Menu
Ana Paula Ragazzi
Ana Paula Ragazzi
EXPLICA ESSA PRA CVM!

Na (imprudente) recompra de ações da Gafisa, quem vende é Mu Hak You

Gestora GWI assumiu o comando da Gafisa há um mês e tomou decisões polêmicas, como fazer uma recompra de ações esvaziando o caixa da empresa. A GWI reduziu sua posição durante execução da oferta e abre discussões sobre motivação do negócio.

6 de novembro de 2018
9:11 - atualizado às 10:49
Montagem com bandeira da Coreia do Sul em em meio a prédios de São Paulo - Imagem: Shutterstock

Há pouco mais de um mês, a gestora GWI, do investidor coreano Mu Hak You, tomou conta da Gafisa. De lá para cá, já conseguiu várias “proezas”. Da noite para o dia, trocou toda a diretoria que acumulava anos de casa pelo staff da GWI. Também decidiu parar de pagar fornecedores, mas teve de voltar atrás, para evitar paralisação dos trabalhadores nas suas obras. Anunciou, ainda, uma recompra de ações, julgando que a empresa, que vem do momento difícil do setor de construção no país, podia dispor de recursos de seu caixa não para tocar seus negócios, mas para retirar ações do mercado.

Todas essas decisões já eram difíceis de entender, mas complicado mesmo para Mu Hak será explicar aos investidores, ao mercado e muito provavelmente à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) como é que, ao mesmo tempo em que decide tirar recursos do caixa da Gafisa para a recompra, reduz a posição da própria GWI  na companhia. Essa é a avaliação possível depois da análise de documentos recentes divulgados pela incorporadora. O objetivo da polêmica operação de redução de capital era o de dar liquidez a seu controlador em detrimento do saúde financeira da empresa?

A GWI tinha 37,32% das ações da Gafisa em 21 de setembro. Dia 25 aconteceu a assembleia em que a gestora conseguiu a maioria no conselho e passou a ditar as regras na incorporadora. Conforme informações sobre seu quadro acionário atualizadas em 1 de novembro no site da B3, a GWI possuía, naquele dia, 32,07% da companhia. A fatia caiu 5,25 pontos percentuais. Não haveria problema nenhum se a empresa, em outubro, não tivesse concluído 90% de seu programa de recompra de ações.

Conforme relatório sobre a negociação de ações da empresa e que obedece a Instrução CVM 358, a quantidade de ações em tesouraria da Gafisa subiu de 1,94% para 8,98% ou 7 pontos percentuais. Em número de ações, o incremento foi de 3,150 milhões. Quando anunciou a recompra, a Gafisa informou que ela atingiria até 3,5 milhões de papéis - da comparação desses dois números, saem os 90% de conclusão da recompra. A Gafisa gastou mais de R$ 40 milhões com o programa até aqui. Dois acionistas que possuíam mais de 5% da Gafisa até antes da entrada da GWI no comando também reduziram posições em outubro.

Aparentemente, não é exagero dizer que a recompra poder ter servido como porta de venda para alguns acionistas relevantes. Quando anunciada, houve protesto de dois conselheiros que não eram ligados à GWI e que  renunciaram aos postos dias depois. Por escrito, eles se manifestaram contra a recompra, afirmando que não havia uma projeção de fluxo de caixa futuro para embasar a decisão. Até aquela data, 28 de setembro, a empresa já havia consumido cerca de R$ 50 milhões do caixa que tinha divulgado em junho, de cerca de R$ 210 milhões. E eles observavam que a Gafisa possuía uma alavancagem de 82% do patrimônio líquido, ressaltando que a recompra poderia colocar em risco a liquidez da empresa.

Depois que a Gafisa anunciou que pretendia deixar de pagar os fornecedores, a agência de avaliação de risco Standard & Poors rebaixou a nota da empresa, dia 24 de outubro. A S&P, em seu comunicado, se dizia preocupada com as mudanças “abruptas” no conselho e diretoria da companhia e avaliava que a manutenção de política agressiva com fornecedores poderia afetar sua reputação no mercado. Dizia ainda que a composição atual de conselho e diretoria, concentrada na GWI, “sugere que o processo de tomada de decisão deverá favorecer os interesses da GWI acima dos interesses de outros stakeholders”. No comunicado, a S&P não tocou no assunto recompra.

Recompra segurou preço da ação

O formulário divulgado na segunda-feira (5) tem 15 páginas em que são detalhadas as operações com as ações em tesouraria. Houve muitos negócios a termo - os preferidos de Mu Hak - e também vendas de ações. As compras no primeiro dia foram com a ação a R$ 11,42. E, no dia 31, com o papel a R$ 12.

A impressão do mercado é que só a recompra é a responsável pela manutenção de Gafisa nesses patamares. E,  daqui para a frente, sem a recompra, ela pode engatar forte rota de queda. Oscilações negativas na ação podem prejudicar Mu Hak que costuma operar via GWI com posições alavancadas. Para você, investidor, a dica é: fique longe desta ação. Fundamentos da empresa não importam mais quando a governança está em xeque.

O documento só trouxe as informações das ações em tesouraria - ficaram de fora eventuais movimentações de conselheiros e diretores, com pede a Instrução 358 da CVM. Esses cargos são, hoje, ocupados por Mu Hak, seu filho Tiago, sua advogada Ana Recart, e outros funcionários da GWI.

A reportagem  questionou a Gafisa sobre todos os pontos abordados. A Gafisa, no entanto, informou que não poderia dar entrevista por estar em período de silêncio pré- resultados. O informe do terceiro trimestre deve sair na próxima quinta-feira, após o fechamento do mercado. Na sexta-feira, 9, está agendada uma teleconferência com investidores. Se houver algum interessado em ouvir, a nova administração da Gafisa vai ter muito o que explicar.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Conteúdo patrocinado por Startse

Milionária sem sair da cama

O caso da inglesa que ficou milionária trabalhando de pijama no quarto – e o número de brasileiros que querem enriquecer da mesma forma.

Fundos negociados em bolsa

Como declarar fundos imobiliários e ETF no imposto de renda

Fundos imobiliários e fundos de índice têm cotas negociadas em bolsa, e a forma de declarar esses investimentos é muito parecida com a maneira de declarar ações

Chegamos lá

Com Ibovespa a 100 mil pontos, ainda vale a pena entrar na bolsa?

Finalmente chegamos lá, os históricos 100 mil pontos! É claro que é só uma marca “psicológica”, mas a pergunta que fica realmente é: a bolsa já subiu demais, dadas as circunstâncias? Ainda vale a pena entrar ou aumentar posição? Ouvi alguns nomes de mercado para responder à questão

Venham para o Brasil!

Em discurso na Câmara de Comércio dos EUA, Guedes faz chamado aos investidores americanos

Ministro da Economia disse que o Brasil vive um novo momento econômico e citou as mudanças fiscais que o governo tem promovido como exemplo

Viagem aos Estados Unidos

Citando o recorde na bolsa, Bolsonaro fala em “amor à primeira vista” por Guedes

Presidente parabenizou o ministro pelo seu trabalho e colocou nas mãos dele a responsabilidade pelos 100 mil pontos do Ibovespa

Seu Dinheiro na sua noite

100 mil razões para celebrar

Ibovespa rompe marca dos 100 mil pontos pela primeira vez na história; na economia, governo já lança novo pacote de concessões de aeroportos

Pente-fino

Governo encaminha projeto contra grandes devedores da Previdência este mês

Membros do governo Bolsonaro acreditam que será possível recuperar em torno dos R$ 150 bilhões com o novo sistema

Mercado aquecido

Volume de operações de fusões e aquisições cresce 28% em 2018, diz Anbima

De acordo com dados da associação, a alta foi puxada pela transação entre a Suzano Papel e Celulose e Fibria

Aproximação comercial

Guedes diz que exportações e importações com dos Estados Unidos devem aumentar

Ministro destacou, no entanto, que as relações comerciais com a China, principal parceiro do Brasil, não sofrerão cortes

Presidente em exercício

Em encontro com Doria, Mourão fala em convergência de ideias

Presidente em exercício afirmou que o governo federal buscará estreitar relacionamento com os Estados para atrair investimentos

Seu mentor de investimentos

Encontro em Washington

Em minha opinião, será muito mais um encontro de Bolsonaro com um dos seus ídolos do que uma reunião de trabalho

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu