Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
2020-03-25T19:36:29-03:00
SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Nada como US$ 2 trilhões a mais

25 de março de 2020
19:34 - atualizado às 19:36
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Caro leitor,

O Ibovespa continuou em forte alta nesta quarta-feira, embalado pelas bolsas americanas. Os investidores reagiram animadamente ao pacote trilionário aprovado pelo Senado dos Estados Unidos para mitigar os efeitos do coronavírus na economia.

Assim, o principal índice da bolsa brasileira voltou a fechar acima dos 70 mil pontos, ao mesmo tempo em que vimos um alívio para o dólar, como o Victor Aguiar contou na sua cobertura de mercados.

Mas, por aqui, um novo fator de risco - além do coronavírus - vem se desenhando com cada vez mais clareza no horizonte. E apesar de não ter pesado nos mercados hoje, não está sendo ignorado pelos investidores.

Estou falando do embate, agora mais aberto, entre o presidente Jair Bolsonaro e os governadores. Depois de atacar os líderes estaduais - sobretudo João Doria (SP) e Wilson Witzel (RJ) - num pronunciamento que contrariou as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do seu próprio Ministério da Saúde, Bolsonaro fez uma reunião virtual com os governadores do Sudeste nesta quarta, onde acabou batendo boca com Doria.

Mas Doria e Witzel não são os únicos insatisfeitos com a postura do presidente. O governador de Goiás, Ronaldo Caiado, afirmou que as decisões do presidente na área de saúde em relação ao coronavírus não alcançarão o estado. Médico, Caiado disse que continuará seguindo as recomendações da OMS e do corpo técnico do Ministério da Saúde.

Os governadores do Norte e do Nordeste também reprovaram a fala presidencial, e afirmaram que Bolsonaro teve chance de manifestar sua posição em reuniões virtuais com os líderes dos Estados na segunda e na terça, mas não o fez.

Por fim, Doria acabou marcando uma reunião com todos os governadores sem a presença de Bolsonaro para articular medidas de enfrentamento ao coronavírus, evidenciando ainda mais o isolamento do presidente.

Captações a todo vapor

Quem achou que os investidores sairiam correndo dos fundos de ações, amedrontados com o forte desempenho negativo da bolsa em março, se enganou redondamente. Segundo dados da Anbima, a associação das entidades do mercado de capitais, a captação dos fundos de renda variável no mês vai muito bem, obrigada. O Felipe Saturnino detalha os números.

Ações de shoppings estão baratas

O fechamento de boa parte dos shopping centers pelo país por conta do avanço do coronavírus deve pesar negativamente para as administradoras desses empreendimentos, mas suas ações estão baratas e ainda são atrativas. A avaliação é dos analistas do BTG Pactual, que cortaram as estimativas para os papéis do setor e até a recomendação de alguns deles. Mas apesar da visão mais conservadora, ainda mantêm a recomendação de compra para duas dessas ações, cujo potencial de alta é da ordem dos 40%. Eu trago os detalhes do relatório nesta matéria.

Um reforço no caixa 

Em tempos de coronavírus, a Usiminas vai ganhar um reforço e tanto para o seu caixa. A companhia vai receber R$ 393,9 milhões por conta de um acordo fechado com o fundo de pensão da própria empresa. O Vinícius Pinheiro te conta esta história.

Pibinho cada dia mais “inho”

A agência de classificação de risco Moody’s cortou a projeção para o PIB brasileiro de crescimento de 1,8% para queda de 1,6% em 2020. A mudança vem na esteira da revisão do crescimento de todos os países do G-20. Segundo relatório, o déficit fiscal e o alto endividamento do país são os maiores entraves para o governo dar uma resposta mais robusta à crise.

Um “airbag” para os bancos 

Mas a Moody’s também trouxe uma notícia animadora para as instituições financeiras. Diante da crise de liquidez aguda que afeta todo o mundo, o pacote anunciado pelo BC nesta semana deve amortecer o impacto econômico e de mercado do coronavírus sobre a solvência dos bancos brasileiros. Segundo a agência, o montante injetado pelo Banco Central é cinco vezes maior do que o utilizado em 2008 e isso pode mitigar os riscos. O Felipe Saturnino te explica melhor o que pensam os analistas da casa.

Dirija com os faróis baixos 

Em meio a trechos com bastante neblina acerca do que vai acontecer no Brasil e no mundo, Felipe Miranda diz que o cenário exige cautela e que o melhor a se fazer agora é reduzir a velocidade e dirigir com os faróis baixos. Para ele, o cenário ainda é muito incerto, tanto no que diz respeito ao coronavírus, quanto à política brasileira. Assim, tanto líderes quanto investidores devem seguir o caminho da prudência e da parcimônia, como explica em sua coluna.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

PRÉVIA DOS BALANÇOS

Os grandões vêm aí: Petrobras e Vale divulgam os resultados; veja o que esperar

Semana será marcada pela apresentação dos resultados de algumas das principais companhias da B3

agenda lotada

Os segredos da bolsa: balanços de pesos-pesados podem manter Ibovespa em alta em semana de Copom

Lá fora, resultados do terceiro trimestre de Amazon, Apple, Facebook, Google e Microsoft são destaques, além de decisões de bancos centrais

O GRANDE DRAGÃO VERMELHO

Pandemia deve reforçar poder chinês na economia

Movimento aponta para a continuidade das tensões com Estados Unidos e manutenção da alta demanda por matérias-primas produzidas pelo Brasil

PANOS QUENTES

‘Apresentei desculpas e colocamos ponto final’, diz Salles sobre atrito com Ramos

Salles e Ramos protagonizaram o mais recente atrito dentro do governo, tornado público após chefe do Meio Ambiente se referir ao general como “Maria Fofoca”

ALÍVIO

Mortes por covid-19 chegam ao menor nível desde maio, diz Fiocruz

Média móvel de novos casos ficou em 22.483 no sábado, alta de 11% em relação aos casos da semana anterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies