Menu
2019-08-08T10:47:05+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

O inferno é o Banco Central dos outros!

Agora em agosto, oito Bancos Centrais já promoveram reduções de juros e os motivos não são animadores

7 de agosto de 2019
17:45 - atualizado às 10:47
Donald-Trump-Jerome-Powell
Presidente dos EUA, Donald Trump, e presidente do Fed, Jerome Powell - Imagem: Official White House Photo by Andrea Hanks

O presidente americano, Donald Trump, voltou a atirar contra o Federal Reserve (Fed), banco central americano, depois que três Bancos Centrais (BCs) anunciaram redução de juro. Trump acha que o problema da América não é a guerra comercial com a China. Mas sim Jerome Powell e companhia, que relutam em fazer um corte grande e rápido do juro americano.

Também fiquei surpreso com as reduções feitas pelos BCs da Índia, Nova Zelândia e Tailândia, e fui dar uma olhada no site “Central Bank News”, onde descobri que já são oito BCs reduzindo juros agora em agosto, sendo que não temos uma semana fechada no mês.

O ponto em comum é a preocupação com o menor crescimento da economia mundial e inflações que teimam em se manter longe das metas (nos países que adotam esse regime).

Os mercados parecem não se abalar, mas o aceno dado por essas reduções de juros são de que teremos problemas pela frente. E quanto maiores forem as reduções e o número de BCs atuando, maior pode ser o problema.

Há uma semana, usei o último “memo” de investimentos do gestor da Oaktree, Howard Marks, para fazer um contraponto a essa visão de que juro para baixo é sempre boa notícia. Entre as conclusões, podemos destacar que em alguns momentos a atuação preventiva do BC pode apenas mascarar o inevitável ciclo econômico, que tem seus momentos de alta e de baixa.

Ou como bem colocou outra lenda dos investimentos, o fundador da GMO, Jeremy Grantham, "não é possível tirar sangue de pedra".

Juros menores, que animam as bolsas e demais ativos de riscos, podem acabar apenas mascarando um ajuste de baixa (ou recessão), que quanto mais tempo leva para acontecer, mais custoso pode ser.

Ainda me apoiando em Howard Marks, é sempre bom lembrar que não existe meio termo nos mercados. As percepções são de cenário perfeito ou desesperador.

Prova disso foi o pregão de segunda-feira, um legítimo "sea of red", depois que o Banco Central da China deixou o yuan se desvalorizar para além da mística linha dos 7 por dólar. Nesta quarta-feira, a linha central de flutuação foi jocosamente colocada em 6,9996.

Ações de BCs conversam com todo os demais mercados, mas essa nova etapa da briga entre Trump e os chineses joga o foco sobre o câmbio e a possibilidade de uma guerra cambial.

De forma simplificada, os EUA tarifam a China, que promove uma desvalorização da moeda anulando o aumento de custo. Pense nisso como um jogo de múltiplas rodadas e com novos participantes entrando e tendo, também, de desvalorizar suas moedas para manter grau de competitividade e temos uma “corrida para o fundo do poço”, (race to the bottom).

Pelas últimas falas e ações de Trump, que já taxou a China de "manipulador cambial", parece que se o Fed não der o que ele quer via juros menores, ele parte para uma desvalorização do dólar via atuações do Tesouro, algo que ninguém sabe direito como poderá ser feito.

Tempos estranhos

A percepção ao ler os sites e jornais de finanças e as declarações de investidores, gestores e economistas é de que tem algo estranho acontecendo.

Parece existir um desconforto ou incompreensão com uma dinâmica global de juros zero ou mesmo negativo, que desafia a lógica do mercado (já são mais de US$ 15 trilhões alocados em taxas negativas), países como Grécia e Itália pagando menos que os EUA para se financiar, o preço do ouro batendo novas máximas históricas e empresas “disruptivas”, mas que não dão lucro virando o “novo normal” nas bolsas (a lista é extensa, pode completar).

Juro baixo e por muito tempo parece “emburrecer” ou "amansar" o capital, que deixa de ser arredio e passa a aceitar alguns desaforos. Mas essa é uma dinâmica que parece pouco sustentável.

Lembrando mais uma vez de Howard Marks, quando não é possível enxergar muito bem adiante, mova-se com cautela. Não é possível ter o máximo de ganhos e preservação do capital ao mesmo tempo.

Toda a conversa parece caber ao quadro global, mas nós vimos bem, na segunda-feira, o que acontece por aqui quando bate o desespero no resto do mundo.

Estamos avançando com nossa agenda de reformas liberais e limpando os estragos na Nova Matriz Macroeconômica e outras experiências heterodoxas. O que parece garantir um “novo normal” de Selic baixa, estimulando o crescimento e o desenvolvimento dos mercados.

Mas esse caminho não deve ser suave. É o tal “bumby road” dos americanos ou o mais popular “segura que vai balançar”. Algo que vai testar nos nervos e a convicção de toda a classe de investidor, principalmente daqueles que foram obrigados a abandonar o “conforto” dos títulos do governo e outros instrumentos clássicos da renda fixa.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Aquecendo o mercado imobiliário

Novo programa habitacional pode ter verba de R$ 450 milhões em 2020

Governo quer substituir o atual programa habitacional por um sistema de “voucher”, um vale que assegurará um crédito às famílias para a casa própria

Destinos no Brasil e América do Sul

Latam Brasil amplia acordo de codeshare com a Qatar Airways

Agora bilateral, a parceria proporcionará aos clientes da Qatar Airways conexões para destinos em todo o Brasil e América do Sul

Seu Dinheiro na sua noite

Não é só a Previdência

Quando Paulo Guedes assumiu o comando da economia no governo Bolsonaro, formou-se no mercado um misto de grande expectativa e curiosidade. Afinal, era a primeira vez que o Brasil teria uma diretriz liberal “puro sangue”. Parte dos investidores esperava que as primeiras medidas de abertura comercial fossem tomadas logo em janeiro, já que não dependiam […]

Mercado paralelo

Unick Forex é alvo de operação da PF por esquema de pirâmide financeira

A empresa vinha sendo investigada por atuar no mercado financeiro paralelo com a captação ilegal de recursos de cerca de um milhão de clientes

Caged saindo do forno

Saldo líquido de emprego formal foi positivo em 157.213 vagas em setembro

Saldo de setembro do Caged decorre de 1,341 milhão de admissões e 1,184 milhão de demissões

Não está sendo fácil

Campos Neto destaca nos EUA choques internacionais que afetaram PIB em 2019

Apresentação do presidente do BC mostra que a projeção do mercado financeiro para o crescimento do Produto Interno Bruto em 2019 é de 0,87%

Crise profunda no PSL

Bolsonaro tenta derrubar líder na Câmara, sofre derrota e destitui Joice Hasselmann da liderança no Congresso

Presidente atuou pessoalmente para tentar derrubar Delegado Waldir, mas movimento foi falho e apenas aprofundou a crise no partido

falam os analistas

UBS eleva preço-alvo da Via Varejo, mas diz que ainda não é hora de comprar a ação da companhia

Analistas do banco suíço avaliam que mudanças promovidas na varejista após a retomada do controle acionário pelo bloco da família Klein ainda não são suficientes para recomendar a compra dos papeis, que ontem fecharam cotados a R$ 7,82

Tá bem na fita

Santander recomenda compra das ações do Banco Pan, chama ativo de “melhor dos dois mundos” e papéis disparam na bolsa

Setor de investimentos do banco espanhol iniciou sua cobertura das ações com um preço-alvo de R$ 14

Balanço SPE

Queda do juro no Brasil é estrutural, diz Ministério da Economia

Entre 2011 e 2013, queda de juros foi feita “na marra” e se tornou insustentável. Agora, Selic menor é vista como sustentável

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements