🔴 META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM 2 OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
ARRIBA O ABAJO

Argentina mais barata para brasileiros, dólar e inflação nas alturas — o preço das mudanças nos 100 dias de Milei

O Seu Dinheiro listou os principais pontos da gestão do ultraliberal nesse período importante de avaliação de um governo; confira os pontos positivos e negativos até agora

Carolina Gama
19 de março de 2024
20:00 - atualizado às 17:50
O novo presidente da Argentina, Javier Milei, acena de uma sacada para uma multidão após tomar posse
Javier Milei, presidente da Argentina - Imagem: Casa Rosada

100 dias, Javier Milei tomava posse como presidente da Argentina e dizia que nenhum governo recebeu o país em condição pior e que a situação iria piorar antes de melhorar — ele estava certo. 

É um fato que a administração do ultraliberal fez progressos para a correção dos desequilíbrios macroeconômicos da Argentina, mas ele está pagando o preço das mudanças. 

A inflação segue atormentando as famílias: nos três meses de governo de Milei, a taxa acumulada é de 70% — fruto da desvalorização cambial, com ajuste dos preços relativos.

O peso perdeu ainda mais valor, uma boa notícia para os turistas brasileiros que invadiram o país vizinho, mas um transtorno para os hermanos —- 1 peso saiu de US$ 360 para US$ 800 na cotação oficial do banco central

Ao mesmo tempo, o novo presidente reconstruiu as reservas argentinas e alcançou um superávit fiscal sem precedentes.

O Seu Dinheiro listou os principais pontos dos 100 dias de governo de Milei na Argentina. 

  • VOCÊ JÁ DOLARIZOU SEU PATRIMÔNIO? A Empiricus Research está liberando uma carteira gratuita com 10 ações americanas pra comprar agora. Clique aqui e acesse.

A Argentina com Milei 

  • A figura política de Milei

A imprensa argentina caracterizou os 100 dias de governo de Milei como um período de centralismo, com um presidente tentando fortalecer sua imagem de liderança no processo de mudança do país. 

Só que a recondução da Argentina encabeçada pelo ultraliberal já provocou derrotas do governo no Congresso — Milei partiu para o confronto com que definiu como a “casta política” do país.

Por conta disso, todas as mudanças feitas até agora aconteceram por meio de medidas administrativas e de resoluções do ministro da Economia, Luís Caputo — ou seja, não dependeram da aprovação de deputados e senadores, já que Milei tem minoria no Congresso.

Não à toa, o Decreto Nacional de Urgência (DNU), apelidado de decretaço por conter mais de 300 medidas de desregulação econômica, quanto o Projeto de Lei de Bases, enviados em dezembro, estão com dificuldade de tramitação nas casas legislativas.

No início de fevereiro, diante da iminente derrota na Câmara, Milei decidiu retirar do debate o pacote de leis chamado “Lei Ônibus”, com 664 artigos. Na semana passada, o Senado aprovou o decreto com 366 medidas, deixando os instrumentos de governo à mercê da decisão dos deputados.

  • O ajuste fiscal e social

Três dias após assumir a Casa Rosada, o ministro da Economia de Milei, Luis Caputo, anunciou um pacote fiscal com nove medidas para tentar conter a crise econômica na Argentina. O ajuste foi chamado na imprensa de "Plano Motosserra", em referência à motosserra que Milei exibiu na campanha para presidente e que simbolizava o que o, à época candidato, queria fazer com os gastos públicos: cortá-los brutalmente.

O plano incluía a desvalorização do peso, a suspensão de novos editais de licitação de obras públicas, a redução de subsídios à energia e aos transportes; diminuição de transferências às províncias; a suspensão da publicidade do governo por um ano; corte da estrutura do governo; priorização de projetos sociais e a troca do sistema de importação para um que não exija informações de licenças prévias. 

Milei lançou ainda a ideia de um grande pacto social, que chamou de Pacto de Maio, a ser assinado na cidade de Córdoba, no dia 25 de maio. O plano tem dez princípios básicos para levar a Argentina ao que seria uma “nova ordem econômica” — mas precisa de apoio político para prosperar, especialmente dos governadores. 

  • Análises aprofundadas, relatórios e recomendações de investimentos, entrevistas com grandes players do mercado: tenha tudo isso na palma da sua mão, entrando em nossa comunidade gratuita no WhatsApp. Basta clicar aqui.
  • A inflação castiga os hermanos

As medidas de Milei para começar a arrumar a casa fizeram os hermanos sentirem o peso dos preços no bolso — embora, sob o novo governo, a taxa mensal tenha recuado de 25% em dezembro para 13,2% em fevereiro. 

Vale lembrar que a Argentina fechou 2023 com a inflação mais alta do mundo, a 211,4%, seguida pela Venezuela (193%), Líbano (192,26%) e Turquia (64,8%).

E entrou em 2024 com novo recorde: segundo o Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec), o índice de preços ao consumidor argentino subiu 20,6% em janeiro na comparação com dezembro e disparou 254,2% em base anual. 

A disparada de preços também fez com que a pobreza aumentasse na Argentina: de 45% para 57%, segundo o Observatório Social da Universidade Católica (UCA). 

  • O dólar e o peso

Não dá para falar em economia argentina sem falar no câmbio. Nos 100 dias de Milei, o dólar livre alinhou as expectativas de desvalorização com a política monetária do governo e, de fato algumas cotações subiram a um ritmo mais lento que a taxa oficial. Nos últimos dias, a cotação tem se mostrado relativamente estável, em torno de 1.000 pesos.

Apesar da desvalorização que levou o câmbio de US$ 360 para mais US$ 800 e da inflação de 70% nos primeiros três meses do governo de Milei, a cotação CCL — muito utilizada por investidores — permaneceu semelhante à taxa de meados de dezembro.

E mais mudanças devem vir nessa frente: Milei trabalha pela retirada dos controles cambiais no país, mas ainda é necessário que as reservas cresçam um pouco mais para evitar novas pressões inflacionárias.

  • As relações internacionais de Milei

Admirador do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, as relações internacionais da Argentina também passaram por um ajuste sob o comando de Milei. 

Em janeiro, por exemplo, quando chegou em Davos, para o Fórum Econômico Mundial, ele intrigou a elite econômica ao alertar que "o Ocidente está em perigo" e ao criticar a justiça social e o "feminismo radical".

Fato é que as relações exteriores não têm sido uma prioridade para Milei. Prova disso é que ele suspendeu a adesão da Argentina ao Brics — bloco inicialmente formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul e que está em expansão.

*Com informações do La Nacion e do Clarín

Compartilhe

SONHO AMERICANO?

Concessão de visto de trabalho a brasileiros bate recorde nos EUA – mas oportunidades podem chegar ao fim se Trump ganhar

17 de junho de 2024 - 19:30

Os vistos para trabalhadores brasileiros qualificados também registraram número recorde. Porém, com discurso mais inflamado de Trump, o cenário pode mudar; veja como conseguir o seu green card

Energia renovável

Espanha produz eletricidade demais — e agora não sabe o que fazer com tanta energia

17 de junho de 2024 - 17:43

Investimentos em energia solar e eólica levaram o país a produzir mais energia do que necessita

O VALOR DA BANDEIRA BRANCA

Putin não aguenta mais? Rússia diz qual é o preço para acabar com a guerra na Ucrânia — e Ocidente manda a própria fatura

16 de junho de 2024 - 15:34

Pelo menos 90 países e organizações se reuniram na Suíça — sem a participação de Moscou — para tentar encontrar o caminho para a paz

NINGUÉM SEGURA

Efeito Godzilla: por que as tarifas não vão conseguir parar os carros elétricos made in China?

16 de junho de 2024 - 14:16

O presidente dos EUA, Joe Biden, introduziu no mês passado impostos elevados sobre os carros elétricos da China, efetivamente duplicando o preço de tabela — mas há quem diga que nem assim será possível freá-los

O PODER DA LOIRINHA

Efeito Eras Tour: como Taylor Swift pode impedir que um dos maiores bancos centrais do mundo corte os juros agora?

15 de junho de 2024 - 17:02

Termos como “Swiftflation” e “Swiftonomics” surgiram para se referir ao aumento nos gastos em serviços como hotéis, voos e restaurantes em torno das apresentações da cantora — e agora isso virou um problema para a política monetária

DESDE 1950…

Argentina está em crise, mas… desde quando? Banco Mundial aponta país como recordista de anos em recessão 

14 de junho de 2024 - 19:15

Em 1948, PIB per capita da Argentina era de cerca de 84% daquele das dez maiores economias do mundo; hoje, é de 34%

OS BRITÂNICOS VÃO ÀS URNAS

Quem leva a melhor no Reino Unido? A carta na manga dos trabalhistas para derrubar os conservadores nas eleições de julho

13 de junho de 2024 - 20:01

Os trabalhistas lideram as pesquisas de intenção de voto com a ajudinha de fórmulas conhecidas pelo centro

presidente motoserra

Milei consegue conter preços e inflação Argentina baixa para 4,2% em maio

13 de junho de 2024 - 18:10

Apesar da queda em maio, índice de preços ainda acumula 276% de alta em 12 meses

EM MEIO AO CAOS

Todo poder a Milei? Com voto de Minerva e repressão a manifestantes, Senado da Argentina aprova pacote ultraliberal

13 de junho de 2024 - 11:16

O projeto concede amplos poderes ao Executivo, dando prerrogativas de interferência ao presidente, mas foi desidratado na Casa

PEDIU O MERCADO EM NAMORO?

De Powell, com amor (mas nem tanto): o que a decisão do Fed diz sobre os juros nos EUA

12 de junho de 2024 - 15:12

Em decisão amplamente esperada, o banco central norte-americano manteve a taxa referencial na faixa entre 5,25% e 5,50% ano — foi o gráfico de pontos que mandou a mensagem aos mercados

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar