O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-11T11:08:34-03:00
Flavia Alemi
Flavia Alemi
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pela FIA. Trabalhou na Agência Estado/Broadcast e na S&P Global Platts.
arriba y adelante

Nubank (NUBR33) toma crédito de US$ 650 milhões para expandir operações no México e na Colômbia

11 de abril de 2022
11:08
Mãos seguram cartão do Nubank
Cartão do Nubank - Imagem: Reprodução

O Nubank (NUBR33) recorreu aos bancos responsáveis pela sua oferta pública inicial (IPO) para conseguir um crédito de US$ 650 milhões com o objetivo de investir no México e na Colômbia.

O recurso vem de uma linha de crédito de três anos em pesos mexicanos e colombianos financiada pelo Morgan Stanley, Citi, Goldman Sachs e HSBC.

De acordo com o Nubank, o montante será investido em três áreas principais: desenvolvimento de tecnologia e inovação de produtos, crescimento da base de clientes e atração dos melhores talentos da região.

“O rápido crescimento que vimos no México e na Colômbia superou nossas expectativas mais ambiciosas. Este financiamento é um reflexo da confiança que os principais investidores e acionistas têm em nosso modelo de negócios e potencial de crescimento", disse David Vélez, CEO e fundador do Nubank, em comunicado à imprensa.

Leia também:

As ambições do Nubank

Chamado apenas de “Nu” no México e na Colômbia, o Nubank coleciona alguns marcos operacionais nesses países.

No México, o Nubank alcançou 1,4 milhão de clientes ao final o ano passado e se tornou um dos maiores emissores de cartões de crédito do país. 

Já na Colômbia, a marca é de 114 mil clientes ao final de 2021. Por lá, a empresa planeja construir um centro de engenharia, produto e ciência de dados, desenvolvendo a próxima geração de serviços financeiros no país.

Fundado em 2013 no Brasil, o Nubank iniciou sua estratégia de internacionalização há três anos com o lançamento de sua operação no México em 2019 e posteriormente na Colômbia em 2020.

Por aqui, o Nubank é o aplicativo de banco digital mais baixado no país, de acordo com dados do UBS BB.

Na bolsa

As ações do Nubank estrearam na bolsa de Nova York em dezembro do ano passado. O ticker NU iniciou o pregão daquele dia em disparada de mais de 30% na NYSE, com fechamento em US$ 10,33.

No entanto, no momento o Nubank acumula queda de 30% desde a sua estreia.

No Brasil, os investidores podem comprar BDRs do Nubank sob o ticker NUBR33, que seguem de perto o que acontece com as ações. Desde a estreia, as BDRs mostram queda de 51%.

Nesta segunda-feira (11), por volta das 11h, a BDR do Nubank subia 1,04%,a  R$ 5,82.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

pressão vendedora

Nubank derrete 21% na semana após fim do lock-up, que restringia venda das ações pelos “tubarões”

Desde o IPO, o Nubank já perdeu US$ 23,9 bilhões em valor de mercado, e a fintech que antes valia mais que o Itaú hoje vale quase um terço dele

INTERNET DO MUSK

O que faz a Starlink, empresa que trouxe Elon Musk ao Brasil e deve operar na Amazônia

A empresa do bilionário promete internet ultrarrápida e deve começar as suas operações ainda neste ano; Anatel já deu aval

FECHAMENTO DO DIA

Escapou do urso: S&P 500 consegue fechar no azul em recuperação dramática; saiba o que aconteceu com as bolsas nos EUA

Dois fatores são centrais para entender o comportamento do S&P 500, do Nasdaq e do Dow Jones nas últimas semanas; entenda

FECHAMENTO DO CÂMBIO

Dólar recua 0,87% e vale R$ 4,87. Euro também cai e vale R$ 5,13; confira o que movimentou o câmbio nesta sexta-feira

Apesar do predomínio de um certo humor pessimista pelo mundo, o real conseguiu ter mais um dia de ganhos em relação ao dólar

VISÃO MACRO

Por que o mercado exagera ao temer uma recessão nos Estados Unidos e na China

Os sinais de uma possível recessão nas grandes economias, como EUA e China, e o aumento de um pessimismo generalizado parecem ter tomado conta dos mercados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies