Menu
2019-03-26T16:41:34-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Foi por pouco!

Ausente da CCJ, Guedes apanha, mas não será convocado

Ministro da Economia cancelou participação em audiência pública e virou alvo da oposição, mas deputados fecharam acordo para que Guedes compareça à comissão na quarta-feira da próxima semana como convidado

26 de março de 2019
15:12 - atualizado às 16:41
Paulo Guedes
Ministro da economia, Paulo Guedes - Imagem: Sérgio Castro/Estadão Conteúdo

Se estivesse presente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, poderia apanhar, mas ausente, virou saco de pancadas dos deputados de oposição na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. No entanto, no que pode ser visto como uma vitória da articulação da base governista, uma pretendida convocação, instrumento que é sempre visto como uma afronta ao governo, foi descartada.

O ministro cancelou sua participação em audiência na comissão no fim da manhã desta terça-feira para falar sobre a reforma da Previdência. Segundo nota do Ministério da Economia, “a ida do ministro da Economia à CCJ será mais produtiva a partir da definição do relator”.

O presidente da CCJ, deputado Felipe Francischini, manifestou surpresa com a ausência de Guedes e disse que ele talvez não tenha aparecido por conta do ambiente político.

Depois de ouvir as manifestações dos líderes partidários, o presidente cancelou a sessão e convocou nova reunião, essa extraordinária, que iria avaliar requerimentos que tratavam de aprovar uma convocação de Guedes. A oposição conseguiu juntar 23 assinaturas pedindo essa nova sessão.

No intervalo das sessões, no entanto, governo e oposição chegaram a um acordo. Guedes comparecerá à CCJ na quarta-feira da semana que vem, às 14 horas, como convidado. Ao derrubada da convocação é sinal positivo para o governo, mesmo com a tramitação da reforma sofrendo mais uma semana de atraso.

O deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), que ajudou a articular a possível convocação, reforçou os termos do acordo, que são a presença de Guedes na semana que vem, e que seu comparecimento não seja condicionado à escolha do relator do projeto. "Ele condicionou a vinda dele a isso e a oposição não aceita essa condição", disse Molon.

Se Guedes não comparecer também ficou acordado que a CCJ vai votar um requerimento de convocação.

Amanhã, quarta-feira, está prevista a ida de Guedes à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, para discutir o endividamento dos Estados.

Primeira sessão

Representando o “corpo de bombeiros”, o líder do governo na Câmara, major Vitor Hugo, chegou a CCJ e foi expressar o respeito do governo com a comissão e disse que Guedes, “provavelmente" viria na semana que vem.

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-PR) disse que Guedes desqualifica o parlamento e o presidente da Casa, Rodrigo Maia, e aproveitou para chamar o projeto de reforma de “cruel, perverso” e que a economia de R$ 1 trilhão recai “90% sobre os pobres”. “É uma fuga ele não explicar a reforma aqui”, disse.

José Guimaraes (PT-CE) disse que a ausência de Guedes era um “tapa na cara da comissão”. E Ivan Valente (PSOL-SP) disse que Guedes chantageia o tempo todo, falando que sem reforma, vai se cortar verba pela desvinculação de receitas, e que agora não tem salário para servidores. O PSOL sempre defendeu aguerridamente o funcionalismo público.

“Ele se dá bem falando com banqueiros. Ele nunca recebeu sindicalistas ou alguém do campo. Interessa quem vai ficar satisfeito no mercado financeiro. Desrespeitou o Congresso Nacional”, disse.

Calma lá

Para o deputado Marcel van Hattem (Novo-RS) esse é o momento em que tensões precisam ser desfeitas, pois a “temperatura está muito alta”, e pediu serenidade dos deputados. A sugestão do deputado era de ouvir o secretário de Previdência, Rogério Marinho, que aliás foi bastante elogiado por oposição e situação.

Hattem lembrou que até a ex-presidente Dilma Rousseff defendeu a reforma e que o ajuste da Previdência é necessário para resolver a questão fiscal. “Quanto menos tempo perdermos melhor”, disse.

O deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) reforçou que Previdência é uma questão de Estado e que mesmo a oposição sabe que a reforma precisa ser aprovada. Ele rebateu a crítica da oposição de que 90% do custo ficará com os mais pobres.

“A Previdência transfere dinheiro dos mais pobres, para o servidor público, parlamentares e senadores. Quem se diz contra a reforma prefere para si sistema especial de previdência”, comentou, dizendo que "os pais escravizam os filhos" no sistema atual de repartição. "O problema está na despesa e não da receita."

O deputado Fabio Trad (PSD-MS) advogou por uma diferente interpretação da ausência de Guedes. “Não vejo desrespeito e afronta a essa comissão”. O ideal seria a vinda dele, segundo o deputado, mas ele deu justificativa e indicou Marinho para vir. Para Trad, seria desrespeito se o ministro se recusasse a vir, se tivesse que fazê-lo vir “sob vara” até a comissão.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Agenda BC#

BC estende regras para débito automático a contas de pagamento pré-pagas

A diretoria do Banco Central decidiu estender para as contas de pagamento pré-pagas (aquelas cujos recursos devem ser depositados previamente) as regras sobre autorização e cancelamento de débitos em conta que já estavam previstas para contas de depósitos e para contas-salário

Aprovação concedida

Tim e Vivo recebem aprovação da Anatel e do Cade para compartilhamento de rede

Serão compartilhadas infraestrutura de redes móveis para as tecnologias 2G, 3G e 4G

Empresa diz que não comenta

MPT-RS pede interdição de planta da JBS no Estado por surto de coronavírus

A JBS respondeu, sobre a ação civil pública movida nesta quarta, que não comenta processos judiciais em andamento

seu dinheiro na sua noite

Despiorou

Acabou a crise? Nesta quarta-feira, os mercados mantiveram o otimismo dos últimos dias. As bolsas subiram aqui e lá fora, ao mesmo tempo em que o dólar assistiu a mais um dia de alívio, chegando perto dos R$ 5 novamente. Está até difícil entender de onde sai tanto apetite por risco, dado que a pandemia […]

ANÁLISE

Quarentena de pijama? Não, no mundo cripto tem muita coisa rolando

Nas próximas linhas, Helena Margarido vai mostrar a você um mercado que caminha na contramão de todo establishment e permanece com alta demanda em meio à crise atual: a revolução está somente começando.

Ninguém segura

A corrida dos touros: Ibovespa sobe pelo quarto dia e volta aos 93 mil pontos; dólar cai a R$ 5,09

O Ibovespa teve mais um dia de ganhos e chegou ao maior nível desde 6 de março, sustentado pelo otimismo global. O dólar à vista caiu forte, chegando a R$ 5,01 na mínima da sessão

tombo histórico

Abinee reporta queda de 30,3% na produção do setor eletroeletrônico em abril

Essa foi a maior queda verificada na série histórica iniciada no início de 2002, segundo o presidente da entidade, Humberto Barbato

Empresários de comércio e serviços

76% de 400 micro e pequenos empresários esperam queda de faturamento

A pesquisa ouviu empresários dos setores de comércio e serviços. Parcela de 26% dos entrevistados espera recuo de 31% a 50%, enquanto 22% têm expectativa de queda até 30%

Compartilhamento de serviços

Cade nega recurso da Claro e mantém aprovação de operação entre Tim e Telefônica

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) negou recurso apresentado pela Claro contra o aval do órgão a operação de compartilhamento de redes entre a TIM e a Telefônica Brasil

Ajuda financeira

Maia diz ter informação que socorro a Estados e municípios será pago até dia 9

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia afirmou que a primeira parcela do socorro a Estados e municípios deve ser entregue aos entes até a próxima terça-feira, 9

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements