Menu
2019-05-13T10:51:14+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Agenda cheia

Guedes e Campos Neto vão ao Congresso na semana do tsunami de Bolsonaro

Ministro da Economia e presidente do Banco Central participam de audiências públicas enquanto plenário decide se o Coaf fica ou não com Sergio Moro, agora indicado ao STF

13 de maio de 2019
10:51
Paulo Guedes
Paulo Guedes - Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

Além do acirramento da guerra comercial entre Estados Unidos e China os investidores locais contam com uma carregada agenda de eventos domésticos com potencial de repercussão nos preços da bolsa de valores, dólar e juros.

A semana reserva audiências dos ministros da Economia, Paulo Guedes, amanhã, e do presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, na quinta-feira, na Comissão Mista de Orçamento. Além disso, seguem as audiências públicas na Comissão Especial que analisa a reforma da Previdência.

Na agenda do plenário na Câmara está prevista a votação da medida provisória que faz a reestruturação administrativa do governo, evento que pode ser um “tsunami”, como o próprio presidente Jair Bolsonaro, disse na semana passada.

O maior ponto de atrito continua sendo a mudança do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Justiça, comandado por Sergio Moro, de volta para o Ministério da Economia.

O movimento dos parlamentares, que tirou o Coaf de Moro em votação em comissão na semana passada, abriu um ponto de disputa não só do governo com o Congresso, mas também da população e das redes sociais contra os congressistas.

Atiçando mais a discussão, em entrevista, ontem, Bolsonaro disse que a primeira vaga que for aberta no Supremo Tribunal Federal (STF), em 2020, deve ser oferecida a Moro. Com isso, foi antecipada uma movimentação política que só aconteceria na segunda metade do ano que vem, tendo em vista que os indicados ao STF precisam ser sabatinados e ter seus nomes aprovados pelos senadores.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Orçamento e regra de ouro

A audiência pública com Guedes, prevista para 14 horas de amanhã, tem como tema central a Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2020, mas todos os temas da agenda econômica, como reforma da Previdência, regra de ouro (que proíbe a emissão de dívida para pagamento de despesas correntes), e reforma tributária certamente serão abordados.

O ministro também deve se perguntado sobre o reajuste do salário mínimo, que está previsto para subir a R$ 1.040 em 2020, considerando apenas o reajuste da inflação. O governo vem dizendo que essa é apenas uma projeção e que tem até o fim do ano para definir uma regra de reajuste para o salário mínimo.

Mais um assunto que estará em pauta foi trazido por Bolsonaro, que falou, também ontem, sobre a possibilidade de reajuste da tabela de imposto de renda. O presidente disse que já pediu para Guedes pensar no assunto, além de ver a possibilidade de ampliar as deduções de gastos no IR.

Pela manhã, a mesma CMO faz outra audiência, que tem o ministro entre os convidados, mas não confirmado, para tratar apenas da regra de ouro. O governo encaminhou um pedido de crédito suplementar para poder captar em mercado até R$ 248,9 bilhões para fazer frente ao pagamento de benefícios previdenciários e outros gastos sociais.

Essa autorização é necessária, pois a regra de ouro veda a emissão de dívida para o pagamento de despesas de custeio. Apesar do volume pedido ser de quase R$ 250 bilhões, a chamada insuficiência financeira está na casa dos R$ 110 bilhões, segundo os últimos dados do Tesouro.

Ajudam a compor essa conta recursos devolvidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e resultados do Banco Central. De forma simplificada, esse dinheiro entra no caixa único do Tesouro e abre espaço para o pagamento de despesas.

Campos Neto

Já na quinta-feira, está prevista a ida de Campos Neto à CMO, às 10 horas, em audiência conjunta com outras comissões da Casa para prestar contas sobre a condução da política monetária.

Antes disso, o mercado aguarda a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que sai amanhã cedo, em busca de maiores explicações sobre a decisão da semana passada de manter a Selic em 6,5% ao ano.

No comunicado apresentado na semana passada, o Copom reconhece uma piora na dinâmica da atividade econômica, mas reforça sua avaliação de que o grau de incerteza que ronda a economia brasileira ainda é muito elevado, o que justifica sua postura de cautela, serenidade e perseverança na condução da política monetária.

Cautela, serenidade e perseverança parecem ser uma boa recomendação para os investidores ao longo dessa atribulada semana.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

mandou o recado

Restante da agenda ficará para 2020, diz novo líder do governo no Congresso

Foco da articulação em 2019, destacou, será terminar a votação da reforma da Previdência no Senado e concluir a avaliação do Orçamento de 2020

Racha no PSL

Esperava mais respeito e gratidão, diz Joice Hasselmann

Joice Hasselmann (PSL-SP) afirmou que o presidente Jair Bolsonaro usou a Presidência da República para interferir no Legislativo. “O próprio presidente estava ligando e pressionando deputados para assinar uma lista”, disse.

mudança de planos

Governo adia reforma tributária e prioriza redução de R$ 30 bi em gastos

Com dificuldade para articular uma ampla agenda de reformas até o fim do ano, equipe econômica decidiu enxugar o pacote de medidas estruturais

Em crise

Crise EUA e China ameaça o mundo, diz chefe do FMI

A perspectiva global é precária, afirma Georgieva na apresentação de sua agenda política imediata. O conjunto de riscos, acrescenta, está ligado em primeiro lugar a uma possível ampliação das tensões no comércio e a crescentes vulnerabilidades financeiras.

situação complicada

16 Estados tiveram piora nas contas ou ficaram estagnados em 2018

Lista foi elaborada segundo o critério “solidez fiscal” – definido como a capacidade de o governo administrar as contas públicas

de olho no desempenho

Produção de petróleo da Petrobras cresce 16,9% no terceiro trimestre

Segundo especialista, resultado abre caminho para que outras empresas se interessem pelo investimento no Brasil. 

em meio a disputa tarifária

Resultado trimestral de PIB da China tem avanço mais lento em 27 anos

Indicador avançou 6% no terceiro trimestre de 2019; resultado foi ligeiramente abaixo de expectativas de analistas ouvidos pelo Wall Street Journal, que previam alta de 6,1%.

hora da partilha

Bolsonaro sanciona lei que divide recursos do megaleilão do petróleo

Leilão do excedente de petróleo da chamada cessão onerosa está marcado para 6 de novembro e tem previsão de arrecadar R$ 106,6 bilhões

sem EUA por ora

Crise no PSL deixa indicação de Eduardo Bolsonaro para a embaixada em suspenso

Auxiliares de Bolsonaro afirmam que, apesar da peregrinação, Eduardo não conseguiu convencer um número suficiente de senadores a apoiarem seu nome

clima tenso

Flávio e Eduardo Bolsonaro são destituídos de diretórios do PSL

Destituições são mais um capítulo da crise interna do partido que opõe parlamentares que apoiam Bivar aos aliados do presidente da República

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements