoio do presidente e é sabotado, não dá para começar nada. É o caso de Guedes e foi o meu contra a corrupção”, afirmou. 

Além de não ter interesse no combate à corrupção, Moro acusou Bolsonaro de não ter compromissos com reformas que promoveriam o crescimento sustentado do Brasil. 

“Em 2019, antes da pandemia, Bolsonaro já tinha deixado a reforma administrativa para depois porque ele não queria prejudicar sua reeleição e é por isso que defendo o fim do segundo mandato. O texto da reforma administrativa está no Congresso, mas é ruim, é fingir que algo está sendo feito”, afirmou. 

Ironias após a visita de Bolsonaro à Rússia

Bolsonaro fez uma viagem relâmpago à Rússia na semana passada em meio a iminência da invasão da Ucrânia. Assim que voltou de lá, o presidente brasileiro chegou a dizer que, coincidência ou não, foi só ele colocar os pés em Moscou para que Vladimir Putin anunciasse a retirada de parte de suas tropas que ameaçavam Kiev. 

O conflito, no entanto, ganhou novos contornos, com Putin reconhecendo ontem a autonomia de dois territórios separatistas da Ucrânia – Donetsk e Luhansk. Foi o suficiente para Moro não poupar Bolsonaro de ironias

“O Brasil é uma potência que foi capaz de ir até a Rússia e acabar com uma guerra. Agora está tudo bem como todos sabem”, disse o ex-juiz arrancando aplausos da plateia presente na conferência. 

Moro x Lula

Embora tenha gastado a maior parte de seu arsenal contra Bolsonaro de olho no eleitorado do presidente, Moro não se esqueceu de outro rival e gastou algumas de suas balas com Lula. 

O presidenciável do Podemos disse que sua campanha será baseada em reformas - tributária, administrativa e ética - e acusou o petista de não agir nesse sentido, obstruindo a expansão do país.

“Lula e Dilma não foram reformistas. Lula teve oito anos e não fez uma reforma. Recentemente, ele ainda falou com orgulho que isso não era necessário e que ainda iria revogar a reforma trabalhista”, afirmou. 

Moro ainda se disse diferente de Lula e Bolsonaro quando o assunto é democracia. “Acredito na democracia. Não acho que devemos intimidá-la ou desgastá-la. O meu projeto é diferente do deles. Sou reformista. Não vou revogá-las ou abandoná-las”, disse. 

O ex-juiz afirmou ainda que não há uma escolha possível na eleição de outubro entre o petrolão ou a rachadinha, referindo-se aos esquemas de corrupção que marcaram o governo do PT e a família Bolsonaro, embora não tenha citado nomes. 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

SEMANA EM CRIPTO

Bitcoin (BTC): o pior investimento do semestre tenta sobreviver aos dados de emprego nos EUA; confira o que mexe com as criptomoedas na próxima semana

Entre os destaques da semana, estão a liquidação de ativos da Three Arrows Capital, pechinchas no mercado cripto e mais

CAÇANDO MARRUÁ

Bitcoin (BTC) no cabresto? UE tenta domar o mundo das criptomoedas com marco regulatório; saiba como

O acordo é provisório e inclui uma proposta que cobre emissores de criptoativos não lastreados e também as chamadas stablecoins, bem como as plataformas de negociação e as carteiras nas quais os ativos digitais são mantidos

O MEDO DA RECESSÃO

Meta em crise: Mark Zuckerberg quer contratar menos funcionários e demitir mais gente a partir de agora

A dona do Facebook espera um segundo semestre de vacas magras e enfrentará um severo corte de gastos; por isso, a companhia prioriza equipes mais enxutas e agressivas

ELEIÇÕES 2022

É só mais essa! Líder nas pesquisas, Lula descarta tentar reeleição se derrotar Bolsonaro em outubro

Em entrevista, Lula disse que ‘daqui a 4 anos vai ter gente nova’, criticou o Congresso e prometeu retirar sigilos impostos por Bolsonaro

PROBLEMA DE INTERPRETAÇÃO?

A Tesla não é verde? Depois da empresa de Elon Musk ser excluída de índice ESG, CEO diz que bilionário não entende o significado da sigla

De acordo com a presidente executiva da Clarity AI, Rebeca Minguela, Musk pode ter pensado que o ESG mede apenas os impactos ambientais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies