Menu
Eduardo Campos
Diário dos 100 dias
Eduardo Campos conta os bastidores do início do governo
Dados da Bolsa por TradingView
2019-02-19T18:07:45-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
dia 50

No meio do caminho

Jair Bolsonaro chegou ao 50º dia sem Gustavo Bebianno na Secretaria-Geral da Presidência

19 de fevereiro de 2019
18:07

Chegamos à metade da nossa proposta do diário de 100 dias e o governo parece tomar alguma tração, com o envio ao Congresso das medidas anticrime do ministro Sérgio Moro, e Jair Bolsonaro se preparando para entregar, amanhã, o texto completo da reforma da Previdência. Até agora, uma das poucas promessas de campanha cristalizadas foi a edição de decreto sobre a posse de armas.

O presidente Jair Bolsonaro chegou ao 50º dia sem Gustavo Bebianno na Secretaria-Geral da Presidência. Por volta das 18h30 de ontem, o porta-voz anunciou a exoneração do ministro por razões de “foro íntimo” do presidente. Já estava escancarado o desentendimento entre os dois e o filho Carlos Bolsonaro até em áudios postados no “Twitter”. Mas qualquer sobra de intimidade acabou com a revelação pela “Veja” de uma série de áudios trocados entre Bebianno e o presidente. Os dois conversaram sim pelo aplicativo de mensagens contrariando versão exposta por Carlos e reforçada por Bolsonaro que os dois não tinham se falado na semana passada.

Por ora, o caso releva muita “espuma” e permite variadas interpretações, mas não é possível enxergar, ainda, danos práticos, como perda de apoio político ou revoltas parlamentares, mesmo dando “munição para oposição”. Possíveis estragos poderão ser verificados na prática ao longo das próximas semanas conforme os projetos de interesse do Executivo comecem a fluir pelo Legislativo. Também paira a dúvida se Bebianno teria mais áudios ou informações com potencial de estrago no governo.

Para o vice, general Hamilton Mourão, o caso é história. E para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, o assunto está resolvido. Mourão também disse que o governo tem apoio de 250 parlamentes para a reforma da Previdência, número que nem o líder do governo na Câmara, major Vitor Hugo, ousou estimar. Coincidência ou não, a Câmara aprovou regime de urgência para projeto que susta os efeitos de um decreto editado por Mourão, quando ocupava a presidência, e fez mudanças sobrem quem poderia impor sigilo aos documentos do governo. Foram 367 votos favoráveis, 57 contra e 3 abstenções.

Leia aqui todo o Diário dos 100 Dias.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Polêmica

Reserva de emergência e aplicações de curto prazo: CDB 100% do CDI pode ser melhor que Tesouro Selic?

Com a Selic mais alta, vale a pena voltar a discutir qual a opção ideal para a reserva de emergência; e, nesse sentido, os CDBs que pagam 100% do CDI com liquidez diária podem sim ser uma boa pedida

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Vai mudar

Ultrapar (UGPA3): Marcos Lutz, ex-presidente da Cosan, assumirá como CEO em janeiro de 2022

Lutz já era membro do conselho de administração da Ultrapar (UGPA3) e, após o período como CEO, deve virar presidente do colegiado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies