Menu
2019-11-19T12:49:08-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Otimismo com a empresa

Goldman Sachs inicia cobertura de Magazine Luiza com recomendação de compra; ações podem subir até 24%

Entre os motivos está o fato de que a companhia fez uma transição bem-sucedida do offline para o omnichannel e obteve crescimento surpreendente nos últimos anos

19 de novembro de 2019
11:54 - atualizado às 12:49
Magazine Luiza
Imagem: Divulgação

Com uma estratégia cada vez mais voltada para estreitar a relação entre o online e as lojas físicas, aprimorando a experiência do cliente e o rápido ganho de escala do comércio eletrônico, o Magazine Luiza chama a atenção do mercado não é de hoje.

E as recentes mudanças na companhia aliadas a um crescimento significativo da empresa, mesmo em um cenário de adversidades econômicas dos últimos anos, saltaram aos olhos dos analistas do Goldman Sachs.

Em relatório divulgado hoje (19) a clientes, o banco informa que começou a cobertura dos papéis do Magazine Luiza (MGLU3) com recomendação de compra. E se mostrou bastante otimista com a empresa ao estabelecer o preço-alvo das ações em 12 meses em R$ 55, o que representaria uma valorização de 24% em relação ao fechamento de ontem (18).

Por volta das 11h45, as ações do Magazine Luiza apresentavam queda de 0,96%, cotadas em R$ 44,56. No ano, os papéis ordinários da companhia apresentam valorização de 98,15%.

Rápido ganho de escala no comércio eletrônico

Em sua justificativa, Irma Sgarz, Thiago Bortoluci, Chandru Ravikumar destacaram que o Magazine Luiza está deixando de ser uma varejista brasileira de bens duráveis para ser uma companhia focada no omnichannel, ou seja, que busca integrar a loja física, virtual e os comprados, com uma presença considerável no comércio eletrônico em várias subcategorias.

Com a mudança, Irma Sgarz, Thiago Bortoluci, Chandru Ravikumar disseram que o Magazine Luiza pode alcançar a terceira posição no mercado de comércio eletrônico brasileiro em 2019. Tal desempenho estaria relacionado ao crescimento consistente de vendas no e-commerce (1P), juntamente com o rápido ganho de escala de seu marketplace que chegou a 22% em volume bruto de mercadorias nos últimos 12 meses.

Além de subir de posição, os analistas destacaram que o comércio eletrônico deve ganhar ainda mais espaço e pode representar cerca de 52% do volume total de vendas do Magazine em 2020. Apenas para fins de comparação, até 2015 esse percentual era de 20%.

A escalada da sua plataforma de comércio eletrônico aliada ao crescimento da sua presença física devem fazer também com que a taxa de crescimento anual composta da companhia termine este ano em 46% e seja de 25% e de 37%, em 2020 e em 2021, respectivamente.

Crescimento surpreendente

No documento, os analistas também ressaltaram o fato de que a empresa foi capaz de apresentar um "crescimento impressionante" ao longo dos últimos anos, tanto online quanto offline mesmo com um cenário macroeconômico complicado.

E se mostraram otimistas com o ganho de competitividade que a empresa pode obter em relação a concorrentes.

"Nos estimamos que a companhia está no caminho de fechar totalmente o buraco existente entre ela e a Via Varejo (VVAR3), que é líder no varejo de bens duráveis no Brasil, ao triplicar a sua participação de 6,5% em 2013 para 19,1%, em 2020", destacaram Irma Sgarz, Thiago Bortoluci, Chandru Ravikumar.

Para os cálculos, os analistas consideraram que Via Varejo permaneceria estável em 19% durante o mesmo período.

Mesmo com os investimentos cada vez maiores no online, os especialistas pontuaram também que veem espaço para a expansão do número de lojas físicas, que hoje são de 1.038. Na visão deles, esse número pode chegar a 1.388 em 2022.

Oferta subsequente

E para continuar crescendo, o Magazine Luiza fez recentemente uma oferta subsequente de ações (follow-on) no começo deste mês e captou R$ 4,3 bilhões.

Na ocasião, a companhia realizou uma oferta de distribuição primária em que o volume levantado vai para o caixa da empresa e uma oferta de distribuição secundária. No caso da última, o montante arrecadado vai para os acionistas vendedores de suas participações.

Com os recursos captados, o Magazine Luiza informou que vai investir na expansão de seu marketplace e em tecnologias, além de investimentos em inovação, pesquisa, desenvolvimento e automação dos centros de distribuição.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

momento de tensão

Ações da Oi e da Vivo caem após nova fase da Lava Jato

Por volta das 12h desta terça-feira, os papeis ON da Oi (OIBR3) recuavam 2,15%, enquanto os papéis PN da Vivo (VIVT4) caíam 1,09%

polícia nas ruas

Lava Jato investiga relação de repasses da Oi para Gamecorp/Gol

Procuradoria identificou movimentação de R$ 40 milhões entre a Movile Internet Móvel, empresa do grupo Telefonica/Vivo, e a Editora Gol entre 15 de janeiro de 2014 e 18 de janeiro de 2016

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

As taxas do Tesouro Direto abriram com sinais mistos nesta terça-feira (10). O Tesouro IPCA+ 2024 (NTN-B Principal) é negociado com taxa de 2,24% ao ano mais IPCA, por um valor mínimo de R$ 58,86. O Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050 (NTN-B) é negociado com taxa de 3,47% ao ano mais IPCA e aplicação […]

Um acordo no fim do túnel?

EUA e China planejam adiar tarifas programadas para o dia 15, dizem fontes

Nos últmos dias, autoridades em Washington e Pequim têm sinalizado que domingo não é a data final para fechar a chamada “fase 1” de um acordo comercial

Mercados hoje

Ibovespa abre em queda, mas se afasta das mínimas com alívio na guerra comercial; dólar sobe a R$ 4,14

O possível fechamento de um acordo para que os EUA posterguem a aplicação de novas sobretaxas sobre produtos chineses dá ânimo às bolsas globais e faz o Ibovespa oscilar perto da estabilidade, após uma abertura em baixa

polícia nas ruas

Lava Jato mira corrupção e lavagem em contratos de telefonia e internet

Ação é um desdobramento da 24ª etapa da Lava Jato, que, em março de 2016, levou de forma coercitiva o ex-presidente Lula para depor

Exile on Wall Street

Uma tentativa de Teoria das Cordas, aplicada às finanças

Eu trabalho muito. Tenho uma dedicação apaixonada e até mesmo obsessiva com a Empiricus. Nem sei se isso é bom. Mas é o que é

Em busca da alta renda

BB lança crédito imobiliário com correção pelo IPCA

Taxas de juros começam em 3,45% ao ano mais IPCA e variam conforme o prazo da operação e o nível de relacionamento do cliente com o BB

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

No radar: IPO da XP e Mourão na posse do presidente argentino

Sai hoje o preço das ações da XP Investimentos que serão ofertadas na bolsa americana Nasdaq. Hoje também será definido quem conseguirá entrar na oferta. Será que os fundos brasileiros vão ganhar um pedacinho deste bolo?   No lado político, o destaque é uma espécie de trégua do governo de Jair Bolsonaro com o presidente eleito […]

Mais uma oferta no exterior

Madero deve desembarcar nos EUA em junho com o seu IPO, diz jornal

Segundo informações do Valor Econômico, a rede de hamburgueria já contratou o Bank of American e J.P. Morgan para coordenarem a oferta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements