Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-02-03T18:39:57-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Aposta na queda

IRB turbinou lucro em R$ 1,5 bilhão com itens extraordinários, diz Squadra

Empresa de resseguros teria prejuízo antes de impostos de R$ 112 milhões entre janeiro e setembro de 2019 sem itens que não devem se repetir nos próximos trimestres, segundo a gestora

3 de fevereiro de 2020
16:51 - atualizado às 18:39
Tela mostra cotações de bolsa de valores e gráficos de mercado
Imagem: Shutterstock

A empresa de resseguros IRB-Brasil registrou um lucro líquido antes de impostos de R$ 1,390 bilhão de janeiro a setembro de 2019. Mas sem a ajuda de itens considerados extraordinários, ou seja, que não devem se repetir nos resultados seguintes, a companhia na verdade teria um prejuízo de R$ 112 milhões no período.

Os cálculos são da gestora de fundos Squadra, que tem uma grande posição vendida em ações do IRB e publicou uma carta com uma análise sobre os resultados da empresa.

Os papéis do IRB (IRBR3) chegaram a cair 15% no pregão desta segunda-feira em reação ao documento, mas reduziram parte das perdas e fecharam o dia em queda de 9,06%, cotados a R$ 40,77. Leia também nossa cobertura completa de mercados.

A diferença de R$ 1,5 bilhão entre o resultado contábil e o que seria o recorrente na visão da Squadra é atribuída a cinco itens. O principal deles é a contabilização de recebimentos de compensações por sinistros que ainda não foram pagos. Essa expectativa de ganho futuro contribuiu com R$ 605 milhões para o resultado dos nove primeiros meses de 2019.

De acordo com a gestora, apenas uma resseguradora local além do IRB reconhece esse ajuste, no valor equivalente a 2% das provisões. No IRB, esse percentual estaria em 30% e começou a ser contabilizado no ano passado.

Outros R$ 282 milhões do resultado da resseguradora em 2019 vieram da reversão de provisões de sinistros referentes a anos de subscrição anteriores a 2014. Como a empresa não divulga o efeito de reavaliações de reservas de anos anteriores, esse número se trata apenas de uma estimativa da Squadra, que no entanto diz ter sido conservadora.

A gestora também avalia que a avaliação considerada otimista da sinistralidade de contratos subscritos em 2019 rendeu outros R$ 292 milhões à companhia. A projeção de pagamento de indenizações pelo IRB estaria em apenas 30% dos prêmios, contra uma sinistralidade estimada em 71% para o acumulado dos contratos dos cinco anos imediatamente anteriores.

Os outros dois itens extraordinários reconhecidos nos resultados do IRB se referem à participação da companhia em shopping centers. A empresa obteve R$ 119 milhões com a venda do Minas Shopping e reavaliou as demais participações por um valor R$ 204 milhões maior.

Ou seja, caso a empresa venha a se desfazer desses outros shoppings, parte desse ganho de capital já foi contabilizado, de acordo com a Squadra.

Ainda de acordo com a gestora, a companhia deveria ter gerado cerca de R$ 1,6 bilhão de caixa diante do alto crescimento e do lucro reportado nos primeiros nove meses do ano.

"No entanto, o panorama que se observou foi bem diferente: o IRB consumiu mais de R$ 300 milhões de caixa", escreveu a Squadra.

Eu procurei o IRB, mas a assessoria de imprensa me informou que a companhia está em período de silêncio e não comentaria o assunto. A divulgação do balanço do quarto trimestre e de 2019 está marcada para o dia 18 de fevereiro.

Mais cedo, a empresa divulgou um comunicado informando que os balanços seguem as normas contábeis e atuariais vigentes no Brasil "com absoluta precisão, passando por um rigoroso processo de governança" e que avalia a possibilidade de tomar medidas legais contra a gestora.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

o melhor do seu dinheiro

Economia mundial: Um drama em dois atos

Os dois principais palcos da economia mundial estão com peças bem distintas em cartaz, mas ambas têm roteiros carregados de dramas que convergem um ao outro. Na maior economia do mundo, o mercado de juros volta a ficar pressionado após alguns meses de quase estabilidade. As últimas indicações do Federal Reserve sobre o rumo da […]

ficou para depois

Com maior aversão ao risco, Bluefit confirma adiamento de IPO

Adiamento é valido por um período de até 60 dias úteis contados a partir de 24 de setembro; empresa citou “condições de volatilidade no mercado de capitais”

estatal do RS

Privatização da Corsan, com IPO na B3, terá assessoria do BNDES

Primeiro serviço prestado pelo banco deve ser o de fornecer metodologia para seleção das instituições financeiras que coordenarão a abertura de capital

diversificação

Westwing compra Zarpo Viagens, ampliando lifestyle

Empresa adquirida trabalha em parceria com hotéis, resorts, pousadas e companhias aéreas; valor da operação não foi revelado

FECHAMENTO DO DIA

China e Estados Unidos aumentam cautela dos mercados globais e Ibovespa amarga queda de 3%; dólar avança

Apesar da Petrobras ter mais uma vez protagonizado atritos no cenário local, os maiores focos de cautela vieram do exterior e o Ibovespa acompanhou o ritmo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies