Menu
2020-07-29T07:56:58-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Balanços

A conta chegou para o Santander: lucro cai 41% no segundo trimestre com provisão para coronavírus

Com atraso de um trimestre, banco decide fazer provisões para o efeito coronavírus de R$ 3,2 bilhões, o que derrubou o lucro para R$ 2,136 bilhões

29 de julho de 2020
7:35 - atualizado às 7:56
Santander
Santander - Imagem: Shutterstock

O Santander Brasil surpreendeu no resultado do primeiro trimestre deste ano ao ser o único entre os grandes bancos a registrar aumento no lucro. Os espanhóis teriam encontrado uma fórmula para escapar dos efeitos do coronavírus?

A resposta é não. O banco apenas evitou fazer provisões extras para o esperado aumento da inadimplência. Mas essa conta chegou no balanço publicado hoje.

O Santander registrou lucro líquido de R$ 2,136 bilhões, o que representa um tombo de 41% em relação ao segundo trimestre do ano passado e de 44,6% na comparação com os três primeiros meses de 2020.

Apesar da queda, o resultado ficou em linha com a projeção dos analistas, que apontava para um lucro de R$ 2,125 bilhões, de acordo com dados da Bloomberg.

A queda do lucro derrubou junto a rentabilidade do Santander para 12% no segundo trimestre, ante 21,3% do mesmo período de 2019 e 22,3% dos três primeiros meses do ano

Provisões

Com atraso, o Santander decidiu seguir o procedimento dos concorrentes e fez provisões extraordinárias de R$ 3,2 bilhões para o "efeito coronavírus" no balanço.

Com a despesa extra para proteger o balanço do aumento da inadimplência, as provisões totais incluindo as que o banco faria naturalmente somaram R$ 6,5 bilhões – um aumento de 111% em relação ao segundo trimestre do ano passado.

Crédito e inadimplência

O curioso é que o índice de inadimplência do Santander até caiu 0,5 ponto percentual e encerrou a primeira metade do ano em 2,5%, de acordo com o balanço divulgado na manhã desta quarta-feira.

A carteira de crédito ampliada do banco atingiu R$ 466,7 bilhões, o que representa um avanço de 18,4% em 12 meses e de 0,7% no trimestre.

O avanço foi puxado principalmente pelas operações com grandes empresas, que correram em busca de crédito para reforçar o caixa logo no início da crise.

A margem financeira, que inclui as receitas do banco com as operações de crédito descontado o custo de captação, aumentou 13,4% em relação ao segundo trimestre do ano passado, para R$ 13,6 bilhões.

Parte da melhora é explicada pelo resultado da tesouraria, que mais que dobrou e atingiu R$ 2,6 bilhões.

Concorrência pressiona tarifas

O aumento da concorrência e a crise provocada pelo coronavírus pressionaram as receitas do Santander com tarifas.

Os ganhos do banco com prestação de serviços recuaram 11,3% em relação ao segundo trimestre do ano passado e 8,5% no trimestre, para R$ 4,1 bilhões.

“Destacamos que o fechamento de um número relevante de nossas lojas no início do trimestre impactou significativamente determinadas receitas, nas quais já observamos uma melhora a partir de junho”, informou o Santander, no relatório que acompanha o balanço.

As despesas operacionais ficaram praticamente estáveis em relação ao segundo trimestre de 2019 e somaram R$ 5,2 bilhões. Na comparação com os três primeiros meses do ano, houve um recuo de 1,9%.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

seu dinheiro na sua noite

Fidelidade em baixa com a pandemia

Não, não estou falando da fidelidade entre casais. Até porque, por mais que a convivência excessiva em família na quarentena tenha abalado alguns casamentos, o momento não anda muito propício às puladas de cerca. Estou falando do setor de fidelidade, que abarca as empresas de programas de pontos e milhagem, sobretudo aqueles ligados às companhias […]

Empresa ligada à Vale

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies