Menu
2019-10-14T14:27:53+00:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela Universidade de Federal do Paraná (UFPR). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros veículos.
Para marcar na agenda

Bradesco, Santander, Cielo, GPA e mais seis empresas divulgam balanços nesta semana

Saiba o que esperar dos principais números de cada companhia, numa semana cheia de resultados, e esteja preparado para qualquer eventual surpresa do mercado

22 de julho de 2019
6:30 - atualizado às 14:27
Balanços 22-07
Imagem: Montagem: Andrei Morais

A temporada de balanços das empresas começa nesta semana no Brasil. Ao menos 10 companhias divulgam seus números relativos ao último trimestre. O destaque no período fica por conta do setor financeiro.

O banco Santander Brasil e a empresa de maquinhas de cartão Cielo apresentam seus resultados logo na terça-feira, 23. Enquanto o Bradesco divulga o balanço do trimestre na quinta, 25. Outra companhia que o investidor deve prestar a atenção é o Grupo Pão de Açúcar (GPA) — quarta, 24, é dia dos números da empresa. Outras sete empresas divulgam seus resultados.

Pós-Via Varejo

O GPA viveu um momento histórico nos últimos meses ao se desfazer da sua participação na Via Varejo. Desde 2016 a companhia procurava por um comprador da sua parte na dona da Casas Bahia. Mas a operação só foi concretizada após o GPA receber uma carta do empresário Michael Klein.

O filho do fundador da Casas Bahia se comprometeu a comprar os papeis da companhia em um leilão na B3. A operação, concretizada há cerca de um mês, movimentou R$ 2,3 bilhões.

Com isso, o GPA teve o caminho aberto para priorizar o desenvolvimento do negócio alimentar da companhia — ou seja, as diversas bandeiras de supermercados, sejam elas varejistas ou "atacarejos", como o Assaí.

Embora isso ainda não tenha acontecido, o GPA já deu uma indicação de suas ambições. O francês Casino Guichard-Perrachon, que controla a empresa, apresentou um plano simplificar sua estrutura. As mudanças incluem uma oferta pública para até a totalidade das ações do Almacenes Éxito — uma companhia colombiana de capital aberto.

O grupo também planeja a migração do GPA para o Novo Mercado — o nível mais alto de governança corporativa da B3. Com a medida, o conselho da empresa espera o aumento potencial na base investidores.

O mercado já começou a responder: os papeis PCAR4 sofreram um valorização de quase 15% desde o início do ano, cotados a cerca de R$ 91 nos últimos dias. Já analistas ouvidos pela Bloomberg esperam que o GPA registre um lucro líquido de R$ 262 milhões no segundo trimestre, ante R$ 228,240 milhões do mesmo período do ano passado — uma alta de 13%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

No meio de uma guerra

No balanço deste trimestre, a Cielo deve continuar sentindo o impacto dos mais novos lances da concorrência no mercado de maquininhas. No final de abril, a empresa registrou uma queda no lucro líquido de 40,4% em relação aos três primeiros meses de 2018.

Os números se devem em parte a tal da guerra das maquinhas — uma série de medidas que beneficiam os clientes e tem acirrado a concorrência no setor. O Itaú, por exemplo, zerou as taxas de antecipação de recebíveis para lojistas. SafraPay e PagSeguro, do grupo UOL, fizeram movimentos parecidos.

Na projeção de analistas, o lucro líquido da Cielo no segundo trimestre será de R$ 457,5 milhões, ante R$ 817,509 milhões do mesmo período de 2018 — o que representa uma queda de 45%.

A expectativa só confirma uma antecipação já feita pela bolsa. Nos últimos 12 meses, os papeis da Cielo (CIEL3) sofreram uma desvalorização de cerca de 55%. A própria diretoria da empresa vê um horizonte similar: em maio ela retirou a projeção de lucro para 2019, que até então era de no mínimo R$ 2,3 bilhões.

Na casa dos bilhões

Bradesco e Santander devem novamente registrar lucro líquido na casa dos bilhões. O banco espanhol no Brasil encerrou março com uma carteira de crédito de R$ 310,714 bilhões - crescimento de 1,8% no trimestre. Foi um desempenho abaixo do registrado pelo Bradesco, que aumentou a carteira de crédito em 3,1% no mesmo período.

Esse é um número para se presentar a atenção. Com um cenário de queda da taxa de juros a níveis históricos, parte dos investidores está desconfiada da capacidade dos grandes bancos de lidar com um cenário menos favorável.

Os balanços dos últimos três meses devem responder a essa questão. Recomendo que você confira esta análise do Vinícius Pinheiro sobre o desempenho das quatro maiores empresas do setor financeiro no Brasil.

Outro número que o investidor deve prestar a atenção no balanço de um banco é a rentabilidade.

No último balanço divulgado, o Santander apresentou um retorno de 21,1%. A projeção dos analistas mostra que o número deve ficar em 21,21% nos últimos três meses. Já o Bradesco deve apresentar um retorno de 20,3%.

Isso significa que o patrimônio dos bancos pode ser remunerado a uma taxa mais de três vezes superior a taxa básica de juros, de 6,5% ao ano.

Em relação ao lucro líquido, analistas ouvidos pela Bloomberg esperam que o Santander registre a cifra de R$ 3,573 bilhões, ante R$ 3,025 bilhões do mesmo período do ano passado. Já o Bradesco deve ter lucro de R$ 6,15 bilhões, ante R$ 5,161 bilhões.

 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Racha no PSL

Esperava mais respeito e gratidão, diz Joice Hasselmann

Joice Hasselmann (PSL-SP) afirmou que o presidente Jair Bolsonaro usou a Presidência da República para interferir no Legislativo. “O próprio presidente estava ligando e pressionando deputados para assinar uma lista”, disse.

mudança de planos

Governo adia reforma tributária e prioriza redução de R$ 30 bi em gastos

Com dificuldade para articular uma ampla agenda de reformas até o fim do ano, equipe econômica decidiu enxugar o pacote de medidas estruturais

Em crise

Crise EUA e China ameaça o mundo, diz chefe do FMI

A perspectiva global é precária, afirma Georgieva na apresentação de sua agenda política imediata. O conjunto de riscos, acrescenta, está ligado em primeiro lugar a uma possível ampliação das tensões no comércio e a crescentes vulnerabilidades financeiras.

situação complicada

16 Estados tiveram piora nas contas ou ficaram estagnados em 2018

Lista foi elaborada segundo o critério “solidez fiscal” – definido como a capacidade de o governo administrar as contas públicas

de olho no desempenho

Produção de petróleo da Petrobras cresce 16,9% no terceiro trimestre

Segundo especialista, resultado abre caminho para que outras empresas se interessem pelo investimento no Brasil. 

em meio a disputa tarifária

Resultado trimestral de PIB da China tem avanço mais lento em 27 anos

Indicador avançou 6% no terceiro trimestre de 2019; resultado foi ligeiramente abaixo de expectativas de analistas ouvidos pelo Wall Street Journal, que previam alta de 6,1%.

hora da partilha

Bolsonaro sanciona lei que divide recursos do megaleilão do petróleo

Leilão do excedente de petróleo da chamada cessão onerosa está marcado para 6 de novembro e tem previsão de arrecadar R$ 106,6 bilhões

sem EUA por ora

Crise no PSL deixa indicação de Eduardo Bolsonaro para a embaixada em suspenso

Auxiliares de Bolsonaro afirmam que, apesar da peregrinação, Eduardo não conseguiu convencer um número suficiente de senadores a apoiarem seu nome

clima tenso

Flávio e Eduardo Bolsonaro são destituídos de diretórios do PSL

Destituições são mais um capítulo da crise interna do partido que opõe parlamentares que apoiam Bivar aos aliados do presidente da República

Agora vai?

Após anos de decepção, PIB vai surpreender de novo, mas agora para cima, dizem gestores de fundos

Responsáveis pela gestão de mais de R$ 30 bilhões, Ibiúna, Kapitalo e Legacy veem espaço para Banco Central manter o processo de queda de juros, mas piso para a Selic é ponto de discórdia. Eles também contam onde estão investindo e quais os riscos no radar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements