Menu
2019-04-15T10:42:02+00:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

Como o sobe e desce do dólar afeta a sua vida

Nas últimas semanas, a moeda americana passou por uma verdadeira montanha-russa. Saiba por que mesmo quem não viaja para o exterior deveria se importar com a cotação do dólar

5 de abril de 2019
5:30 - atualizado às 10:42

Nas últimas três semanas, a cotação do dólar viu uma grande turbulência frente ao real e atingiu suas maiores cotações de 2019, em patamares não vistos desde o período pré-eleitoral. De R$ 3,76 em 20 de março, a moeda americana pulou para R$ 3,90 apenas dois dias depois, chegando aos R$ 4 durante o pregão do dia 28. Depois disso, voltou a cair, mas permanece pouco abaixo de R$ 3,90.

Os motivos são uma mistura de fatores internos e externos - por aqui, a insegurança e as confusões envolvendo a reforma da Previdência; lá fora, uma tremenda aversão a risco por temores de uma nova recessão global. Mas por que raios essas questões influenciam a cotação da moeda? E por que é que as flutuações da moeda americana afetam mesmo os brasileiros que não costumam ou não pretendem viajar para o exterior? No vídeo a seguir eu explico a questão:

Leia a transcrição do vídeo sobre o sobe e desce do dólar

Se você não costuma comprar produtos importados nem viajar pro exterior, pode se perguntar por que o sobe e desce do dólar é acompanhado tão de perto pelo noticiário e pelos brasileiros em geral. Aliás, você sabe quais fatores podem afetar a cotação da moeda americana? Sobe e desce do dólar - e eu com isso?

As flutuações cambiais são bastante complexas, e são afetadas tanto por fatos concretos quanto pelas expectativas do mercado. No curto prazo, a cotação do dólar tem relação com oferta e demanda. Uma oferta maior de dólares tende a derrubar a cotação da moeda, e uma escassez de dólares produz altas.

Mas no longo prazo, o desempenho do dólar está muito ligado ao desempenho da economia americana, à política monetária e à inflação de longo prazo dos Estados Unidos. Em outras palavras, o valor de qualquer moeda está na verdade ligado à força da economia do seu país.

Eis, na prática, alguns fatores que afetam a cotação do dólar em relação ao real: o comércio exterior do nosso país, o risco da economia mundial, o risco ou a atratividade da economia brasileira perante o cenário internacional, a diferença entre as taxas de juros e de inflação do Brasil e dos Estados Unidos e intervenções governamentais.

Qualquer evento que possa atrair dólares pro mercado brasileiro faz o dólar cair frente ao real. É o caso das exportações, da oferta de dólar pelo Banco Central e da redução da taxa de juros americana em relação à brasileira.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Já os eventos que tornam os dólares mais escassos por aqui tendem a valorizar a moeda americana. É o caso das importações, do aumento do risco-país, que afugenta investidores estrangeiros, e da elevação da taxa de juros dos Estados Unidos.

Está bom, mas o que nós, reles mortais, temos a ver com isso? Bem, mesmo que você seja um nacionalista na hora de consumir e prefira viajar pelo Brasil, você não está livre dos efeitos da flutuação do dólar.

É que muito do que nós produzimos e consumimos depende de importações. E quando o dólar está mais alto, esses insumos importados acabam encarecendo até os produtos e serviços nacionais. Isso mexe com a inflação - a alta do dólar é um dos fatores que pesam nos índices de preços. Por outro lado, um dólar mais fraco dá uma aliviada nas nossas contas.

Mas um dólar forte é ruim para a gente? Não necessariamente. Os exportadores adoram. Quando o real enfraquece, é mais fácil vender para outros países, o que acaba sendo bom para a nossa economia também. E as exportações atraem dólares, o que pode dar um alívio à cotação da moeda e reequilibrar a situação.

Gostou do vídeo? Então assina o canal do Seu Dinheiro no YouTube e clica no sininho para receber as notificações. E pode deixar dúvidas e ideias para outros vídeos aqui no campo de comentários.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Advogada do investidor

Podcast Sardinhas: A tendência no exterior que poucos brasileiros seguem

Você perdeu dinheiro com a Vale e a catástrofe de Brumadinho? Então provavelmente não sabe o que é ESG. Paula Salamonde, diretora-executiva da MSCI no Brasil conta pra você no Podcast #Sardinhas desta semana. Gostou? Então dá o play e ouça de graça. Não tem Spotify? Acesse o link alternativo. Publicidade

A Bula do Mercado

Mercado aguarda decisão de BCs

Fed e Copom devem manter taxas de juros hoje, mas expectativa é por sinalização de cortes à frente

Ótima notícia por um péssimo motivo

Copom e Fed decidem juros. Se não tem corte, tem aceno, que é quase a mesma coisa

Decisões de política monetária centram atenção nos mercados. Reação pode ser positiva, mas o que motiva a atuação dos BCs não é nada animador

Seu Dinheiro na sua noite

Insiste em zero a zero e eu quero um a um

Você disse que não sabe se não. Mas também não tem certeza que sim. Se Djavan fosse um analista de mercado, representaria o sentimento dos investidores sobre o que vai acontecer com as taxas de juros no país. Para muita gente, não é mais uma questão de “se”, mas de “quando” a Selic vai cair. […]

Tá liberado!

Governo amplia setores autorizados a trabalhar aos domingos e feriados

A partir de hoje, 78 setores estão autorizados a funcionar nesses dias. Entre os novos segmentos está o comércio em geral

Agora vai?

Leilão de ativos da Avianca Brasil acontecerá no dia 10 de julho

Colegiado de desembargadores do Tribunal de Justiça de São Paulo liberou a decisão sobre a na manhã de ontem

Preenchendo a vaga

À espera de aprovação do nome de Montezano, BNDES nomeia presidente interino

Nome do atual diretor de finanças da instituição, José Flávio Ferreira Ramos, foi indicado para ocupar o posto provisoriamente

O rombo em forma de dados

Mansueto: dos 26 Estados mais DF, 14 gastam acima do limite de 60% com pessoal

Percentual abordado pelo secretário o Tesouro Nacional foi estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal

Olha eles aí outra vez

Deputados favoráveis à reforma da Previdência defendem volta da capitalização e de Estados

Sessão para debates sobre o relatório na comissão especial da reforma da Previdência na Câmara contou com várias defesas dos pontos retirados

negócio fechado

Embraer assina cooperação estratégica com a Elta para desenvolver P600 AEW

Com o acordo, as duas empresas criam um novo segmento de mercado, o de AEW; aeronave de última geração foi concebida para atuar em um novo segmento do mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements