Menu
2019-03-26T16:41:34-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Foi por pouco!

Ausente da CCJ, Guedes apanha, mas não será convocado

Ministro da Economia cancelou participação em audiência pública e virou alvo da oposição, mas deputados fecharam acordo para que Guedes compareça à comissão na quarta-feira da próxima semana como convidado

26 de março de 2019
15:12 - atualizado às 16:41
Paulo Guedes
Ministro da economia, Paulo Guedes - Imagem: Sérgio Castro/Estadão Conteúdo

Se estivesse presente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, poderia apanhar, mas ausente, virou saco de pancadas dos deputados de oposição na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. No entanto, no que pode ser visto como uma vitória da articulação da base governista, uma pretendida convocação, instrumento que é sempre visto como uma afronta ao governo, foi descartada.

O ministro cancelou sua participação em audiência na comissão no fim da manhã desta terça-feira para falar sobre a reforma da Previdência. Segundo nota do Ministério da Economia, “a ida do ministro da Economia à CCJ será mais produtiva a partir da definição do relator”.

O presidente da CCJ, deputado Felipe Francischini, manifestou surpresa com a ausência de Guedes e disse que ele talvez não tenha aparecido por conta do ambiente político.

Depois de ouvir as manifestações dos líderes partidários, o presidente cancelou a sessão e convocou nova reunião, essa extraordinária, que iria avaliar requerimentos que tratavam de aprovar uma convocação de Guedes. A oposição conseguiu juntar 23 assinaturas pedindo essa nova sessão.

No intervalo das sessões, no entanto, governo e oposição chegaram a um acordo. Guedes comparecerá à CCJ na quarta-feira da semana que vem, às 14 horas, como convidado. Ao derrubada da convocação é sinal positivo para o governo, mesmo com a tramitação da reforma sofrendo mais uma semana de atraso.

O deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), que ajudou a articular a possível convocação, reforçou os termos do acordo, que são a presença de Guedes na semana que vem, e que seu comparecimento não seja condicionado à escolha do relator do projeto. "Ele condicionou a vinda dele a isso e a oposição não aceita essa condição", disse Molon.

Se Guedes não comparecer também ficou acordado que a CCJ vai votar um requerimento de convocação.

Amanhã, quarta-feira, está prevista a ida de Guedes à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, para discutir o endividamento dos Estados.

Primeira sessão

Representando o “corpo de bombeiros”, o líder do governo na Câmara, major Vitor Hugo, chegou a CCJ e foi expressar o respeito do governo com a comissão e disse que Guedes, “provavelmente" viria na semana que vem.

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-PR) disse que Guedes desqualifica o parlamento e o presidente da Casa, Rodrigo Maia, e aproveitou para chamar o projeto de reforma de “cruel, perverso” e que a economia de R$ 1 trilhão recai “90% sobre os pobres”. “É uma fuga ele não explicar a reforma aqui”, disse.

José Guimaraes (PT-CE) disse que a ausência de Guedes era um “tapa na cara da comissão”. E Ivan Valente (PSOL-SP) disse que Guedes chantageia o tempo todo, falando que sem reforma, vai se cortar verba pela desvinculação de receitas, e que agora não tem salário para servidores. O PSOL sempre defendeu aguerridamente o funcionalismo público.

“Ele se dá bem falando com banqueiros. Ele nunca recebeu sindicalistas ou alguém do campo. Interessa quem vai ficar satisfeito no mercado financeiro. Desrespeitou o Congresso Nacional”, disse.

Calma lá

Para o deputado Marcel van Hattem (Novo-RS) esse é o momento em que tensões precisam ser desfeitas, pois a “temperatura está muito alta”, e pediu serenidade dos deputados. A sugestão do deputado era de ouvir o secretário de Previdência, Rogério Marinho, que aliás foi bastante elogiado por oposição e situação.

Hattem lembrou que até a ex-presidente Dilma Rousseff defendeu a reforma e que o ajuste da Previdência é necessário para resolver a questão fiscal. “Quanto menos tempo perdermos melhor”, disse.

O deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) reforçou que Previdência é uma questão de Estado e que mesmo a oposição sabe que a reforma precisa ser aprovada. Ele rebateu a crítica da oposição de que 90% do custo ficará com os mais pobres.

“A Previdência transfere dinheiro dos mais pobres, para o servidor público, parlamentares e senadores. Quem se diz contra a reforma prefere para si sistema especial de previdência”, comentou, dizendo que "os pais escravizam os filhos" no sistema atual de repartição. "O problema está na despesa e não da receita."

O deputado Fabio Trad (PSD-MS) advogou por uma diferente interpretação da ausência de Guedes. “Não vejo desrespeito e afronta a essa comissão”. O ideal seria a vinda dele, segundo o deputado, mas ele deu justificativa e indicou Marinho para vir. Para Trad, seria desrespeito se o ministro se recusasse a vir, se tivesse que fazê-lo vir “sob vara” até a comissão.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

FECHAMENTO DA SEMANA

Ufa! Ibovespa avança quase 5% em semana de alta volatilidade, mas dólar vai a R$ 5,68

A PEC emergencial e a disparada dos títulos públicos norte-americanos monopolizaram o noticiário, pressionando o câmbio e a bolsa

Regime especial

STF forma maioria para manter sigilo das informações do programa de repatriação

A análise tem origem em uma ação proposta pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) em 2017.

Algo não agradou

Guedes vê perda estrutural em PEC do auxílio

O sentimento na equipe de Guedes foi de perda da possibilidade de acionamento dos gatilhos em caso de calamidade por mais dois anos seguintes

DIÁRIO DE BORDO

À procura de um porto seguro para seu dinheiro em tempos turbulentos no Brasil? Veja onde investir

Se “mar calmo nunca fez bom marinheiro”, o que aprendi nesses meus 25 anos de mercado financeiro é que em momentos de ruídos e turbulências precisamos ser ainda mais persistentes e consistentes em nossos investimentos.

Suspeita de crime

CVM confirma processo para investigar suposto ‘insider trading’ na Petrobras

A suspeita de que alguém pode ter lucrado R$ 18 milhões com o vazamento de informações sobre o que ocorreria na estatal vieram à tona no início da semana e mexeram com os ânimos do mercado.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies