Menu
Eduardo Campos
Diário dos 100 dias
Eduardo Campos conta os bastidores do início do governo
2019-04-05T10:44:22-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
DIA 39

Estatais, filhos drogados e Saci Pererê

Presidente teve seu melhor dia desde a internação para cirurgia em São Paulo e Paulos Guedes estava inspirado no Rio de Janeiro

8 de fevereiro de 2019
18:16 - atualizado às 10:44

Um dia depois de diagnosticada uma pneumonia, o presidente Jair Bolsonaro acordou superanimado e disposto, segundo o porta-voz da Presidência, general Rêgo Barros, que também disse que emocionalmente e visualmente esse foi o melhor dia que o presidente passou. Mas enquanto Bolsonaro continua longe de Brasília, o “senhor fontes” segue em ação, fomentando rumores e notícias desencontradas sobre o estado de saúde e relações do presidente com o vice, general Mourão. O ambiente palaciano sempre foi propício ao tal “fogo amigo” e intencional também.

Na economia, desta vez no Rio de Janeiro, o ministro Paulo Guedes estava particularmente inspirado, soltando frases do tipo: “o Brasil era um Saci Pererê, só pulava com a perna esquerda, mas ela estava cansada. Agora vamos pular um pouco com a perna direita” e estatais são como “filhos que fugiram e hoje são drogados”, para criticar o regime previdenciário e a gestão das empresas do governo.

Ainda sobre o assunto, o secretário Especial da Previdência, Rogério Marinho, deu uma data, entre 19 e 21 de fevereiro, para apresentar a proposta de reforma. Outra notícia intrigante, ou “balão de ensaio”, mas que com boa vontade parece ter algum senso político deu conta de que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, poderia convidar o deputado Mauro Benevides (PDT-CE) para presidir a comissão que analisará a reforma. O tal senso político decorreria do fato de Maia tentar apoio do PDT, já que Benevides foi o “economista” de Ciro Gomes na campanha. Parece difícil, já que os Gomes (Ciro e Cid) tentam consolidar uma oposição “não lulista”, desde o famoso episódio, recentemente reprisado, de “o Lula tá preso, babaca”. A conferir, pois cálculo políticos não são lineares.

Rodrigo Maia reafirmou o rito da reforma (CCJ e comissão especial) e estimou que o texto possa ser votado em maio/junho. Na semana tivemos muito barulho com relação ao prazo de votação e afins, mas isso é só espuma. O tempo de Brasília é diferente do tempo do mercado. O que importa é a aprovação, que parece crível. Maia também voltou a afirmar que o problema não é o mérito da reforma, mas sim “algumas corporações”, lutando mais um dia do que chamo de “batalha da comunicação”.

Leia aqui todo o Diário dos 100 Dias.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Entrevista

‘Desemprego alto e déficit público nos deixam cautelosos’, diz presidente da Whirlpool

CEO da fabricante das marcas Consul e Brastemp diz estar cauteloso para investir em produção e em relação à sustentabilidade da demanda, por conta de desemprego e da situação fiscal

Mercadores da noite

Bolsa, dólar e juros subindo: qual dos três está mentindo?

Quando a Bolsa, o dólar e as taxas de juros estão subindo ao mesmo tempo, um dos três está mentindo – qual deles será e o que fazer?

Infraestrutura

Novo marco legal para ferrovias vai a votação no Senado na próxima semana

Legislação promete organizar regras do setor e permitir novos formatos para a atração de investimentos privados

Telecomunicações

Operadoras cobram transparência do governo na definição da tecnologia 5G

Teles se dizem preocupadas com as “incertezas” relativas ao processo, depois de governo sinalizar banimento da chinesa Huawei

Recorde

Estrangeiros põem R$ 30 bilhões na bolsa brasileira em novembro

Trata-se de recorde de entrada de recursos estrangeiros em um mês, impulsionado pela migração de recursos para bolsas emergentes; movimento por aqui, porém, pode ser passageiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies