Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-01-14T18:29:09-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
acordo vai pra frente?

Governo da França sinaliza oposição à compra do Carrefour e ações chegaram a cair 8% lá fora

Ministro das Finanças diz que venda da varejista coloca em risco os empregos e a soberania alimentar do povo francês

14 de janeiro de 2021
9:34 - atualizado às 18:29
couche-tard
Imagem: Divulgação

Mal foi anunciada e a proposta de aquisição do Carrefour pela operadora canadense de lojas de conveniência Alimentation Couche-Tard já está causando controvérsias.

O governo da França está avaliando a possibilidade de bloquear a operação, para proteger empregos e a cadeia de abastecimento alimentar da França, disse o ministro das Finanças do país, Bruno Le Maire.

"O que está em jogo aqui é a soberania alimentar do povo francês", afirmou ele em entrevista à emissora "TV France 5" na noite desta quarta-feira (13). "A ideia de que o Carrefour possa ser comprado por um ator estrangeiro – em princípio, não sou a favor de tal movimento."

O Carrefour é o maior empregador do setor privado da França e, como outras grandes redes de supermercados, desempenha um papel importante na distribuição de alimentos, disse Le Maire.

A declaração pesou no desempenho das ações do Carrefour na Bolsa de Paris, que fecharam em queda de 2,51%, a 17,10 euros. Na mínima do dia, chegaram a recuar quase 8%. Ontem, haviam fechado em alta de 13,42%, aos 17,54 euros.

No Brasil, as ações do Carrefour (CFRB3) encerraram a quarta-feira com valorização de 1,04%, a R$ 20,36, depois de registrarem alta de 8% no meio do pregão. Apesar de também terem recuado no início do dia, os papéis viraram para alta e fecharam com ganho de 1,03%, a R$ 20,47.

A proposta

A Alimentation Couche-Tard confirmou ontem que apresentou uma proposta de aquisição para o Carrefour, oferecendo 20 euros por cada ação da varejista francesa, totalizando a proposta em cerca de 16 bilhões de euros. A notícia da transação foi antecipada pela agência de notícias “Bloomberg”.

O grupo canadense é dono de uma enorme rede de lojas de conveniências e está tentando diversificar a atuação da empresa com a proposta apresentada ao Carrefour, entrando para o ramo de supermercado, além de expandir sua presença na Europa e na América Latina.

A Couche-Tard possui uma rede de mais de 9 mil lojas de conveniência no Canadá e nos Estados Unidos, a maioria com serviço de posto de combustível. Ela tem ainda cerca de 2,7 mil unidades na Europa e 2,2 mil lojas espalhadas por países como México, Nova Zelândia e Vietnã.

Caso seja concretizada, a combinação resultará em uma das maiores empresas varejistas do mundo, com valor de mercado superior a US$ 50 bilhões, de acordo com o jornal “Financial Times”.  

* Com informações da Estadão Conteúdo e Dow Jones Newswires

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies