Menu
2019-04-15T10:42:02-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Como o sobe e desce do dólar afeta a sua vida

Nas últimas semanas, a moeda americana passou por uma verdadeira montanha-russa. Saiba por que mesmo quem não viaja para o exterior deveria se importar com a cotação do dólar

5 de abril de 2019
5:30 - atualizado às 10:42

Nas últimas três semanas, a cotação do dólar viu uma grande turbulência frente ao real e atingiu suas maiores cotações de 2019, em patamares não vistos desde o período pré-eleitoral. De R$ 3,76 em 20 de março, a moeda americana pulou para R$ 3,90 apenas dois dias depois, chegando aos R$ 4 durante o pregão do dia 28. Depois disso, voltou a cair, mas permanece pouco abaixo de R$ 3,90.

Os motivos são uma mistura de fatores internos e externos - por aqui, a insegurança e as confusões envolvendo a reforma da Previdência; lá fora, uma tremenda aversão a risco por temores de uma nova recessão global. Mas por que raios essas questões influenciam a cotação da moeda? E por que é que as flutuações da moeda americana afetam mesmo os brasileiros que não costumam ou não pretendem viajar para o exterior? No vídeo a seguir eu explico a questão:

Leia a transcrição do vídeo sobre o sobe e desce do dólar

Se você não costuma comprar produtos importados nem viajar pro exterior, pode se perguntar por que o sobe e desce do dólar é acompanhado tão de perto pelo noticiário e pelos brasileiros em geral. Aliás, você sabe quais fatores podem afetar a cotação da moeda americana? Sobe e desce do dólar - e eu com isso?

As flutuações cambiais são bastante complexas, e são afetadas tanto por fatos concretos quanto pelas expectativas do mercado. No curto prazo, a cotação do dólar tem relação com oferta e demanda. Uma oferta maior de dólares tende a derrubar a cotação da moeda, e uma escassez de dólares produz altas.

Mas no longo prazo, o desempenho do dólar está muito ligado ao desempenho da economia americana, à política monetária e à inflação de longo prazo dos Estados Unidos. Em outras palavras, o valor de qualquer moeda está na verdade ligado à força da economia do seu país.

Eis, na prática, alguns fatores que afetam a cotação do dólar em relação ao real: o comércio exterior do nosso país, o risco da economia mundial, o risco ou a atratividade da economia brasileira perante o cenário internacional, a diferença entre as taxas de juros e de inflação do Brasil e dos Estados Unidos e intervenções governamentais.

Qualquer evento que possa atrair dólares pro mercado brasileiro faz o dólar cair frente ao real. É o caso das exportações, da oferta de dólar pelo Banco Central e da redução da taxa de juros americana em relação à brasileira.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Já os eventos que tornam os dólares mais escassos por aqui tendem a valorizar a moeda americana. É o caso das importações, do aumento do risco-país, que afugenta investidores estrangeiros, e da elevação da taxa de juros dos Estados Unidos.

Está bom, mas o que nós, reles mortais, temos a ver com isso? Bem, mesmo que você seja um nacionalista na hora de consumir e prefira viajar pelo Brasil, você não está livre dos efeitos da flutuação do dólar.

É que muito do que nós produzimos e consumimos depende de importações. E quando o dólar está mais alto, esses insumos importados acabam encarecendo até os produtos e serviços nacionais. Isso mexe com a inflação - a alta do dólar é um dos fatores que pesam nos índices de preços. Por outro lado, um dólar mais fraco dá uma aliviada nas nossas contas.

Mas um dólar forte é ruim para a gente? Não necessariamente. Os exportadores adoram. Quando o real enfraquece, é mais fácil vender para outros países, o que acaba sendo bom para a nossa economia também. E as exportações atraem dólares, o que pode dar um alívio à cotação da moeda e reequilibrar a situação.

Gostou do vídeo? Então assina o canal do Seu Dinheiro no YouTube e clica no sininho para receber as notificações. E pode deixar dúvidas e ideias para outros vídeos aqui no campo de comentários.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

VENDA DE AÇÕES

Cofundador da Uber vende cerca de US$ 166 milhões em ações da gigante em dezembro

O fundador de 43 anos fez a venda de mais de 5,8 milhões de papéis da Uber nos últimos três dias úteis desta semana

MAIS LIDAS

O bilionário sem dinheiro

O que eu vou falar agora pode parecer contraditório. Muita gente rica tem a grana curta. O bilionário Elon Musk é um caso clássico disso. É que 99% da sua fortuna está aplicada em ações da Tesla, a montadora de carros elétricos criada por ele. Dinheiro na conta ele tem pouco (certamente muito mais do […]

ADIADA

Governo adia para 2021 fim de taxa em aeroportos

De acordo com ele, a proposta será incluída apenas na Lei Orçamentária Anual de 2021, portanto, a taxa será mantida no ano que vem

Boas novas

SulAmérica vai pagar R$ 110 milhões em juros sobre capital próprio

O pagamento foi aprovado pelo conselho de administração da companhia e terão direito os acionistas na base da empresa em 18 de dezembro, com as ações sendo negociadas “ex” juros a partir do dia seguinte

acordo

Governo brasileiro avalia positivamente acordo entre EUA e China

Para Marcos Troyjo, as vantagens que o Brasil terá com o fim das incertezas causadas pela guerra comercial entre os dois países superam qualquer ganho pontual de mercado que o País teve com a disputa

ALÔ, ACIONISTA!

B3 vai pagar R$ 389 milhões de juros sobre capital próprio

O pagamento de JCP também é uma forma de distribuir lucros, mas em vez de terem um benefício tributário para os acionistas, como ocorre com os dividendos, os Juros sobre Capital Próprio beneficiam a empresa

Projeções para 2020

Os melhores investimentos do mundo: as apostas da BlackRock para 2020

Entre os ativos preferidos da gestora global para o ano que vem estão as ações e os títulos de renda fixa dos mercados emergentes

MUDANÇAS À VISTA?

Concessionária de Viracopos ‘sinaliza’ com processo de devolução, diz ministro

No fim de novembro, a Aeroportos Brasil, administradora de Viracopos, protocolou na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) as considerações finais do processo de caducidade (extinção) do terminal de Campinas

Leilões

Governo projeta até 44 leilões para 2020, incluindo a rodovia presidente Dutra

Em 2019, segundo o ministro, o governo realizou 27 licitações. Foram 13 terminais portuários, um trecho da Ferrovia Norte-Sul, as rodovias BR-364 e 365 e 12 aeroportos

O Ibovespa e o eu do futuro

A Helena, minha filha de nove anos, e os amigos da escola decidiram escrever uma carta para o “eu do futuro” como trabalho de final de ano – hoje é o último dia de aula. Eu nunca tive esse tipo de atividade quando criança, mas já pensei várias vezes em como seria fazer algo do […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements