Menu
2019-08-14T06:37:40+00:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Dados fracos da China ditam rumo dos mercados

Forte desaceleração na indústria e no varejo chinês realça o impacto da guerra comercial na atividade e o interesse do país em retomar as negociações com os EUA

14 de agosto de 2019
5:38 - atualizado às 6:37
chinaslowdown
No Brasil, Câmara aprova texto principal da liberdade econômica

Dados fracos de atividade na China realçam o interesse do país em retomar as negociações comerciais com os Estados Unidos. Mas enquanto ontem o alívio na guerra comercial abriu espaço para uma recuperação do mercado financeiro, hoje, os números da segunda maior economia do mundo podem resgatar a aversão aos ativos de risco, aguçando a volatilidade.

A produção industrial chinesa desacelerou a 4,8% em julho, em base anual, após crescer 6,3% em junho. Trata-se da menor alta da indústria no país desde 2002. O resultado ficou bem abaixo da previsão de +5,9%. Já as vendas no varejo avançaram 7,6% no mês passado, na mesma base de comparação, desacelerando-se da alta de 9,8% em junho.

A previsão era de aumento de 8,5% no comércio varejista. Além disso, os investimentos em ativos fixos acumulam alta de 5,7% de janeiro a julho, também abaixo da estimativa (+5,8%) e perdendo tração em relação ao acumulado no primeiro semestre deste ano (+5,8%). Em conjunto, os números mostram o impacto das tensões comerciais na atividade do país.

Os dados atenuaram o desempenho das bolsas na Ásia, que, ainda assim, fecharam em alta, reagindo à notícia da véspera de que os EUA resolveram adiar a implantação da tarifa de 10% sobre US$ 300 bilhões em bens chineses. Tóquio liderou os ganhos, com quase 1%, Xangai subiu um pouco (+0,4%), enquanto Hong Kong ficou de lado.

Os mercados na região também reagiram à notícia de que as autoridades chinesas seguem firme no plano de visitar Washington em setembro para tratar pessoalmente da questão comercial com os EUA. A decisão mostra que as negociações seguem caminhando, apesar da recente ameaça tarifária feita pelo presidente Donald Trump no início deste mês.

Já no Ocidente, as bolsas europeias e os índice futuros das bolsas de Nova York estão no vermelho, reagindo aos novos sinais de desaceleração da economia global. Além dos números fracos na China, que derrubaram Wall Street, o dólar e o petróleo, a queda do PIB alemão no segundo trimestre deste ano, em -0,1%, também impacta o velho continente.

Jogo de cartas

Esse vaivém do mercado financeiro, oscilando ao sabor do noticiário em torno da guerra comercial, mostra que os investidores estão sensíveis. A magnitude da reação à ameaça tarifária de Trump, no início do mês, indica que o sentimento foi exagerado para o lado negativo, abrindo, então, espaço para uma recomposição de preços.

Trump resolveu “trucar” a disputa comercial com a China em agosto, anunciando a implantação de uma tarifa de 10% sobre US$ 300 bilhões em produtos chineses, sobretaxando, assim, todas as importações do país asiático aos EUA. Foi o suficiente para abalar o mercado financeiro, elevando o temor quanto à desaceleração econômica global.

Mas o que fez o mercado piorar, depois fez subir. Bastou os EUA adiarem até meados de dezembro a nova tarifa para os investidores resgatarem o apetite por ativos de risco, que ficaram mais amassados também por causa dos protestos pró-democracia em Hong Kong e da crise na Argentina às vésperas das eleições presidenciais no país vizinho.

Da mesma forma que a ameaça de Trump aconteceu menos de 24 horas depois de o Federal Reserve frustrar as expectativas e não indicar um ciclo de corte de juros, o recuo do presidente ocorreu no mesmo dia em que o núcleo da inflação ao consumidor dos EUA (CPI), que exclui itens voláteis como alimentos, atingiu o maior nível em seis meses.

Tal comportamento sugere que as pressões inflacionárias nos EUA não são tão moderadas quanto se supõe. E isso pode limitar cortes adicionais pelo Fed, embora o mercado alimente apostas de uma nova queda nos juros norte-americanos em setembro. O problema é que a tentativa de Trump em controlar a política do Fed representa um perigo ao mercado.

Mas ao conceder um período de carência a produtos chineses elencados em muitas listas de presentes de Natal - como smartphones, laptops e brinquedos - Trump não só evita um aumento de preços aos consumidores em plena época de fim de ano como também deixa notória sua estratégia de jogador. Afinal, não passava de mais um blefe.

E essa vulnerabilidade do presidente norte-americano é um dos principais receios dos chineses para chegar a um acordo comercial com Washington. Pequim teme que Trump simplesmente mude de ideia em relação aos termos que forem alcançados. Atualmente, cerca de US$ 250 bilhões em produtos chineses são afetados por sobretaxa de 25%.

Ontem, além do adiamento da nova rodada de tarifas, também animou o mercado financeiro o anúncio oficial de que o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, conversou por telefone com o representante do comércio, Robert Lighthizer, e o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin. Uma nova teleconferência está planejada para daqui a duas semanas.

Agenda fraca só aqui

A agenda econômica no Brasil segue mais fraca nesta quarta-feira, trazendo apenas os dados do Banco Central sobre a entrada e saída de dólares do país até o início deste mês. Os números serão divulgados em novo horário, às 14h30, e podem lançar luz sobre o fluxo de capital estrangeiro no mercado financeiro, em meio às retiradas na Bolsa brasileira.

No noticiário político, chama atenção a aprovação na Câmara do texto principal da medida provisória (MP) da Liberdade Econômica, que reduz a burocracia e limita o poder de regulação do Estado. A MP também muda regras trabalhistas, reduzindo o repouso semanal remunerado aos domingo para um a cada quatro semanas, passando a ser regra trabalhar aos domingos.

Já no exterior, destaque para a leitura preliminar do Produto Interno Bruto (PIB) na zona do euro no segundo trimestre deste ano, logo cedo, juntamente com os números da produção industrial em junho. Os dados devem reforçar os sinais de desaceleração na região, diante dos efeitos da guerra comercial, com a atividade perdendo tração na virada do semestre.

Nos EUA, os preços de importação e de exportação em julho (9h30) adicionam ingredientes à disputa comercial do país com a China. Ainda no calendário norte-americano, saem os estoques semanais de petróleo bruto e derivados nos EUA (11h30).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Demissão anunciada

Ministro da Fazenda da Argentina renuncia ao cargo e traz novas turbulências ao mercado internacional

Anúncio foi feito por meio de uma carta enviada a Mauricio Macri em que Nicolás Dujóvne justifica a necessidade de uma renovação na área econômica

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements