Menu
2019-04-16T14:50:21+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Sem chantagem

Governo libera R$ 500 milhões do BNDES para caminhoneiros. Diesel ainda será discutido

Recursos serão destinados à compra de pneus e manutenção dos veículos e Ministério da Infraestrutura terá  RS 2 bilhões para melhoria nas estradas

16 de abril de 2019
12:37 - atualizado às 14:50
Bolsonaro e Onyx Lorenzoni
O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. - Imagem: Alan Santos/PR

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, anunciou que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai disponibilizar R$ 500 milhões em linhas de crédito para os caminhoneiros autônomos. Já o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, anunciou a obtenção de R$ 2 bilhões para conclusão de obras e manutenção de rodovias.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Sobre o preço do diesel, Onyx disse que o tema será objeto de reunião na tarde desta terça-feira, entre o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, para discutir o tema.

“O governo sempre disse que Petrobras tem autonomia e liberdade para exercitar o que é necessário do ponto de vista dos combustíveis”, pontuou Onyx.

Entre as ideias em discussão está a possibilidade indexar o preço do diesel ao frete e o já anunciado cartão caminhoneiro, que garante o preço do combustível no momento de contratação do frete. Os ministros não falaram sobre eventuais mudanças na política de preços da Petrobras.

Ainda de acordo com Onyx, o governo atual não pode responder por governo anteriores que foram reativos. “Estamos sendo proativos. O presidente sempre disse que os caminhoneiros seriam tratados com respeito e valorização, o que estamos apresentando é exatamente isso”.

Freitas negou que o governo seja refém da categoria e disse que os pedidos são justos.

“Não se trata de ficar refém. Eles estão pedindo pouco, manutenção de rodovias, postos de parada. O que custa atender a esses pleitos? O que custa é vontade e temos essa vontade. São pleitos justos e construídos na base do diálogo, sem chantagem”, afirmou.

Perguntado se as medidas tiram do horizonte uma nova greve, Onyx não foi categórico em negar essa possibilidade. O ministro da Casa Civil disse que o governo está atendendo de 80% a 90% do que são os gargalos da atividade.

“O governo demonstra respeito, valorização e boa vontade, vontade de ajudar quem ajuda o Brasil. Mas respeitamos toda e qualquer decisão que as pessoas tomem, mas esperamos que valorizem o gesto que o governo está fazendo para categoria”, afirmou.

As concessões à categoria acontecem após o governo atender à demanda para que o preço do diesel não fosse reajustado no fim da semana passada. A preocupação do Planalto é com nova greve. A intervenção na política de preços teve impacto no mercado, tirando mais de R$ 30 bilhões de valor de mercado da Petrobras.

Linha de crédito e obras

A linha do BNDES, segundo Onyx, ainda está sendo desenhada, mas serão disponibilizados até R$ 30 mil por caminhoneiro para troca de pneus e manutenção de veículos. Os recursos serão disponibilizados pelo sistema bancário, começando por Banco do Brasil e Caixa e depois pelos outros bancos.

Freitas destacou o “carinho” e “consideração” dos caminhoneiros com o presidente Bolsonaro antes de divulgar um rearranjo orçamentário que liberou R$ 2 bilhões para investimentos na conclusão de obras e manutenção.

O ministro também falou que os contratos de concessão passarão a prever a construção de postos de parada. Foi retomado, também, o fórum do transporte rodoviário de carga, para ouvir e priorizar as demandas da categoria.

Freitas também anunciou que há um trabalho em desenvolvimento em conjunto com a USP para criar referências de preços mínimos para o frete. A ideia é ter uma referência técnica que seja aceita pelos caminhoneiros e contratantes.

A ideia do governo é aumentar a renda do caminhoneiro autônomo, pois segundo Freitas, todo mundo no setor tem razão. O embarcador acha o frete caro e ele é caro pelo custo Brasil e o caminhoneiro diz que ganha pouco.

O desafio, também de acordo com Freitas, é dar trabalho ao caminhoneiro autônomo, pois a greve anterior criou um ambiente de insegurança jurídica. As empresas partiram para a verticalização (comprando frotas próprias) e há excesso de oferta.

Freitas também falou que serão tomadas medidas para estimular o cooperativismo e que a já anunciada ampliação do prazo de validade da carteira de habilitação, de cinco para dez anos, também atende à categoria.

“O trabalho que estamos fazendo tem método, não tem chute ou orelhada”, disse Freitas.

Não somos reféns

Depois do anúncio das medidas, o governo negou que tenha se tornado "refém" dos caminhoneiros. "Não é se entregar à chantagem de caminhoneiro, é ter consciência da importância", afirmou o chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno.

Em sua fala, Heleno reclamou que o governo está sendo cobrado como se estivesse "no terceiro mandato" e afirmou que o modal rodoviário não é o ideal para o País, mas foi o escolhido há muitos anos. "Está errado o modal rodoviário, mas fizeram essa besteira há muito tempo. Até conseguirmos instalar modal ferroviário e fluvial leva tempo", afirmou.

Pacote "está do agrado"

Na avaliação do líder dos caminhoneiros, Wallace Costa Landim, conhecido como Chorão, o anúncio de uma linha de crédito específica para os profissionais autônomos de até R$ 30 mil agrada a categoria e pode evitar uma nova greve no setor, prestes a estourar a qualquer momento, sob as lideranças que surgem nas redes sociais.

Para bater o martelo sobre a questão, no entanto, a categoria espera ainda pela manifestação de Bolsonaro. "Inicialmente, claro que o pacote agrada (a categoria). Mas preferimos aguardar o que o presidente vai falar para comunicar oficialmente o posicionamento dos caminhoneiros", diz o líder.

Segundo Chorão, o presidente deve se pronunciar sobre o pacote de medidas anunciado por Onyx Lorenzoni ainda nesta terça-feira, 16.

Dívidas de R$ 32 mil

Pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT), divulgada neste ano, aponta que 34,1% dos caminhoneiros têm pelo menos uma dívida vencida ou a vencer, no valor médio de R$ 32 mil. Para a categoria, o gasto com combustível lidera como maior custo dos caminhoneiros (92,7%), seguido dos custos com pneu (35,3%) e manutenção (32,9%)

Em média, um caminhoneiro autônomo tem vencimentos mensais de R$ 5.011,39, contra R$ 3.720,56 dos empregados de frota.

Levantamento recente da Repom, marca da Edenred Brasil que atua com foco em soluções de gestão e meios de pagamento de despesas de transporte rodoviário de cargas, indica que 30% dos motoristas já tiveram que recorrer ao empréstimo para a manutenção do veículo no Brasil.

Mercado financeiro animado

No mercado financeiro, os investidores reagiram ao pacote do governo para o setor de transporte de cargas. A Bolsa abriu a tarde em alta firme, com avanço de 1,54% às 13h15, também na expectativa de uma solução para o impasse na questão do reajuste dos preços do óleo diesel.

O tom positivo da Bolsa reflete a leitura de que as medidas, incluindo linha de crédito de até R$ 30 mil para caminhoneiros autônomos e um cartão caminhoneiro para dar estabilidade ao valor do combustível, afastam a possibilidade de uma nova paralisação da categoria, que representa ameaça ao já fraco crescimento doméstico.

Quanto ao diesel, após o pacote, há aposta num entendimento que mantenha alguma autonomia da Petrobras na prática de sua política de preços, sem prejudicá-la, o que ajuda a sustentar as ações da estatal.

O dólar está em alta de 0,73%. Isso porque o efeito da questão do diesel é negativo no câmbio, até pelo lado da percepção de que não há espaço fiscal para subsidiar preços, o que se soma aos principais fatores de alta do dólar no dia: exterior e algum desconforto com o adiamento da votação da admissibilidade da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara para a semana que vem.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Objetivo muito distante

Maia diz ser ‘temerário’ falar em privatização da Petrobras até 2022

Presidente da Câmara ressaltou que, por ser a Petrobras uma empresa de capital aberto, o assunto da venda fica mais delicado

Mas e o prazo?

Jereissati diz que relatório da reforma da Previdência não será mais entregue nesta sexta-feira

Pelo cronograma inicial, o relatório seria lido na comissão na próxima quarta-feira, 28

Seu Dinheiro na sua noite

Quem manda é o lucro

Vermelho ou verde? Para facilitar a vida de míope mal curado, deixo sempre as duas cores bem berrantes na tela de cotações que fica a meu lado para saber rapidamente quando a bolsa e as principais ações do Ibovespa estão em alta ou em queda. Hoje foi o típico dia em que um único ponto […]

Ninguém segura!

Azul fecha acordo com aérea regional Asta e amplia operações em Mato Grosso

Focada em viagens ligadas ao agronegócio, a ASTA existe desde 1995 e, atualmente, opera onze voos diários no Mato Grosso

Falta gás

Apesar de espera positiva por FGTS, mercado de trabalho ainda trava ímpeto de compra

Analistas da FGV afirmam que o saldo positivo do Índice de Confiança do Consumidor em agosto deve ser encarado com certa cautela

Ninguém mexe!

Governo não cogita alterar meta fiscal, diz Ministério da Economia

Meta limita o déficit primário do governo para este ano a R$ 139 bilhões

Se deu bem

Conselho da Anatel aprova termo que troca multas contra a TIM por iniciativas de melhora de atendimento

Acordo prevê a troca de R$ 627 milhões em sanções por uma série de iniciativas que a companhia deverá assumir e colocar em prática

Em debate no Congresso

Campos Neto diz estar seguro que PL da autonomia do BC blindará a instituição e a UIF, ex-Coaf

Declarações foram feitas nesta manhã durante a posse do novo presidente da UIF, Ricardo Liáo

Tá difícil de acreditar

Confiança de micro e pequeno empresário cai 7,6% nos primeiros sete meses do ano

Para 53% dos pessimistas com a economia, são as incertezas políticas que justificam sentimento negativo

No meio do caminho tinha uma pedra

Relator da Previdência no Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada atrapalha tramitação da reforma

Indicação ainda não foi oficializada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, pai do deputado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements