Menu
Eduardo Campos
Diário dos 100 dias
Eduardo Campos conta os bastidores do início do governo
Dados da Bolsa por TradingView
2019-02-21T19:05:07-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
dia 52

Discrição com o vizinho

Maduro fecha fronteira com o Brasil, Planalto não vê chance de fricção na região e despacha o vice para discutir a relação

21 de fevereiro de 2019
18:25 - atualizado às 19:05

O noticiário do dia acabou pautado pelas declarações de Nicolás Maduro, que se segura como pode no “comando” da Venezuela. Para o ditador é preciso responder às provocações do Brasil e outros países vizinhos, que tentam enviar ajuda humanitária e já reconheceram Juan Guiadó como presidente do país. Por aqui, a postura do governo Jair Bolsonaro foi de não responder a provocações. Até a publicação do diário a posição era: “não haverá manifestação sobre o assunto”. Mas pouco antes das 19 horas, o porta-voz, general Rêgo Barros, reforçou que o intuito do governo é acolher os irmãos venezuelanos e que o governo não vê possibilidade de “fricção na região”, já que o ponto focal é “ajuda humanitária”. O vice, general Hamilton Mourão, ruma para a Colômbia para discutir a crise venezuelana.

Com a reforma da Previdência na rua, começa um tiroteio de notícias para todos os gostos. A oposição vocifera em “defesa” do pobre, a situação está em busca de votos e liderança. Diariamente vamos ver todo o tipo de apuração com contagens extraoficiais de deputados ou senadores que apoiam ou não a reforma. Há um lenda aqui em Brasília de que muita gente opera ações, opções e outros ativos financeiro aqui da Esplanada dos Ministérios e da Praça dos Três Poderes. Paciência e discernimento terão de pautar, ainda mais, a leitura do cenário nos próximos meses.

Vale ainda um adendo do dia 51. Bolsonaro não fez dois, mas três importantes gestos mostrando seu convencimento da importância das reformas. Não só levou um texto mais “duro” ao Congresso e reconheceu que errou quando se disse contrário à reforma na sua época de deputado, como fez um pronunciamento à nação defendendo a proposta. Sinais de que ele teria mesmo a propagada humildade de ouvir o Paulo Guedes, que é o “cara”, ou “posto Ipiranga” da economia. Aliás, Guedes também foi à TV e defendeu a economia de R$ 1,1 trilhão prevista pela reforma, dizendo que cada vez que se reduz esse número, “estamos sacando contra o futuro de nossos filhos e netos”.

Leia aqui todo o Diário dos 100 Dias.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

O futuro está no céu

A acirrada corrida pelo ‘carro voador’

Além de chamar a atenção no mercado de capitais, as startups de “carros voadores” estão atraindo talentos e parceiros de setores mais tradicionais da economia

XP anuncia investimento na edtech Resilia

A Resilia é uma edtech que combina tecnologias que potencializam o aprendizado individualizado e em comunidade com um método de ensino que capacita potenciais talentos de uma forma mais rápida para o mercado digital

Análise

Investir em ações de banco ainda é uma boa? Veja 3 motivos que deixam a XP Investimentos cautelosa

Se no ano passado a postura era otimista, agora os analistas do setor financeiro da XP estão mais cautelosos, já que o cenário é de preços elevados dos ativos e uma concorrência e intervenções regulatórias preocupantes.

REFORMA TRIBUTÁRIA

PIB pode crescer 1,6% com redução de IR para empresas, indica estudo

O cálculo de 20% teve como base comportamento das empresas depois de um dos maiores aumentos na alíquota do imposto sobre dividendos no mundo – na França, em 2013, de 15,5% para 46%

ESG

‘Equidade racial se tornou prioridade dentro da Vivo’, diz presidente

Dentro da extensa agenda ESG, que concentra ações ambientais, sociais e de governança, a Vivo aposta na equidade racial

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies