2019-03-19T16:55:35-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
dia 70

Entre a nova e a velha política

Bolsonaro parece ceder para construir base de apoio, a questão é até que ponto

11 de março de 2019
18:00 - atualizado às 16:55

O fim de semana e a segunda-feira foram de repercussão do que parece ter sido uma mudança na estratégia de comunicação e de postura do presidente Jair Bolsonaro com relação à reforma da Previdência. No fim da semana passada, o presidente se manifestou em suas redes sociais e em live no “Facebook” sobre o tema. No sábado, recebeu o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), onde fez um importante movimento, liberando a negociação de cargos do segundo escalão. A contrapartida é que indicados tenham boa reputação.

Parece um pouco cedo para cravar alguma coisa, mas a decisão de aceitar nomeações pode colocar em evidência um choque ou ponderação do que seria a “velha política” de “toma lá, dá cá”, criticada pelo presidente, com a “nova política”, que teria aspirações partidárias e de alinhamento de programas.

Vencer ou mesmo desafiar o que Milton Friedman chama de “tirania do status quo” é algo particularmente difícil e me parece que o governo vai ter de ceder à “velha política” em nome da construção de uma base de apoio não só para a reforma da Previdência, mas por toda sua agenda. A questão, como sempre, é até que ponto ceder para não correr o risco voltarmos a ver um governo de cooptação e não de coalisão. A alternativa seria uma ruptura com o sistema político como conhecemos, tema que creio embalou a candidatura de Bolsonaro, mas sob o risco de uma paralisia da sua agenda de governo.

Leia aqui todo o Diário dos 100 Dias.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

A BOLSA HOJE

Esquenta dos mercados: notícia sobre possível baixa eficácia das vacinas contra ômicron derruba mercados, em dia de discurso de Powell e votação dos precatórios

O investidor local ainda permanece de olho nas falas de Roberto Campos Neto e Paulo Guedes em eventos separados hoje

SÓ NO SAPATINHO

Dividendos: Arezzo (ARZZ3) vai distribuir R$ 60 milhões aos acionistas; veja como participar

Serão R$ 33,78 milhões em JCP e R$ 26,22 milhões em dividendos a serem depositados até 31 de janeiro de 2022

INCERTEZAS NO RADAR

CEO da Moderna levanta dúvidas sobre eficácia de vacinas contra a ômicron e provoca reação negativa nos mercados

Stéphane Bancel disse que cientistas consultados por ele esperam ‘queda significativa’ na eficácia dos imunizantes contra a nova cepa

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Os investidores agora viraram virologistas: os impactos da Ômicron sobre os mercados

Ainda não sabemos o bastante para decidir se esta é uma oportunidade de compra, mas parecemos estar mais preparados como sociedade para enfrentar o problema

VAREJO DECEPCIONADO?

Black Friday supera prévias, mas vendas do fim de semana ainda perdem para os números registrados em 2019

Segundo índice calculado pela Cielo, as vendas cresceram 6,9% em relação ao ano passado, mas foram 3,8% inferiores ao período pré-pandemia