Menu
2020-02-12T18:57:52-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Comprados x Vendidos

Dono de 11% do IRB, Itaú diz estar confortável com balanços da empresa

As ações da resseguradora registram forte queda desde o começo do mês após a publicação de uma carta da gestora carioca Squadra, que possui uma grande posição vendida na empresa

12 de fevereiro de 2020
16:25 - atualizado às 18:57
Candido Bracher, presidente do Itaú Unibanco
Candido Bracher, presidente do Itaú Unibanco - Imagem: Nilton Fukuda/Estadão Conteúdo

Na disputa entre investidores comprados e vendidos na resseguradora IRB Brasil, ontem foi a vez do Itaú Unibanco, dono de 11% do capital da empresa, fazer uma defesa da companhia.

Em teleconferência ontem com analistas, o presidente do Itaú, Candido Bracher, afirmou não ter “nenhum desconforto” com as demonstrações contábeis do IRB.

As ações da resseguradora registram forte queda desde o começo do mês após a publicação de uma carta da gestora carioca Squadra, que possui uma grande posição vendida na empresa.

Leia também:

No documento, a Squadra defende que os resultados do IRB foram impulsionados por eventos que não vão mais se repetir no futuro – ou seja, não são sustentáveis.

Nos cálculos da gestora, esses itens foram responsáveis por turbinar em R$ 1,5 bilhão o resultado da companhia nos nove primeiros meses de 2019.

O presidente do Itaú não comentou especificamente os pontos levantados pela gestora, mas disse que tanto a participação no IRB como na XP Investimentos são estratégicas de longo prazo para o banco.

“Ambas cobrem áreas de negócios onde queremos expandir nossa presença”, disse Bracher, que disse ver a área de seguros como sub-representado no banco.

Em seguida, o presidente do Itaú passou a palavra a Alexsandro Broedel, diretor de finanças e relações com investidores do banco e membro do conselho de administração do IRB, que reiterou não haver nenhuma observação ou indício de irregularidade nos balanços da companhia.

A fala dos executivos do Itaú ajudou a reduzir um pouco da pressão sobre as ações do IRB, que subiram 5% ontem. Desde a publicação da carta da Squadra, porém, os papéis acumulam uma perda de quase 25% – considerando a queda de 2,74% hoje. Leia também nossa cobertura completa de mercados.

Todas as atenções dos investidores agora estarão voltadas para a divulgação do próximo resultado do IRB, programada para sair no dia 18, após o fechamento dos mercados.

Em teleconferência realizada anteontem, os executivos da companhia prometeram detalhar todos os números que resultaram na controvérsia levantada pela Squadra.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

foco no nordeste

Desenvolvimento Regional autoriza R$ 30,7 milhões para saneamento em 17 Estados

Segundo a pasta, a maior fatia dos recursos foi destinada ao Nordeste (R$ 15,8 milhões), seguida pela região Norte (R$ 6,5 milhões)

caso das rachadinhas

Presidente do STJ decide colocar Queiroz em prisão domiciliar

O caso tramita sob segredo de Justiça. Preso desde 18 de junho, Queiroz é apontado como operador de um suposto esquema de “rachadinhas” – apropriação de salários de funcionários – no antigo gabinete do senador Flávio Bolsonaro

O dia dos mercados

Com cautela em NY, bolsa fecha em queda de 0,6% após voltar aos 100 mil pontos; dólar recua

Em sessão de volatilidade, bolsa retorna ao patamar de 100 mil, mas não consegue manter fôlego com cautela em bolsas americanas. Dólar tem leve queda e se aproxima de R$ 5,30

ALÉM DE MORTOS E FERIDOS...

Os ‘falidos’ do coronavírus: veja as empresas que quebraram na pandemia

Companhias aéreas foram as primeiras a sentir o baque, seguidas por empresas que dependem também do turismo ou de viagens corporativas. Varejistas com fraca presença no e-commerce também sofreram com a ausência de clientes.

dados do ministério da Economia

Estatais apresentaram resultado líquido de R$ 109,1 bilhões em 2019, alta de 53%

De acordo com balanço apresentado nesta quinta-feira pelo Ministério da Economia, isso representa um aumento de 53% em relação ao lucro de 2018 e é o maior valor desde 2008

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements