Menu
2019-04-16T14:50:21+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Sem chantagem

Governo libera R$ 500 milhões do BNDES para caminhoneiros. Diesel ainda será discutido

Recursos serão destinados à compra de pneus e manutenção dos veículos e Ministério da Infraestrutura terá  RS 2 bilhões para melhoria nas estradas

16 de abril de 2019
12:37 - atualizado às 14:50
Bolsonaro e Onyx Lorenzoni
O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. - Imagem: Alan Santos/PR

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, anunciou que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai disponibilizar R$ 500 milhões em linhas de crédito para os caminhoneiros autônomos. Já o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, anunciou a obtenção de R$ 2 bilhões para conclusão de obras e manutenção de rodovias.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Sobre o preço do diesel, Onyx disse que o tema será objeto de reunião na tarde desta terça-feira, entre o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, para discutir o tema.

“O governo sempre disse que Petrobras tem autonomia e liberdade para exercitar o que é necessário do ponto de vista dos combustíveis”, pontuou Onyx.

Entre as ideias em discussão está a possibilidade indexar o preço do diesel ao frete e o já anunciado cartão caminhoneiro, que garante o preço do combustível no momento de contratação do frete. Os ministros não falaram sobre eventuais mudanças na política de preços da Petrobras.

Ainda de acordo com Onyx, o governo atual não pode responder por governo anteriores que foram reativos. “Estamos sendo proativos. O presidente sempre disse que os caminhoneiros seriam tratados com respeito e valorização, o que estamos apresentando é exatamente isso”.

Freitas negou que o governo seja refém da categoria e disse que os pedidos são justos.

“Não se trata de ficar refém. Eles estão pedindo pouco, manutenção de rodovias, postos de parada. O que custa atender a esses pleitos? O que custa é vontade e temos essa vontade. São pleitos justos e construídos na base do diálogo, sem chantagem”, afirmou.

Perguntado se as medidas tiram do horizonte uma nova greve, Onyx não foi categórico em negar essa possibilidade. O ministro da Casa Civil disse que o governo está atendendo de 80% a 90% do que são os gargalos da atividade.

“O governo demonstra respeito, valorização e boa vontade, vontade de ajudar quem ajuda o Brasil. Mas respeitamos toda e qualquer decisão que as pessoas tomem, mas esperamos que valorizem o gesto que o governo está fazendo para categoria”, afirmou.

As concessões à categoria acontecem após o governo atender à demanda para que o preço do diesel não fosse reajustado no fim da semana passada. A preocupação do Planalto é com nova greve. A intervenção na política de preços teve impacto no mercado, tirando mais de R$ 30 bilhões de valor de mercado da Petrobras.

Linha de crédito e obras

A linha do BNDES, segundo Onyx, ainda está sendo desenhada, mas serão disponibilizados até R$ 30 mil por caminhoneiro para troca de pneus e manutenção de veículos. Os recursos serão disponibilizados pelo sistema bancário, começando por Banco do Brasil e Caixa e depois pelos outros bancos.

Freitas destacou o “carinho” e “consideração” dos caminhoneiros com o presidente Bolsonaro antes de divulgar um rearranjo orçamentário que liberou R$ 2 bilhões para investimentos na conclusão de obras e manutenção.

O ministro também falou que os contratos de concessão passarão a prever a construção de postos de parada. Foi retomado, também, o fórum do transporte rodoviário de carga, para ouvir e priorizar as demandas da categoria.

Freitas também anunciou que há um trabalho em desenvolvimento em conjunto com a USP para criar referências de preços mínimos para o frete. A ideia é ter uma referência técnica que seja aceita pelos caminhoneiros e contratantes.

A ideia do governo é aumentar a renda do caminhoneiro autônomo, pois segundo Freitas, todo mundo no setor tem razão. O embarcador acha o frete caro e ele é caro pelo custo Brasil e o caminhoneiro diz que ganha pouco.

O desafio, também de acordo com Freitas, é dar trabalho ao caminhoneiro autônomo, pois a greve anterior criou um ambiente de insegurança jurídica. As empresas partiram para a verticalização (comprando frotas próprias) e há excesso de oferta.

Freitas também falou que serão tomadas medidas para estimular o cooperativismo e que a já anunciada ampliação do prazo de validade da carteira de habilitação, de cinco para dez anos, também atende à categoria.

“O trabalho que estamos fazendo tem método, não tem chute ou orelhada”, disse Freitas.

Não somos reféns

Depois do anúncio das medidas, o governo negou que tenha se tornado "refém" dos caminhoneiros. "Não é se entregar à chantagem de caminhoneiro, é ter consciência da importância", afirmou o chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno.

Em sua fala, Heleno reclamou que o governo está sendo cobrado como se estivesse "no terceiro mandato" e afirmou que o modal rodoviário não é o ideal para o País, mas foi o escolhido há muitos anos. "Está errado o modal rodoviário, mas fizeram essa besteira há muito tempo. Até conseguirmos instalar modal ferroviário e fluvial leva tempo", afirmou.

Pacote "está do agrado"

Na avaliação do líder dos caminhoneiros, Wallace Costa Landim, conhecido como Chorão, o anúncio de uma linha de crédito específica para os profissionais autônomos de até R$ 30 mil agrada a categoria e pode evitar uma nova greve no setor, prestes a estourar a qualquer momento, sob as lideranças que surgem nas redes sociais.

Para bater o martelo sobre a questão, no entanto, a categoria espera ainda pela manifestação de Bolsonaro. "Inicialmente, claro que o pacote agrada (a categoria). Mas preferimos aguardar o que o presidente vai falar para comunicar oficialmente o posicionamento dos caminhoneiros", diz o líder.

Segundo Chorão, o presidente deve se pronunciar sobre o pacote de medidas anunciado por Onyx Lorenzoni ainda nesta terça-feira, 16.

Dívidas de R$ 32 mil

Pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT), divulgada neste ano, aponta que 34,1% dos caminhoneiros têm pelo menos uma dívida vencida ou a vencer, no valor médio de R$ 32 mil. Para a categoria, o gasto com combustível lidera como maior custo dos caminhoneiros (92,7%), seguido dos custos com pneu (35,3%) e manutenção (32,9%)

Em média, um caminhoneiro autônomo tem vencimentos mensais de R$ 5.011,39, contra R$ 3.720,56 dos empregados de frota.

Levantamento recente da Repom, marca da Edenred Brasil que atua com foco em soluções de gestão e meios de pagamento de despesas de transporte rodoviário de cargas, indica que 30% dos motoristas já tiveram que recorrer ao empréstimo para a manutenção do veículo no Brasil.

Mercado financeiro animado

No mercado financeiro, os investidores reagiram ao pacote do governo para o setor de transporte de cargas. A Bolsa abriu a tarde em alta firme, com avanço de 1,54% às 13h15, também na expectativa de uma solução para o impasse na questão do reajuste dos preços do óleo diesel.

O tom positivo da Bolsa reflete a leitura de que as medidas, incluindo linha de crédito de até R$ 30 mil para caminhoneiros autônomos e um cartão caminhoneiro para dar estabilidade ao valor do combustível, afastam a possibilidade de uma nova paralisação da categoria, que representa ameaça ao já fraco crescimento doméstico.

Quanto ao diesel, após o pacote, há aposta num entendimento que mantenha alguma autonomia da Petrobras na prática de sua política de preços, sem prejudicá-la, o que ajuda a sustentar as ações da estatal.

O dólar está em alta de 0,73%. Isso porque o efeito da questão do diesel é negativo no câmbio, até pelo lado da percepção de que não há espaço fiscal para subsidiar preços, o que se soma aos principais fatores de alta do dólar no dia: exterior e algum desconforto com o adiamento da votação da admissibilidade da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara para a semana que vem.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

SEGUE O JOGO

Saída de Levy não deve ter impacto sobre a reforma da Previdência, diz especialista

No entanto, mesmo com eventual aprovação da reforma previdenciária, dificilmente haverá retomada considerável da confiança, diz Rafael Cortez

ANÁLISE

“Chicago Boy”, Levy transitou no petismo e no Bolsonarismo – e foi alvo dos dois”

Assim como o ministro da Fazenda, Paulo Guedes, Joaquim Levy é um nome conhecido do mercado; estopim da demissão foi a nomeação de advogado

DE OLHO NAS AÇÕES

Petrobras faz maior descoberta desde o pré-sal, em Sergipe e Alagoas

Divulgada no mês passado, a descoberta deve gerar R$ 7 bilhões de receita anual à estatal e sócias, calcula a consultoria Gas Energy

MUITO RICOS X MAIS RICOS AINDA

Esta é a grande diferença entre milionários e bilionários, segundo autor

Milionários e bilionários podem ser grupos muito mais distintos do que a maioria acredita. Segundo especialista, esse contraste fica claro com a resposta para uma pergunta

MÚSICA PARA OS OUVIDOS

Energia deve ter nova rodada de privatização

A privatização de estatais é uma das alternativas propostas pelo Plano Mansueto para Estados que precisarem de socorro da União

Seu dinheiro no domingo

O mercado sempre oscila entre o cenário perfeito e o desesperador. Saber onde estamos é o segredo para ganhar dinheiro

Se a percepção prevalente no mercado é de que as coisas só podem melhorar, o investidor deve encarar isso com cautela

DIÁLOGO CORDIAL

Presidente do BNDES conversou com ministro da Economia sobre demissão

Levy entregou seu pedido de demissão do cargo ao ministro após ser alvo de críticas do presidente Jair Bolsonaro neste sábado (15)

TCHAU

Presidente do BNDES confirma pedido de demissão após declarações de Bolsonaro

Levy foi alvo de críticas do presidente Jair Bolsonaro no sábado (15), em função da nomeação do advogado Marcos Barbosa Pinto para o cargo de diretor

REDUÇÃO DE DANOS

Nada impede que a capitalização seja aprovada no 2º semestre, diz Maia no Twitter

O presidente da Câmara defendeu que a questão pode até ficar de fora do primeiro texto da reforma, mas destacou propostas já em andamento na área

CABEÇA A PRÊMIO

Gustavo Franco e Salim Mattar são cotados para substituir Levy

A avaliação é a de que a permanência do atual presidente do BNDES tornou-se insustentável depois da bronca em público do presidente

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements