Menu
2020-02-03T18:39:57-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Aposta na queda

IRB turbinou lucro em R$ 1,5 bilhão com itens extraordinários, diz Squadra

Empresa de resseguros teria prejuízo antes de impostos de R$ 112 milhões entre janeiro e setembro de 2019 sem itens que não devem se repetir nos próximos trimestres, segundo a gestora

3 de fevereiro de 2020
16:51 - atualizado às 18:39
Tela mostra cotações de bolsa de valores e gráficos de mercado
Imagem: Shutterstock

A empresa de resseguros IRB-Brasil registrou um lucro líquido antes de impostos de R$ 1,390 bilhão de janeiro a setembro de 2019. Mas sem a ajuda de itens considerados extraordinários, ou seja, que não devem se repetir nos resultados seguintes, a companhia na verdade teria um prejuízo de R$ 112 milhões no período.

Os cálculos são da gestora de fundos Squadra, que tem uma grande posição vendida em ações do IRB e publicou uma carta com uma análise sobre os resultados da empresa.

Os papéis do IRB (IRBR3) chegaram a cair 15% no pregão desta segunda-feira em reação ao documento, mas reduziram parte das perdas e fecharam o dia em queda de 9,06%, cotados a R$ 40,77. Leia também nossa cobertura completa de mercados.

A diferença de R$ 1,5 bilhão entre o resultado contábil e o que seria o recorrente na visão da Squadra é atribuída a cinco itens. O principal deles é a contabilização de recebimentos de compensações por sinistros que ainda não foram pagos. Essa expectativa de ganho futuro contribuiu com R$ 605 milhões para o resultado dos nove primeiros meses de 2019.

De acordo com a gestora, apenas uma resseguradora local além do IRB reconhece esse ajuste, no valor equivalente a 2% das provisões. No IRB, esse percentual estaria em 30% e começou a ser contabilizado no ano passado.

Outros R$ 282 milhões do resultado da resseguradora em 2019 vieram da reversão de provisões de sinistros referentes a anos de subscrição anteriores a 2014. Como a empresa não divulga o efeito de reavaliações de reservas de anos anteriores, esse número se trata apenas de uma estimativa da Squadra, que no entanto diz ter sido conservadora.

A gestora também avalia que a avaliação considerada otimista da sinistralidade de contratos subscritos em 2019 rendeu outros R$ 292 milhões à companhia. A projeção de pagamento de indenizações pelo IRB estaria em apenas 30% dos prêmios, contra uma sinistralidade estimada em 71% para o acumulado dos contratos dos cinco anos imediatamente anteriores.

Os outros dois itens extraordinários reconhecidos nos resultados do IRB se referem à participação da companhia em shopping centers. A empresa obteve R$ 119 milhões com a venda do Minas Shopping e reavaliou as demais participações por um valor R$ 204 milhões maior.

Ou seja, caso a empresa venha a se desfazer desses outros shoppings, parte desse ganho de capital já foi contabilizado, de acordo com a Squadra.

Ainda de acordo com a gestora, a companhia deveria ter gerado cerca de R$ 1,6 bilhão de caixa diante do alto crescimento e do lucro reportado nos primeiros nove meses do ano.

"No entanto, o panorama que se observou foi bem diferente: o IRB consumiu mais de R$ 300 milhões de caixa", escreveu a Squadra.

Eu procurei o IRB, mas a assessoria de imprensa me informou que a companhia está em período de silêncio e não comentaria o assunto. A divulgação do balanço do quarto trimestre e de 2019 está marcada para o dia 18 de fevereiro.

Mais cedo, a empresa divulgou um comunicado informando que os balanços seguem as normas contábeis e atuariais vigentes no Brasil "com absoluta precisão, passando por um rigoroso processo de governança" e que avalia a possibilidade de tomar medidas legais contra a gestora.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

10 notícias para começar o dia bem informado

O Banco Central derrubou ontem o juro brasileiro para uma nova mínima histórica, de 2% ao ano. Pelo recado do BC, o corte deve ser o último, mas a taxa deve permanecer baixa por um bom tempo. Não tem mais jeito: para ganhar dinheiro de verdade, o investidor precisará encarar a bolsa ou outros ativos […]

efeito coronavírus

Brasil tem nova queda recorde de ocupados e desemprego sobe para 13,3%

A taxa de desemprego no Brasil subiu para 13,3% no trimestre encerrado em junho, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta quinta-feira (6). A alta é de 1,1 ponto percentual (p.p.) frente ao trimestre finalizado em março. O número de pessoas ocupadas no país teve redução recorde de 9,6% – […]

Resultados que mexem o mercado

Braskem, AES Tietê, SulAmérica, Totvs e BB: os balanços que movimentam o mercado nesta quinta

Resultados financeiros do segundo trimestre afetam mercado em meio à pandemia

Recorde à vista

Avaliada em US$ 1,88 trilhão, Apple supera o PIB do Brasil

O último balanço, que reflete o desempenho durante a pior fase da pandemia do novo coronavírus, surpreendeu investidores e fez as ações se valorizarem 14% desde então – o papel fechou ontem a US$ 440

Acordo pelo fim do desmatamento

Greenpeace acusa JBS de não cumprir acordo

De acordo com a ONG, a JBS e outros frigoríficos se comprometeram em 2009 a zerar o desmatamento de sua cadeia de suprimentos em até dois anos, o que incluía não ter nenhum fornecedor que trabalhasse em áreas desmatadas da Amazônia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements