Menu
2020-01-30T17:27:17-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Aversão ao risco

Sem chance ao azar: Ibovespa reduz perdas, mas segue em queda; dólar sobe a R$ 4,25

Um novo salto no número de mortos e infectados pelo coronavírus traz enorme cautela aos mercados globais, derrubando o Ibovespa às mínimas do ano e pressionando ainda mais o dólar

30 de janeiro de 2020
10:13 - atualizado às 17:27
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Um novo aumento no número de mortos e infectados pelo coronavírus mexe com os brios do mercado nesta quinta-feira (30). O avanço da doença provoca um salto na aversão ao risco, derrubando o Ibovespa e as demais bolsas do mundo — e desencadeando uma corrida ao dólar.

Por volta de 17h15, o principal índice acionário do Brasil recuava 0,87%, aos 114.379,75 pontos — no pior momento do dia, tocou os 112.825,49 (-2,22%), registrando uma nova mínima para 2020.

A melhora do Ibovespa ocorreu em linha com o exterior: nos Estados Unidos, o Dow Jones (-0,13%), o S&P 500 (-0,24%) e o Nasdaq (-0,24%) reduziram as perdas, reagindo a uma manifestação da Organização Mundial da Saúde (OMS) a respeito do coronavírus.

A instituição decretou emergência global de saúde pública, mas também elogiou os esforços do governo chinês para conter a disseminação da doença. A OMS também negou qualquer instrução para evitar viagens ao país asiático, uma postura que trouxe algum alívio às preocupações.

O mercado de câmbio, contudo, não teve muito tempo para reagir ao posicionamento. O dólar à vista fechou em alta de 0,90%, a R$ 4,2574 — a maior cotação de encerramento desde 27 de novembro (R$ 4,2586).

Até o começo da noite de ontem, o balanço do coronavírus dava conta de 133 mortos e cerca de seis mil pessoas infectadas. No entanto, o saldo aumentou bastante desde então — os números mais atualizados já mostram 170 mortes e quase oito mil contaminados no mundo.

"O mercado teme que a China não esteja contanto a verdade, teme que a realidade seja mais grave do que a revelada", diz um operador que prefere não ser identificado. "Há o receio de que o vírus poderá impactar a economia mundial".

A cautela em relação à doença também foi sentida no mercado de commodities. O petróleo Brent caiu 2,68% e o WTI terminou em baixa de 2,23% — as negociações de minério de ferro continuam paralisadas, em função do feriado do Ano Novo Lunar na China.

Turbulência na bolsa

O anúncio da OMS e a leitura de que a situação é menos grave do que o imaginado permitiu que alguns papéis que vinham sendo penalizados nesta quinta-feira ganhassem força — caso das empresas ligadas ao setor de commodities e que exportam para a China.

É o caso de Petrobras ON (PETR3), que virou e agora sobe 0,89%, apesar das perdas do petróleo. Vale ON (VALE3) e Gerdau PN (GGBR4) também passaram ao campo positivo, com ganhos de 0,61% e 1,34%, respectivamente.

Por outro lado, Petrobras PN (PETR4) segue em queda de 0,17% — CSN ON (CSNA3), com perda de 0,82%, e Usiminas PNA (USIM5), com desvalorização de 2,33%, também não conseguiram virar para alta.

No segmento de papel e celulose, Suzano ON (SUZB3) e as units da Klabin (KLBN11) recuam 1,71% e 1,18%, nesta ordem, trazendo pressão extra ao Ibovespa.

De olho na agenda

Além da tensão relacionada ao coronavírus, os mercados ainda repercutem uma agenda econômica carregada nesta quinta-feira. Em primeiro plano, aparece o avanço de 2,1% do PIB dos Estados Unidos na primeira prévia do quarto trimestre — um dado que veio em linha com as expectativas e não trouxe mais preocupação aos investidores.

Por aqui, são digeridos os dados do IGP-M, mostrando uma desaceleração para 0,48% em janeiro — em dezembro, o indicador subiu 2,09%. E, com o alívio na pressão inflacionária, o mercado volta a apostar num novo corte da Selic pelo Copom.

Mas, apesar da surpresa positiva com o IGP-M, as curvas de juros fecharam em alta — a pressão no dólar à vista e a tensão global com o coronavírus se sobrepuseram ao alívio inflacionário. Veja abaixo como ficaram os principais DIs nesta quinta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,34% para 4,36%;
  • Janeiro/2023: de 5,49% para 5,50%;
  • Janeiro/2025: de 6,18% para 6,21%;
  • Janeiro/2027: de 6,58% para 6,59%.

Até onde vai o dólar?

No mercado de câmbio, o dólar se valorizou em relação às moedas de países emergentes, como o peso mexicano, o rublo russo, o peso chileno, o rand sul-africano e o peso chileno, entre outras. Assim, o real acompanhou o contexto de cautela externa.

"Ninguém sabe até onde essa crise vai", diz Jefferson Luiz Rugik, diretor de câmbio da corretora Correparti. "O investidor é arredio ao risco: ele vê uma instabilidade dessas e corre para a segurança".

Esse é um movimento clássico dos mercados de câmbio: em momentos de turbulência, os agentes financeiros deixam suas posições em ativos mais arriscados — como as moedas de países emergentes — e correm para opções mais sólidas, como o dólar ou o iene.

Vale ressaltar, no entanto, que a divisa brasileira tem o pior desempenho do grupo, com o dólar já próximo as máximas nominais históricas. Rugik, no entanto, ainda não aposta numa atuação do Banco Central para conter o avanço da moeda americana.

"É um problema mundial, não é um problema específico do Brasil", diz ele. "Claro que, se o dólar subir demais, o Banco Central vai ter que intervir de alguma maneira. Mas, por enquanto, eu não vejo necessidade".

O diretor da Correparti ainda lembra que, no ano passado, quando o BC promoveu leilões de dólares no mercado à vista, havia um problema de liquidez no mercado doméstico — muitas empresas estavam enviando recursos ao exterior para o pagamento de proventos.

Assim, a conjuntura atual é diferente da do ano passado, já que, desta vez, não há uma questão estrutural relacionada ao país.

Dia vermelho

A maioria das ações do Ibovespa opera em queda nesta quinta-feira, com alguns poucos papéis conseguindo sustentar um desempenho positivo. Veja abaixo quais são as altas do índice:

  • Cielo ON (CIEL3): +1,72%
  • Gerdau PN (GGBR4): +1,64%
  • Cosan ON (CSAN3): +0,88%
  • Fleury ON (FLRY3): +0,87%
  • Hypera ON (HYPE3): +0,81%

Confira também as cinco maiores quedas do Ibovespa:

  • Braskem PNA (BRKM5): -4,20%
  • Marfrig ON (MRFG3): -3,78%
  • B2W ON (BTOW3): -3,63%
  • Weg ON (WEGE3): -3,59%
  • Cogna ON (COGN3): -3,42%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

entrevista exclusiva

Suzano se prepara para 2021 ainda melhor, com ESG no centro da estratégia

Condições do mercado de celulose permitem que empresa realize novos reajustes de preços ao longo do ano, diz diretor financeiro

IR 2021

Como declarar aposentadorias e pensões da Previdência Social no imposto de renda

Aposentados e pensionistas da Previdência Social têm direito à isenção de imposto de renda sobre uma parte de seus rendimentos. Veja os detalhes de como declará-los no IR 2021

polêmica

Governo barra novo cadastro para auxílio

A estratégia do governo já desperta críticas de organizações da sociedade civil, que consideram urgente a abertura de um novo prazo para pedidos de auxílio

Tombo grande

Elon Musk perde US$ 27 bilhões em uma semana após tombo da Tesla

Mesmo com o tompo gigantesco, Musk segue como segundo homem mais rico do mundo, atrás apenas de Jeff Bezos, o fundador da Amazon

Expansão

3R Petroleum fecha parceria com DBO para aquisições de campos offshore

Com a parceria, a DBO se tornará acionista minoritária da OP, que seguirá sob controle da 3R

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies