Menu
2021-04-28T07:43:16-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Entrevista com o CEO

A Warren quer crescer e aparecer — e ganhou um cheque polpudo para essa missão

A corretora Warren, liderada por Tito Gusmão, recebeu um aporte de R$ 300 mi e, agora, quer se expandir; potenciais aquisições estão no radar

28 de abril de 2021
7:43
Tito Gusmão, CEO da Warren
Tito Gusmão, CEO da Warren - Imagem: Warren

Uma das máximas de Warren Buffett — o homem chamado de oráculo por boa parte de Wall Street — é a de que "você não deve investir num negócio que não consegue compreender". Uma mentalidade que se aplica aos homônimos brasileiros: afinal, a corretora Warren, liderada por Tito Gusmão, acaba de receber mais um aporte milionário.

É o maior cheque já recebido pela fintech brasileira: R$ 300 milhões, vindos de um grupo liderado pelo GIC, o fundo soberano de Singapura. Ribbit Capital, QED Investors e Kaszek Ventures, além de outros velhos conhecidos da Warren que fizeram aportes no passado, também participaram dessa rodada.

Um sinal de que, de fato, há bastante compreensão quanto ao modelo de negócios da Warren. Ao oferecer produtos personalizados e carteiras que se adequam ao perfil e aos objetivos dos clientes, a plataforma rapidamente ganhou espaço na concorrida arena dos investidores pessoa física.

Serviços financeiros diversos, contas remuneradas e ausência de taxas de corretagem são outros atrativos da Warren, que já tem mais de 200 mil clientes em sua base. E, com o cheque de R$ 300 milhões, a empresa quer dar continuidade aos planos de expansão.

"Queremos mudar a indústria de investimentos no Brasil", disse Tito Gusmão, CEO da Warren, em entrevista ao Seu Dinheiro. "A turma lá de fora acredita nesse futuro".

As faces da Warren

Essa é a terceira — e maior — rodada de aportes na corretora. Em 2019, foram R$ 25 milhões; no ano passado, outros R$ 120 milhões. Aliás, o ano de 2020 marcou um salto para a Warren: com uma oferta maior de produtos e serviços financeiros em seu portfólio, o total de ativos sob gestão passou de R$ 500 milhões para R$ 5 bilhões. A expectativa é chegar aos R$ 10 bilhões até dezembro.

O sonho de Tito, assim como de várias plataformas de investimentos fora dos grandes bancos que surgiram nos últimos anos, é conquistar o lugar que hoje pertence à XP, pioneira e líder desse mercado — o executivo, aliás, trabalhou por quase 10 anos ao lado de Guilherme Benchimol antes de fundar a Warren.

O mercado de corretoras com foco na pessoa física está particularmente aquecido no Brasil — dados da própria B3 mostram que o total de investidores com esse perfil ultrapassou a marca dos 3 milhões no ano passado, quase o dobro do que era visto em 2019.

Assim, nesse ambiente altamente competitivo, o acesso a recursos para expansão é fundamental: a XP abriu capital na Nasdaq em 2019; a Modalmais tem planos para um IPO; Empiricus e Vitreo negociam o aporte de um investidor para a holding Universa; e a Warren levantou mais R$ 300 milhões.

E tais recursos, segundo Tito, serão usados em quatro frentes: time, marketing, parcerias, e fusões e aquisições — o plano é oferecer um ecossistema cada vez mais completo e acessível aos clientes.

Diretoria da Warren
Da esquerda para a direita: André Gusmão, diretor de tecnologia; Marcelo Maisonnave, sócio e co-fundador; Kelly Gusmão, diretora de pessoas e cultura; Rodrigo Grundig, diretor de design; e Tito Gusmão, CEO

No front dos recursos humanos, Tito explica que, hoje, a corretora tem cerca de 400 profissionais — uma equipe que precisa ser ampliada, especialmente na área de tecnologia. "Estamos quietos, queremos fazer mais barulho", diz o CEO, ao falar sobre os esforços de marketing a serem empreendidos com o novo aporte.

O estabelecimento de novas parcerias também está entre as prioridades da Warren, que atua tanto no segmento B2C (focado no consumidor final) quanto no B2B (entre empresas) — atualmente, a corretora tem mais de 340 instituições afiliadas.

Por fim, há a fronteira do crescimento inorgânico, com o executivo não descartando potenciais fusões e aquisições no futuro para dar mais estofo ao ecossistema da corretora. "Seja para acelerar a base de clientes ou agilizar a entrega de produtos importantes", diz Tito.

Em time que está ganhando...

O CEO também ressalta que a nova rodada de aportes e o crescimento da corretora não implica num desvio de proposta: a vertical de investimentos continua como a espinha dorsal da Warren.

Estamos aqui para ajudar as pessoas, para que elas atinjam seus objetivos — Tito Gusmão, CEO da Warren

Quanto às outras iniciativas e serviços financeiros — como a conta corrente e a oferta de crédito —, Tito as classifica como complementares, uma vez que o objetivo primordial de quem chega à empresa é o acesso aos investimentos.

Uma postura que lembra mais uma máxima de Warren Buffet: "o risco vem de não saber o que você está fazendo". E a corretora brasileira os investidores que assinaram o cheque de R$ 300 milhões parecem ter certeza do caminho a ser trilhado.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Reserva de emergência

Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, vende ações da Amazon e põe US$ 5 bi na conta

O bilionário Jeff Bezos vendeu cerca de 1,5 milhão de ações da Amazon nos últimos dias e pode vender outros 500 mil papéis em breve

Reduzindo a participação

CSN começa a se desfazer de suas ações da Usiminas

Aproveitando o bom momento do setor siderúrgico na bolsa, a CSN vendeu mais de 50 milhões de ações preferenciais da Usiminas

O melhor do Seu Dinheiro

A limonada da bolsa e do dólar, as ações mais indicadas do mês e outros destaques da semana

A semana que passou tinha tudo para ser bem azeda para os investidores. No cardápio de notícias dos últimos dias tivemos: A alta da taxa básica de juros e a sinalização de que novos ajustes vêm por aí; Muito barulho político com a CPI da Covid; O projeto da reforma tributária de volta à estaca […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies