Menu
2019-06-07T18:45:40+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
afagos

Bolsonaro anuncia R$ 2 bilhões ao agronegócio e promete posse de arma rural

Em evento no interior de São Paulo, presidente também faz elogios à Câmara e ao Senado e fala em quadro político maravilhoso. Ações do BB caem depois de presidente pedir, mesmo em tom de brincadeira, juros menores

29 de abril de 2019
12:57 - atualizado às 18:45
Bolsonaro Agroshow
Presidente Jair Bolsonaro durante visita a estande da Agrishow ao lado do governador de São Paulo, João Doria. - Imagem: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro anunciou linhas de crédito e seguro para o agronegócio durante evento em Ribeirão Preto, interior de São Paulo. Aplaudido várias vezes, o presidente também disse que Rodrigo Maia vai encaminhar projeto de lei autorizando posse de arma nos perímetros das fazendas e também fez elogios à classe política, falando em quadro político maravilho, e deputados e senadores irmanados com os interesses do Brasil.

O presidente participou da abertura da Agrishow, ao lado do governador de São Paulo, João Doria, e começou e finalizou seu discurso com elogios à classe política. Gesto que parece alinhado ao esforço das últimas semanas de melhorar o relacionamento com o Congresso, depois de um período de ataques aos políticos e ao que chamava de “velha política”.

Na abertura, agradeceu aos presentes pela confiança e disse que "primeiro junto de vocês e, depois, tendo um quadro político maravilho dentro do Executivo e Legislativo, nós cumpriremos a nossa missão".

“Estamos em começo de governo, quatro meses, muito pouco tempo. Mas, humildemente, nunca tivemos uma oportunidade de ter grande parte da Câmara e do Senado irmanados com os interesses do Brasil. Juntos colocaremos o Brasil no lugar de destaque que ele merece”, afirmou ao encerrar o seu discurso.

Bolsonaro resumiu o que pretende como chefe do executivo: Não atrapalhar quem produz, “queremos e estamos tirando o Estado do cangote daqueles que produzem, que fazem investimentos e dos grandes empreendedores”.

Ao falar que o setor do agronegócio está dando certo faz tempo, lembrou do governo militar, citando que a Embrapa nasceu no governo do general Emílio Médici.

Também falou que vai à China para desfazer a imagem, criada pela grande mídia, de que seria um inimigo dos chineses. Bolsonaro disse ser inimigo de governos passados que faziam negócios tendo o viés ideológico como princípio. “Isso sim deixou de existir”, afirmou, sendo aplaudido.

Segundo Bolsonaro, temos uma oportunidade ímpar de mudar o destino da nação e, na sequência, perguntou quem teve a liberdade de escolher 22 ministros com critérios técnicos.

Foi novamente aplaudido ao falar em “fazer uma limpa” no Ibama e ICMBio e que o homem do campo tem sim de ser fiscalizado, mas que ele tem ter prazer em receber o fiscal e ser primeiramente orientado.

De acordo com o presidente, 40% das multas no campo, em grande parte, serviam apenas para retroalimentar uma “fiscalização xiita”, para anteder nichos que não ajudam o meio ambiente e muito menos a quem produz.

Bolsonaro voltou a elogiar os militares ao falar das obras de conclusão da BR 163, que estão sendo tocadas pelo exército a custo baixo. Ele falou, também, sobre mudar o Ceagesp de lugar em São Paulo, e no local construir um centro de tecnologia, e que o governo estuda usar parte do aeroporto do Campo de Marte para construir o maior colégio militar do Brasil.

Crédito

Bolsonaro anunciou que o Banco do Brasil vai librar R$ 1 bilhão para investimentos no setor e apelou, em tom de brincadeira, ao coração, patriotismo e espírito cristão do presidente do BB, Rubem Novaes, presente no evento, para que os juros dessas operações caiam “um pouquinho mais”. “Tenho certeza que nossas orações tocarão o seu coração”, disse. Outro R$ 1 bilhão foi anunciado para a modalidade do seguro rural.

O apelo, mesmo que em tom de brincadeira do presidente, teve impacto negativo nas ações do Banco do Brasil, que passaram a operar em queda após sua fala, na B3.

Posse de armas e excludente de ilicitude

Bolsonaro foi novamente aplaudido ao falar que “a propriedade privada é sagrada e ponto final”. O presidente disse que esteve como o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e que entre diversos assuntos conversados, os pleitos do setor também estivem em pauta.

Segundo Bolsonaro, Maia deve colocar em pauta, já na próxima semana, um projeto de lei que visa legalizar a posse de arma de fogo do produtor rural em todo o perímetro de sua propriedade.

O presidente disse saber que “vai dar o que falar”, mas que uma maneira de ajudar a combater a violência do campo é fazer com que o agricultor, ao defender sua vida e sua propriedade, entre no chamado excludente de ilicitude, no qual ele responde pelo ato, mas “não tem punição”. Para Bolsonaro, essa é uma forma do “outro lado” passar a temer o cidadão de bem e não o contrário.

Encerrando, o presidente falou em fazer uma reforma agrária sem viés ideológico, que comece por lotes ociosos de terra e que áreas que estão em disputa sejam resolvidas por meio de acordo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Nada de aumento

“Há zero possibilidade de aumentar a carga de impostos”, diz Waldery

Waldery explicou que a meta de déficit primário de 2019 está mantida em R$ 139 bilhões, mas lembrou que o saldo negativo deve ficar abaixo dos R$ 80 bilhões

Contas públicas

Governo central deve fechar 2019 com déficit abaixo de R$ 80 bi, diz Guedes

Guedes voltou a dizer que o sucesso do leilão da cessão onerosa também ajudou a fazer um resultado fiscal melhor, além de permitir um maior repasse de recursos para Estados e municípios. “O ano de 2019 foi interessante, porque conseguimos muita colaboração com Congresso nas reformas econômicas. Também houve muita colaboração do Judiciário”, completou

Novidades na cervejaria

Ambev anuncia Jean Jereissati como presidente da companhia em 2020

A partir de 1º janeiro de 2020, Jereissati Neto acumulará as funções de diretor-presidente e diretor de vendas e de marketing

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Game over? A vida com o dólar acima de R$ 4,20

A primeira vez que o dólar atingiu o patamar de R$ 4,20 foi em setembro de 2015. Eu me lembro de receber a notícia de uma forma bem inusitada, no meio da plateia de um evento voltado a grandes investidores. Enquanto o palestrante da vez tentava injetar alguma esperança sobre as perspectivas da economia brasileira em […]

Olho nos números

BMG não agrada mercado em primeiro balanço após IPO e ações caem

Apesar da queda acentuada dos papéis, ao comentar o balanço do BMG, os analistas do BTG Eduardo Rosman e Thomas Peredo se mostraram mais tranquilos com o resultado e destacaram que os números vieram dentro do esperado pela maioria dos investidores com quem conversaram

Gestoras

JGP segue comprada em bolsa enquanto acompanha guerra de narrativas

Gestora discute tese de que a manufatura e o comércio global estão próximos ao fundo do poço e prestes a se recuperar

Mudança de coleção

Dona da Le Lis Blanc e Dudalina, a Restoque tenta pôr ordem na casa. O mercado está cético

Em meio a um processo de mudança de estratégia, a Restoque reportou mais um conjunto de resultados trimestrais desanimadores, o que fez suas ações chegarem às mínimas em mais de três anos

Mudanças à vista

Desoneração da cesta básica vai acabar, diz Tostes Neto

Para compensar o gasto com tributo, o governo deve devolver dinheiro aos mais pobres como adicional aos programas sociais

Briga de gigantes

Softbank planeja criar rival japonesa para competir com gigantes como Google e Amazon

O grupo anunciou acordo para a fusão de uma de suas subsidiárias conhecida como Yahoo Japan com a empresa Line Corp. Com isso, as duas companhias podem criar mais um “super app”

olho na reforma tributária

Governo confirma que quer tributar dividendos

Plano faz parte do projeto de reduzir imposto de empresas e elevar sobre as Pessoas Físicas; deve entrar em fases posteriores da reforma tributária

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements