Menu
2019-10-15T18:11:11+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
With a little help from my friends

Com um empurrãozinho do exterior, o Ibovespa cravou a 5ª alta consecutiva

O Ibovespa terminou longe das máximas do dia, mas conseguiu se segurar no campo positivo e engatou o quinto pregão em alta, ajudado pelo bom desempenho dos mercados globais

15 de outubro de 2019
10:31 - atualizado às 18:11
Beatles
Imagem: Facebook / The Beatles

Numa das poucas músicas dos Beatles em que assumiu os vocais, Ringo Starr avisou: "I get by with a little help from my friends" — algo como "com uma ajudinha dos meus amigos, eu me viro". Pois o Ibovespa prestou atenção ao recado: com um empurrão dos mercados externos, o índice chegou lá e engatou a quinta alta consecutiva.

É fato que o principal índice da bolsa brasileira teve um desempenho modesto nesta terça-feira (15), fechando o pregão com ganho de 0,18%, aos 104.489,56 pontos — na máxima, chegou a tocar os 105.047,62 pontos (+0,72%). Mas também é fato que o Ibovespa não cravava uma sequência de cinco subidas desde o início de julho.

E hoje, o mercado brasileiro pegou carona nos ganhos expressivos vistos lá fora: nos Estados Unidos, o Dow Jones (+0,89%), o S&P 500 (+1,00%) e o Nasdaq (+1,24%) avançaram em bloco, assim como as principais praças da Europa. Nesse cenário, o Ibovespa apenas seguiu o fluxo, apesar dos pontos de preocupação no front local.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Entre esses focos de cautela doméstica, destaque para o panorama político: possíveis novas desavenças entre o presidente Jair Bolsonaro e o PSL mantiveram os agentes financeiros em alerta, assim como as discussões no Senado referentes à partilha dos recursos da cessão onerosa.

Mas, como cantou Starr — ou Joe Cocker, caso o Ibovespa prefira uma versão mais dramática da música (eu prefiro) —, tudo que o Ibovespa precisava era de uma ajudinha. Nesta terça-feira, ela veio.

E qual foi o saldo dessa onda positiva? No fechamento do dia 8 — último pregão de desempenho negativo —, o índice marcava 99.981,40 pontos. Assim, em cinco sessões, o Ibovespa avançou exatos 4.508,16 pontos, um ganho acumulado de 4,51% no período.

Don't Let Me Down

Todo esse bom humor dos mercados globais teve alguns gatilhos: nos EUA, começou hoje a temporada de balanços do terceiro trimestre, e os primeiros resultados surpreenderam positivamente. Entre outras empresas, o J.P. Morgan, a Johnson & Johnson e a UnitedHealth reportaram números que superaram as estimativas dos analistas.

E, na Europa, notícias quanto à conclusão de uma versão preliminar do acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia — o chamado Brexit — trouxeram otimismo às bolsas do velho continente. De acordo com a imprensa local, o premiê britânico, Boris Johnson, fez diversas concessões à UE para acelerar o processo.

O noticiário referente ao Brexit fez o DAX, da Alemanha, fechar em alta de 1,15%, e o CAC 40, da França, subir 1,05% — o índice pan-continental Stoxx 600 teve ganho de 1,11%. Por outro lado, o FTSE 1000, do Reino Unido, teve leve baixa de 0,03%, na contramão das demais praças europeias.

Além desses dois fatores, há o pano de fundo da guerra comercial entre EUA e China. Por mais que os detalhes da "primeira fase" do acerto firmado entre os governos dos dois países não sejam conhecidos — e que ainda haja faíscas na relação entre as potências —, a recente despressurização trouxe um alívio de curto prazo para os mercados.

Nesse cenário, o Ibovespa acabou acompanhando o cenário global e engatando mais uma alta. O desempenho da bolsa brasileira, contudo, ficou aquém do visto nos EUA ou na Europa, uma vez que o noticiário político doméstico trouxe fatores de preocupação e limitaram o apetite dos agentes financeiros, especialmente após os ganhos recentes.

Os mercados locais monitoraram os eventuais desdobramentos da operação de busca e apreensão conduzida pela Polícia Federal num endereço ligado ao presidente do PSL, Luciano Bivar — há o temor de que esse acontecimento agrave a crise entre o partido e o presidente Jair Bolsonaro.

Outro fator que apareceu no radar nesta terça-feira foi a votação, npelo Senado, do relatório sobre o projeto de lei sobre a partilha dos recursos da cessão onerosa — há a previsão de que a pauta seja discutida pelo plenário da Casa ainda hoje.

O progresso desse tema no Congresso é visto como fundamental para que a tramitação da reforma da Previdência tenha continuidade, uma vez que a falta de acordo para a partilha dos recursos do megaleilão do pré-sal travou a tramitação das novas regras da aposentadoria.

"Destravando a cessão onerosa e a Previdência, o Ibovespa pode até subir mais e quebrar os 105 mil pontos", diz Vitor Beyruti, economista da Guide Investimentos.

Help!

Já o dólar à vista continuou sem maiores alívios: a moeda americana fechou em alta de 0,87%, aos R$ 4,1641 — perto das máximas do dia, a R$ 4,1666 (+0,94%).

No exterior, o mercado de câmbio não apresentou uma direção definida nesta terça-feira: o dólar perdeu terreno em relação às moedas fortes e apresentou comportamento instável ante as de países emergentes — subiu em relação ao peso chileno, o rand sul-africano e o rublo russo, mas caiu na comparação com o peso mexicano.

A curva de juros também passou por uma correção positiva, num movimento de ajuste após as baixas expressivas vistas nos últimos dias. Os DIs para janeiro de 2021 subiram de 4,56% para 4,61%, os com vencimento em janeiro de 2023 avançaram de 5,55% para 5,63%, e os para janeiro de 2025 foram de 6,24% para 6,32%.

Apesar desse movimento de alta dos juros, Beyruti acredita que, no longo prazo, a tendência para os DIs é de queda, dada a fraqueza dos mais recentes dados da economia brasileira — o que abre espaço para que o Banco Central promova cortes mais agressivos na Selic, de modo a estimular a atividade doméstica.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Fusão no horizonte

O megainvestidor Carl Icahn está dando uma mãozinha para a Xerox comprar a HP

Em meio às notícias de que a Xerox estaria interessada em comprar a HP, o megainvestidor Carl Icahn resolveu entrar no jogo para viabilizar a operação

Contrato fechado

Embraer recebe seis novos pedidos por aeronaves; encomendas somam US$ 374 milhões

A companhia aérea nigeriana Air Peace e a arrendadora egípcia CIAF Leasing acertaram novos pedidos de aeronaves à Embraer

Depois da Previdência...

Reforma tributária pode sair em março, diz Maia

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, tem planos para dar encaminhamento à reforma tributária ainda no primeiro trimestre de 2020

Seu Dinheiro no domingo

O fim do mundo como o conhecemos — ao menos, na renda fixa

Com os juros cada vez mais baixos, é hora de buscar alternativas às opções tradicionais de investimento em renda fixa: eis o tema da pensata de hoje, enviada primeiro aos assinantes da newsletter do Seu Dinheiro

Uma gigante chega ao mercado

A Saudi Aramco quer levantar até U$ 25,5 bi com seu IPO e quebrar o recorde da Alibaba

Considerada uma das empresas mais rentáveis do mundo, a petroleira Saudi Aramco divulgou a faixa de preço e a quantia de ações a serem emitidas em seu IPO

O SEGUNDO MAIS RICO DO BRASIL

Jorge Paulo Lemann: conheça a trajetória do bilionário dos resultados

Como o carioca revolucionou o capitalismo brasileiro, comprou grandes ícones americanos como Budweiser, Burger King e Kraft Heinz, e acumulou uma fortuna de US$ 22,4 bilhões

Mercado de trabalho

Emprego informal recorde derruba produtividade da economia brasileira

O crescimento do trabalho informal tem afetado os índices de produtividade da economia do país, de acordo com cálculos da Fundação Getulio Vargas

Shake it off

Taylor Swift, o grupo de investimentos Carlyle e uma briga feia no mundo da música pop

O Carlyle está no centro de uma discussão envolvendo Taylor Swift e sua antiga gravadora, a Big Machine Records, que estão disputando os direitos autorais da obra da cantora pop

Seu Dinheiro no sábado

MAIS LIDAS: O jovem bilionário do Facebook

20 de janeiro de 2010: essa é a data da minha primeira postagem no Facebook. Nada muito inspirador, eu estava só reclamando do clima chuvoso. Nos meses seguintes, todas as minhas interações tratavam de joguinhos on-line — aparentemente, eu era um grande fã de FarmVille. Acessar o túnel do tempo das redes sociais é revelador. […]

Fim das atividades

Braskem encerra extração de sal-gema em Alagoas, alvo de ações de R$ 40 bi

Após supostos prejuízos causados a ruas e casas em Maceió (AL), a petroquímica Braskem decidiu encerrar as atividades de extração de sal-gema cidade

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements