Menu
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Ação do mês

Petrobras é a aposta na bolsa em novembro; entenda o porquê

Seu Dinheiro traz a principal indicação de sete corretoras que elaboram carteiras recomendadas todos os meses. Todas só puderam escolher uma ação para recomendar.

6 de novembro de 2018
5:09 - atualizado às 16:23
Petrobras é a aposta do mês de novembro para a bolsa - Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Se você tivesse que apostar em apenas uma ação neste mês de novembro, qual seria ela? Que papel teria tudo para deslanchar e garantir uma aplicação certeira? Essas são perguntas que provavelmente você já deve ter feito a si mesmo e que poucas vezes conseguiu responder. No meio de centenas de opções - preferenciais e ordinárias, estatais ou empresas privadas -, não é nada fácil apontar o dedo para apenas um lado e seguir esse caminho.

Mas foi exatamente isso o Seu Dinheiro resolveu fazer por você. Chega de carteiras com cinco, dez, ou quinze ações recomendadas. Não é sempre que um investidor pessoa física consegue apostar em várias cartas ao mesmo tempo. É possível selecionar apenas uma ação e o Seu Dinheiro vai te mostrar a partir deste mês qual é essa aposta feita pelas corretoras.

Lancei esse desafio e sete aceitaram embarcar nessa proposta de enxugar suas listas e trazer o Top 1 das ações. Veja a sugestão de cada uma delas:

Maré favorável na Petrobras

Não foi surpresa para mim quando três dessas corretoras recomendaram as ações preferenciais da Petrobras. De fato, a petroleira vive um momento de negócios muito bom e está se beneficiando diretamente do otimismo com o Brasil na bolsa de valores após o resultado da eleição.

Mesmo com um lucro abaixo do esperado no terceiro trimestre, a companhia divulgou um balanço beneficiado pela alta de preços do petróleo e a desvalorização do real frente ao dólar. Esse cenário se manteve nas últimas semanas e deve se manter ao longo do mês.

É válido comentar que o resultado da Petrobras foi derrubado por despesas pontuais, no caso pelos acordo no valor de R$ 3,5 bilhões firmado com a Justiça dos EUA para encerrar investigações envolvendo a empresa.

Além do petróleo e do dólar, também pesa a favor da estatal a profunda mudança de gestão que ela vem promovendo ao longo dos últimos anos. O Plano Estratégico e o Plano de Negócios e Gestão 2018-2022 têm como diretrizes a redução da alavancagem financeira e dos investimentos futuros, além de um significativo corte de custos operacionais e de venda de ativos - como a refinaria de Pasadena no Texas.

Outra movimentação, dessa vez vinda lá de Brasília, pode dar gás extra aos papéis. É grande a expectativa de que o Congresso aprove o projeto da cessão onerosa, que vai render bilhões aos cofres da Petrobras. Um primeiro passo pode ser dado já nesta terça-feira, 6, com a aprovação do regime de urgência no Senado, adiado na semana passada.

Mas você investidor deve ficar atento porque o projeto tem potencial tanto para trazer uma onda positiva como negativa para as ações. Na negociação com o Senado, não se pode descartar o risco de uma modificação ou rejeição do texto pela Casa - ou até mesmo mudanças nas diretrizes do governo em relação ao tema.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu