Menu
2019-07-11T08:36:32+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
a bula do mercado

O dia depois da Previdência: a festa nos mercados continua?

Deputados aprovaram texto-base; apreciação dos destaques ficou para hoje

11 de julho de 2019
6:34 - atualizado às 8:36
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Os ativos financeiros locais amanhecem hoje diante da expectativa de seguirem surfando a onda da reforma da previdência, aprovada ontem em primeiro turno pelo plenário da Câmara dos Deputados por 379 votos a favor e 131 contra.

O índice Ibovespa registrou ontem o quinto fechamento consecutivo em alta, renovando seu nível recorde de alta pela terceira vez seguida, agora acima dos 105 mil pontos, e é provável que siga renovando recordes no curto prazo, à medida que a reforma avançar pelo Congresso.

No que depender de sinais vindos do exterior, o rally terá sequência hoje, uma vez que as bolsas de valores asiáticas subiram, os mercados de ações europeus abriram no azul e os índices futuros de Nova York sinalizam alta.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Entretanto, analistas advertem para a máxima conhecida nos mercados de “subir no boato para cair no fato”, uma vez que os ativos financeiros locais já se encontram em seu limite de apreciação - alguns até mesmo já o teriam ultrapassado.

Congresso assume protagonismo; governo vai a reboque

Ainda há dúvidas em relação ao segundo turno. Os deputados favoráveis à reforma aprovaram em primeiro turno o texto-base da proposta de emenda à constituição (PEC), mas conseguiram votar apenas um destaque para votação em separado, impedindo que os professores tenham regras diferenciadas de aposentadoria.

Os demais destaques à PEC devem ser votados no decorrer desta quinta-feira. A votação em segundo turno depende da conclusão da apreciação dos destaques, mas analistas observam que a margem pela qual a reforma passou em primeiro turno deve facilitar o trabalho do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), que manifestou reiteradas vezes o interesse em aprovar a reforma em dois turnos antes do recesso, cujo início está marcado para a próxima semana.

O presidente da Câmara e seus aliados estão sendo amplamente vistos como os grandes vencedores do processo político em torno da reforma da previdência, uma vez que contornaram a incapacidade de articulação do governo para levar adiante uma proposta amplamente controversa. Pelo placar do primeiro turno, não parece improvável que Maia consiga acelerar o processo e encerrar a tramitação da reforma pela Câmara antes do recesso.

Powell testemunha perante o Senado

Nos Estados Unidos, os investidores seguem de olho nos testemunhos de Jerome Powell, o presidente do Federal Reserve Bank, o banco central norte-americano, perante o Congresso do país.

Ontem, Powell comentou na Câmara dos Representantes que o comércio global e a inflação abrem espaço para alguma acomodação com o objetivo de sustentar o crescimento econômico norte-americano. Segundo ele, os temas certamente dominarão a reunião de política monetária marcada para este mês.

Também na quarta-feira, a ata da reunião do Fed em junho revelou um aumento do apoio entre os diretores da autoridade monetária ao início de um novo ciclo de cortes de juros. Analistas calculam pelo menos dois cortes na taxa básica de juro dos Estados Unidos até o fim de 2019.

Investidores do mundo todo estão de olho no possível desencadeamento de um ciclo de afrouxamento monetário global pelos principais bancos centrais do planeta para fazer frente a uma desaceleração econômica em escala global. E os comentários de Powell somados ao conteúdo da ata estão sendo amplamente interpretados como um sinal de que o Fed em breve cortará juros pela primeira vez em uma década.

Hoje as atenções se voltam para o testemunho de Powell perante o Senado, apesar da improbabilidade de a fala trazer novidades relevantes em relação aos comentários da véspera.

Vendas no varejo são destaque

Por aqui, o indicador econômico mais relevante a ser conhecido hoje será o dado de vendas no varejo em maio. A expectativa dos analistas é de que as vendas no varejo tenham oscilado positivamente em maio sobre abril e avançado 1,3% na comparação com o mesmo mês do ano passado.

Se confirmadas as projeções, os dados sobre as vendas no varejo em maio se somarão a uma série de indicadores mostrando as dificuldades da economia brasileira para retomar o caminho do crescimento.

E isto deve proporcionar um argumento a mais em aos agentes do mercado financeiro para pressionar o Banco Central a cortar juros já a partir da reunião do Comitê de Política Monetária, marcada para o fim deste mês.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

a bula do mercado

Ativos preparam-se para encerrar semana no azul

Confusão sobre fala de presidente do Fed de NY pode induzir a ajustes

Na expectativa

Modelo de capitalização da Eletrobras será apresentado até agosto

Decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) definiu que a privatização de holdings, caso da Eletrobras, precisa passar pelo Congresso

Temporada de balanços

O que esperar para o lucro dos grandes bancos no segundo trimestre?

O resultado combinado de Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco ou Santander Brasil deve atingir R$ 20,9 bilhões no segundo trimestre, um avanço de 17,6%. Parece um filme repetido, mas a história pode reservar surpresas. Saiba o que esperar dos balanços

Vem que vem!

Banco N26, o “Nubank alemão”, levanta mais US$ 170 mi e diz que o seu próximo destino pode ser o Brasil

Com isso, ele elevou o seu valor de mercado para US$ 3,5 milhões e passou a figurar entre as startups europeias mais valiosas e entre as dez principais fintechs do mundo

De volta para o dono

Lava Jato recupera mais R$ 67 mi no exterior

Os valores foram transferidos para contas judiciais vinculadas ao processo e integram os mais de R$ 13 bilhões que são alvo de recuperação pela Lava Jato ao longo de cinco anos de operação, destaca a Procuradoria

Seu Dinheiro na sua noite

O herói improvável

As histórias que mexeram com o Seu Dinheiro hoje

De olho nos valores

Preço médio dos imóveis residenciais sobe 0,36% em junho em dez capitais

A pesquisa mostrou que, no mês, todas as dez capitais pesquisadas tiveram alta nos preços médios: Brasília (0,04%), Fortaleza (0,06%), Salvador (0,08%), Porto Alegre (0,16%), Rio de Janeiro (0,18%), Belo Horizonte (0,19%), Curitiba (0,19%), Goiânia (0,22%), Recife (0,38%) e São Paulo (0,68%)

DE OLHO NO GRÁFICO

Bitcoin em nova alta e S&P no sinal amarelo

Fausto Botelho está estupidamente otimista com o bitcoin, que pode ter uma nova onda de valorização. Já o S&P, principal índice americano, pode trazer um terremoto para o resto do mundo

De olho nos próximos recebidos

Preparação de atendimento pela Caixa contribuiu para adiamento de saque do FGTS

Em 2017, para que 25,9 milhões de trabalhadores retirassem R$ 44 bilhões das contas inativas (de contratos anteriores) do FGTS, a Caixa preparou um esquema de atendimento que previu a abertura das agências mais cedo e nos fins de semana no período, que foi de 10 de março a 31 de julho

Entenda o caso

Depois de fixar o preço dos papéis em R$ 1,10 no follow-on, ações da Tecnisa despencam mais de 9%

O mais provável é que a queda vertiginosa esteja associada ao fato de que o papel esteja se ajustando ao preço estipulado na oferta de ações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements