Menu
2019-08-12T17:01:12+00:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Privatizações no radar

“Estamos caminhando na privatização das subsidiárias da Cemig”, destaca Zema

O governador de Minas Gerais reiterou que a privatização da Cemig é fundamental, ainda que exista uma dificuldade maior porque precisa do crivo da Assembleia legislativa

12 de agosto de 2019
14:32 - atualizado às 17:01
Romeu Zema
Governador de MG, Romeu Zema - Imagem: Raul Junior/BTG

Com bastante bom humor e fazendo brincadeiras com o fato de que pode sair muito mais barato investir em Minas Gerais do que em São Paulo, o governador de Minas, Romeu Zema, conversou hoje (12) com investidores em evento promovido pelo Santander.

Em sua fala, o governador voltou a destacar que "está caminhando na privatização das subsidiárias da Cemig como Taesa, Santo Antônio, Belo Monte e Renova. Todas são empresas problemáticas, mas que terão a situação resolvida no governo".

Ainda que não tenha dado detalhes sobre datas para que o processo se encerre, a ideia de vender as participações que a Cemig possui nas companhias é porque a privatização da própria estatal precisa do crivo da Assembleia Legislativa mineira, o que pode demorar. Ainda assim, Zema destacou que é fundamental privatizá-la.

"É uma questão matemática: ou privatiza ou ela continuará sem ter dinheiro para investir. A Cemig, por exemplo, precisará investir R$ 21 bilhões de reais, mas só terá como investir R$ 6 bilhões. Logo, quem vai colocar os R$ 15 bilhões", questionou o governador.

Segundo ele, a nomeação de pessoas mais técnicas e do mercado na gestão da Cemig fez com que ela dobrasse seu valor de mercado desde o começo do ano.
E não foi só ela quem melhorou. O governador destacou que a Copasa também aumentou o seu valor de mercado, que passou de R$ 5 bilhões para R$ 8 bilhões.

Zema ainda disse que vai continuar a linha de austeridade em seu governo e que pretende continuar a simplificar as legilações sanitárias e ambientais. Ele ainda comentou que cada vez mais "Minas será um Estado amigo para se empreender".

Concessões

O governador ainda reiterou que vai trabalhar com a concessão de sete trechos da malha rodoviária mineira e que, ao todo, a concessão deve abranger 2.500 quilômetros.
O lote de menor tamanho será de 50 km e de maior deve corresponder a um trecho de 500 quilômetros. Os trechos devem ir desde o Triângulo mineiro, Sul de Minas e Central do Estado.

De acordo com Zema, a expectativa é que 150 municípios sejam impactados e que a concessão das rodovias gere um investimento de R$ 7 bilhões em um horizonte de 25 anos.

De olho na Previdência

Ao falar sobre o tema da Previdência, o governador do Estado mineiro disse que vai lutar para que Estados e municípios sejam incluídos na reforma. Para ele, a inclusão é "fundamental".

A expectativa do governo é que a inclusão dos Estados e municípios ocorra por meio de uma PEC pararela, segundo o que foi veiculado recentemente.
A PEC que foi encaminhada ao Senado retirou partes consideradas importantes pelo governo como a inclusão de Estados e municípios e o regime de capitalização.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Demissão anunciada

Ministro da Fazenda da Argentina renuncia ao cargo e traz novas turbulências ao mercado internacional

Anúncio foi feito por meio de uma carta enviada a Mauricio Macri em que Nicolás Dujóvne justifica a necessidade de uma renovação na área econômica

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements