Menu
2020-03-05T19:21:27-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Depois da "fake news"

IRB desaba mais de 30% com vexame internacional após Buffett negar compra de ações

Após notícias publicadas na imprensa, a Berkshire Hathaway, holding de Buffett, informou ontem à noite que nunca teve, não tem e não pretende ter ações da resseguradora brasileira

4 de março de 2020
11:47 - atualizado às 19:21

As ações da resseguradora IRB Brasil registraram uma queda vertiginosa de mais de 30% depois de a Berkshire Hathaway, holding que concentra os investimentos do bilionário Warren Buffett, negar que tenha ações da companhia.

A cúpula da empresa caiu na noite de hoje em meio aos desdobramentos da crise, que envolve também questionamentos ao balanço.

O vexame internacional acontece pouco mais de uma semana depois que a imprensa publicou notícias falsas de que o lendário investidor teria aproveitado a forte queda dos papéis no último mês para aumentar sua posição. Eu gravei um vídeo no canal do Seu Dinheiro para comentar o assunto que agitou a bolsa nesta quarta-feira.

As ações do IRB subiram forte no pregão seguinte à divulgação da notícia. Ontem à noite, contudo, a Berkshire divulgou um inusitado comunicado no qual diz basicamente que nunca teve, não tem e não pretende ter ações da empresa.

Os rumores sobre o suposto investimento de Buffett de certo modo foram corroborados pela direção do IRB, que indicou para o conselho fiscal a advogada Márcia Cicarelli, procuradora da Berkshire no país. Executivos da empresa também teriam confirmado a notícia em uma teleconferência com analistas.

Leia também:

O conselho de administração do IRB se reuniu na manhã de hoje para discutir o assunto. Em comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a empresa informou que o conselho determinou à diretoria da companhia que "promova uma análise criteriosa a partir das notícias divulgadas na data de ontem relativas à sua base acionária".

Disputa com a Squadra

As ações do IRB estão sob forte pressão desde o início de fevereiro, depois que a gestora carioca Squadra divulgou uma carta aos investidores na qual justifica a grande posição vendida nos papéis da companhia.

Na análise da Squadra, os resultados do IRB foram turbinados por efeitos que não vão se repetir em balanços seguintes e somaram R$ 1,5 bilhão de janeiro a setembro do ano passado.

A empresa negou a informação e publicou o balanço do quarto trimestre com o laudo de uma segunda auditoria específica para os dados atuariais, feito pela Ernst & Young (EY), além do trabalho já feito pela PwC. Mas não foi suficiente para eliminar as dúvidas do mercado.

Desde o início da disputa, as ações do IRB acumulam uma perda de mais da metade do valor de mercado, o equivalente a quase R$ 27 bilhões. Hoje, os papéis desabaram 16,17%, cotados a R$ 15,97. E isso em um dia de alta da bolsa, como você pode ler na nossa cobertura de mercados.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

emergência

Auxílio emergencial já pago soma R$ 1,5 bilhão, diz Caixa

Segundo informações do banco, o benefício já foi creditado na conta poupança de 2.150.497 clientes da Caixa, e outros 436.078 lançamentos serão realizados pelo Banco do Brasil ainda nesta quinta

180 dias para pagar

Caixa vai dar carência de seis meses para pagamento de financiamento imobiliário

Opção estará disponível a partir de segunda-feira para a compra de imóveis novos por qualquer linha de crédito; financiamentos em andamento já podiam optar por uma pausa de 90 dias nas prestações

agenda de brasília

Câmara adia votação de projeto de socorro a Estados para dia 13

Além de suspender o pagamento de parcelas de dívidas com a União e bancos, o projeto permite aos governadores tomar crédito novo no limite de até 8% de suas receitas

crise chegando

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA chegam a 6,61 milhões

Total ficou bem acima da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, de 5 milhões de solicitações

diante da crise

BC autoriza emissão de letra de crédito imobiliário (LCI) por cooperativas

Segundo BC, medida tem potencial para impactar positivamente o setor imobiliário, propiciando condições para aumentar a concorrência e a oferta de produtos e de serviços no sistema financeiro

anticrise

BC libera R$ 3,2 bi em requerimento de capital no crédito para PME

Regra abrange as empresas com receita bruta anual entre R$ 15 milhões e R$ 300 milhões

Exile on Wall Street

De que tipo de estratégia precisamos agora?

Cuidado, pois muitas pessoas confundem estratégia com resultado almejado.

medida emergencial

Instituições poderão reclassificar operações de crédito negociado, diz BC

Medida valerá para as operações renegociadas entre 1º de março e 30 de setembro de 2020

mercados hoje

Ibovespa encosta os 80 mil pontos, seguindo Wall Street; dólar cai a R$ 5,06

Apetite ao risco é sustentado pela divulgação de preços ao produtor nos EUA e os números de pedidos de auxílio-desemprego no país – ambos melhores do que esperado por analistas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements