Menu
2020-01-30T17:27:17-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Aversão ao risco

Sem chance ao azar: Ibovespa reduz perdas, mas segue em queda; dólar sobe a R$ 4,25

Um novo salto no número de mortos e infectados pelo coronavírus traz enorme cautela aos mercados globais, derrubando o Ibovespa às mínimas do ano e pressionando ainda mais o dólar

30 de janeiro de 2020
10:13 - atualizado às 17:27
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Um novo aumento no número de mortos e infectados pelo coronavírus mexe com os brios do mercado nesta quinta-feira (30). O avanço da doença provoca um salto na aversão ao risco, derrubando o Ibovespa e as demais bolsas do mundo — e desencadeando uma corrida ao dólar.

Por volta de 17h15, o principal índice acionário do Brasil recuava 0,87%, aos 114.379,75 pontos — no pior momento do dia, tocou os 112.825,49 (-2,22%), registrando uma nova mínima para 2020.

A melhora do Ibovespa ocorreu em linha com o exterior: nos Estados Unidos, o Dow Jones (-0,13%), o S&P 500 (-0,24%) e o Nasdaq (-0,24%) reduziram as perdas, reagindo a uma manifestação da Organização Mundial da Saúde (OMS) a respeito do coronavírus.

A instituição decretou emergência global de saúde pública, mas também elogiou os esforços do governo chinês para conter a disseminação da doença. A OMS também negou qualquer instrução para evitar viagens ao país asiático, uma postura que trouxe algum alívio às preocupações.

O mercado de câmbio, contudo, não teve muito tempo para reagir ao posicionamento. O dólar à vista fechou em alta de 0,90%, a R$ 4,2574 — a maior cotação de encerramento desde 27 de novembro (R$ 4,2586).

Até o começo da noite de ontem, o balanço do coronavírus dava conta de 133 mortos e cerca de seis mil pessoas infectadas. No entanto, o saldo aumentou bastante desde então — os números mais atualizados já mostram 170 mortes e quase oito mil contaminados no mundo.

"O mercado teme que a China não esteja contanto a verdade, teme que a realidade seja mais grave do que a revelada", diz um operador que prefere não ser identificado. "Há o receio de que o vírus poderá impactar a economia mundial".

A cautela em relação à doença também foi sentida no mercado de commodities. O petróleo Brent caiu 2,68% e o WTI terminou em baixa de 2,23% — as negociações de minério de ferro continuam paralisadas, em função do feriado do Ano Novo Lunar na China.

Turbulência na bolsa

O anúncio da OMS e a leitura de que a situação é menos grave do que o imaginado permitiu que alguns papéis que vinham sendo penalizados nesta quinta-feira ganhassem força — caso das empresas ligadas ao setor de commodities e que exportam para a China.

É o caso de Petrobras ON (PETR3), que virou e agora sobe 0,89%, apesar das perdas do petróleo. Vale ON (VALE3) e Gerdau PN (GGBR4) também passaram ao campo positivo, com ganhos de 0,61% e 1,34%, respectivamente.

Por outro lado, Petrobras PN (PETR4) segue em queda de 0,17% — CSN ON (CSNA3), com perda de 0,82%, e Usiminas PNA (USIM5), com desvalorização de 2,33%, também não conseguiram virar para alta.

No segmento de papel e celulose, Suzano ON (SUZB3) e as units da Klabin (KLBN11) recuam 1,71% e 1,18%, nesta ordem, trazendo pressão extra ao Ibovespa.

De olho na agenda

Além da tensão relacionada ao coronavírus, os mercados ainda repercutem uma agenda econômica carregada nesta quinta-feira. Em primeiro plano, aparece o avanço de 2,1% do PIB dos Estados Unidos na primeira prévia do quarto trimestre — um dado que veio em linha com as expectativas e não trouxe mais preocupação aos investidores.

Por aqui, são digeridos os dados do IGP-M, mostrando uma desaceleração para 0,48% em janeiro — em dezembro, o indicador subiu 2,09%. E, com o alívio na pressão inflacionária, o mercado volta a apostar num novo corte da Selic pelo Copom.

Mas, apesar da surpresa positiva com o IGP-M, as curvas de juros fecharam em alta — a pressão no dólar à vista e a tensão global com o coronavírus se sobrepuseram ao alívio inflacionário. Veja abaixo como ficaram os principais DIs nesta quinta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,34% para 4,36%;
  • Janeiro/2023: de 5,49% para 5,50%;
  • Janeiro/2025: de 6,18% para 6,21%;
  • Janeiro/2027: de 6,58% para 6,59%.

Até onde vai o dólar?

No mercado de câmbio, o dólar se valorizou em relação às moedas de países emergentes, como o peso mexicano, o rublo russo, o peso chileno, o rand sul-africano e o peso chileno, entre outras. Assim, o real acompanhou o contexto de cautela externa.

"Ninguém sabe até onde essa crise vai", diz Jefferson Luiz Rugik, diretor de câmbio da corretora Correparti. "O investidor é arredio ao risco: ele vê uma instabilidade dessas e corre para a segurança".

Esse é um movimento clássico dos mercados de câmbio: em momentos de turbulência, os agentes financeiros deixam suas posições em ativos mais arriscados — como as moedas de países emergentes — e correm para opções mais sólidas, como o dólar ou o iene.

Vale ressaltar, no entanto, que a divisa brasileira tem o pior desempenho do grupo, com o dólar já próximo as máximas nominais históricas. Rugik, no entanto, ainda não aposta numa atuação do Banco Central para conter o avanço da moeda americana.

"É um problema mundial, não é um problema específico do Brasil", diz ele. "Claro que, se o dólar subir demais, o Banco Central vai ter que intervir de alguma maneira. Mas, por enquanto, eu não vejo necessidade".

O diretor da Correparti ainda lembra que, no ano passado, quando o BC promoveu leilões de dólares no mercado à vista, havia um problema de liquidez no mercado doméstico — muitas empresas estavam enviando recursos ao exterior para o pagamento de proventos.

Assim, a conjuntura atual é diferente da do ano passado, já que, desta vez, não há uma questão estrutural relacionada ao país.

Dia vermelho

A maioria das ações do Ibovespa opera em queda nesta quinta-feira, com alguns poucos papéis conseguindo sustentar um desempenho positivo. Veja abaixo quais são as altas do índice:

  • Cielo ON (CIEL3): +1,72%
  • Gerdau PN (GGBR4): +1,64%
  • Cosan ON (CSAN3): +0,88%
  • Fleury ON (FLRY3): +0,87%
  • Hypera ON (HYPE3): +0,81%

Confira também as cinco maiores quedas do Ibovespa:

  • Braskem PNA (BRKM5): -4,20%
  • Marfrig ON (MRFG3): -3,78%
  • B2W ON (BTOW3): -3,63%
  • Weg ON (WEGE3): -3,59%
  • Cogna ON (COGN3): -3,42%
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Mais uma na bolsa

Investindo no banco de investimentos: BR Partners sobe forte na estreia na bolsa

A BR Partners, banco de investimentos independente, concluiu seu IPO e estreou na bolsa nesta segunda — e a recepção do mercado foi boa

Tela azul

O “selo Buffett” no Nubank, a falha da Coca-Cola com CR7 e uma fraude no setor de tecnologia; confira os destaques da edição #37 do Tela Azul

Richard Camargo, André Franco e Vinícius Bazan comentam os principais assuntos no mundo das techs em papo descontraído e reforçam o convite para o evento que vai revelar as ações de tecnologia mais promissoras do momento

Bola rebola

Show das poderosas: Nubank estreia dueto com Anitta e cala os críticos com primeiro lucro

Fintech que já vale US$ 30 bilhões tem primeiro resultado positivo na história e anuncia contratação da cantora para compor o conselho de administração

Temperatura subindo

Febraban: carteira de crédito continua em expansão e deve registrar melhor índice desde 2013

As concessões de empréstimos devem apresentar crescimento de 4,7% em maio, acumulando aumento de 6,9% nos últimos 12 meses

Fim de papo

Bolsonaro se irrita com questão de frete e termina conversa na saída do Alvorada

Antes, ao ser cobrado quais as propostas para atender a categoria, Bolsonaro repetiu que o “maior problema de vocês (caminhoneiros)” é o preço dos combustíveis e os tributos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies