Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-08-04T11:03:18-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Após balanço

Itaú vê inadimplência maior só em 2021 e alta não será “explosiva”

Os atrasos no pagamento dos financiamentos devem demorar a subir em consequência das medidas adotadas pelos bancos na crise, como a prorrogação do pagamento das parcelas, disse o presidente do Itaú, Candido Bracher

4 de agosto de 2020
11:03
Banco Itaú
Imagem: Estadão Conteúdo / Itaci Batista

A crise do coronavírus vai fatalmente provocar um aumento da inadimplência. Mas a alta dos calotes só virá em 2021 e não será “explosiva”. A afirmação é do presidente do Itaú Unibanco, Candido Bracher.

Os atrasos no pagamento dos financiamentos devem demorar a subir em consequência das medidas adotadas pelos bancos na crise, como a prorrogação do pagamento das parcelas, disse Bracher.

“Nunca tivemos uma queda [do PIB] tão grande em um ano, então é de se esperar inadimplência elevada, mas não fora de controle”, afirmou o presidente do Itaú em teleconferência com jornalistas para comentar o balanço do segundo trimestre.

Leia também:

Margem no crédito vai melhorar

O Itaú registrou lucro líquido de R$ 4,2 bilhões, queda de 40% em relação ao segundo trimestre de 2019. As ações do banco (ITUB4) reagem em baixa de quase 3% aos números hoje na B3. Leia também nossa cobertura completa de mercados.

A boa notícia foi a redução das despesas com provisões na comparação com os três primeiros meses do ano, com a visão do banco de que o cenário econômico melhorou em relação ao início da crise.

O ponto negativo ficou por conta da margem financeira. A linha do balanço que contabiliza o resultado da tesouraria e as receitas do banco na concessão de crédito menos os custos de captação registrou queda de 3,7% frente ao mesmo período de 2019 mesmo com o aumento dos financiamentos.

Bracher creditou parte da piora da margem a medidas adotadas na crise. “Tomamos atitudes voltadas para proteger e melhorar qualidade da carteira, desestimulando as linhas mais caras.” No trimestre, produtos como o cheque especial apresentaram redução de 23% e o crediário, de 36%.

Mas o presidente do Itaú disse que esse efeito é passageiro. Ou seja, o banco deve retomar o crescimento dessas linhas de crédito mais rentáveis no pós-crise. “Não é um grande desafio crescer em linhas como o cheque especial”, disse.

Como esses produtos também apresentam inadimplência mais elevada, Bracher disse que o banco espera compensar a queda da margem no curto prazo com uma menor perdas com calotes no futuro. “Essa é toda a lógica da nossa atuação”, afirmou aos jornalistas.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

PROVENTO EM DÓLAR

Aura Minerals (AURA33) anuncia dividendos e programa de recompra de BDRs — veja o que muda para os acionistas

O pagamento chegará bem a tempo para o Natal dos investidores nacionais, mas para ter direito é preciso possuir os ativos em 9 de dezembro

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa perto de perder os 100 mil pontos, Petrobras na mira de Paulo Guedes e outros destaques do dia

A dinâmica dos mercados globais nos últimos dias lembra muito os primeiros momentos de incerteza que marcaram o início da pandemia do coronavírus, no início de 2020. A covid-19 não é mais uma doença desconhecida e as vacinas já estão disponíveis no mercado, mas a desigualdade na distribuição de imunizantes e a recusa de muitos […]

FECHAMENTO DO DIA

Racha no Senado e chegada de ômicron aos Estados Unidos levam o Ibovespa a renovar as mínimas do ano (mais uma vez); dólar sobe

Embora o dia tenha começado positivo para o Ibovespa e as demais bolsas globais, a variante ômicron e a dificuldade de aprovar a PEC dos precatórios azedaram os negócios

CRYPTO NEWS

Aprenda com o bitcoin: não perca o timing com a próxima promessa cripto

O mercado de criptomoedas tem colocado alguns sorrisos nos rostos de quem vem investindo nessa classe de ativos

RECEITAS EM ALTA

Acredite se quiser! Governo pode ter primeiro superávit primário desde 2013 ainda neste ano

A notícia surpreende num momento em que um dos maiores temores do mercado financeiro é justamente o descontrole das contas públicas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies