Menu
2019-04-05T15:46:21-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
A primeira do governo Bolsonaro

Tesouro Nacional emite US$ 1,5 bilhão em captação de títulos de dívida no exterior

Tesouro costuma ser um dos primeiros a captar no mercado de dívida externa, o que acaba servindo como uma marcação de preços para emissões privadas

21 de março de 2019
11:11 - atualizado às 15:46
Notas de dólares
Notas de dólares - Imagem: Shutterstock

O Tesouro Nacional emitiu nesta quinta-feira, 21, US$ 1,5 bilhão em captação de títulos de dívida (bônus) no exterior, com vencimento em 28 de maio de 2029 (Global 2029). A demanda foi de quatro vezes o montante captado.

As operações do Tesouro no mercado internacional são feitas para dar referência de preço aos emissores privados, já que o país não precisa fazer captação em moeda estrangeira para honrar os vencimentos da dívida internacional.

Geralmente, o Tesouro é um dos primeiros a captar no mercado de dívida externa, o que acaba servindo como uma marcação de preços para emissões privadas. Mas, neste ano, o anúncio veio após alguns emissores privados como Suzano e BTG Pactual, além de Petrobras e Banco do Brasil.

A captação foi liderada pelo Bank of America Merrill Lynch, Bradesco e JP Morgan e ofereceu um retorno de 4,7% ao investidor, abaixo dos 4,95% estimados inicialmente.

"Operação em linha"

Logo após o anúncio do resultado das operações, técnicos do Tesouro consideraram a captação "bem sucedida". De acordo com eles, tanto o cupom quanto o spread são os melhores desde a perda do grau de investimento pelo Brasil.

Os técnicos disseram também que a operação ficou bastante em linha com as expectativas do Tesouro. O órgão vinha acompanhando o mercado e já considerava as condições bastante favoráveis para uma captação.

Na quarta-feira, porém, essa percepção foi reforçada, após a decisão de política monetária do Federal Reserve, que sinalizou que os juros no país podem demorar mais tempo para subir. Vale lembrar  que a taxa de referência para as emissões é dada pelo título do Tesouro dos EUA, que está na faixa dos 2,53%.

O noticiário no Brasil ao longo desta quinta-feira - especificamente, a prisão do ex-presidente Michel Temer, vista por agentes do mercado financeiro como um fator que pode prejudicar o andamento da reforma da Previdência no Congresso - não alterou a demanda pelo título brasileiro no mercado internacional. Conforme os técnicos, a operação foi bem sucedida do início ao fim.

O Tesouro estava fora do mercado desde janeiro de 2018, quando havia emitido o Global 2047, título de referência de 40 anos. Completada a operação desta quinta, o órgão não realizará nenhuma emissão complementar de títulos para o mercado asiático, algo que não vem sendo feito há algum tempo. Agora, o Tesouro volta a monitorar o mercado, aguardando novas oportunidades para emissão.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Novela sem fim

Senadores articulam aprovação da MP da Eletrobras sem os ‘jabutis’ polêmicos, mas fazem novas adições ao texto

Os senadores sabem, no entanto, que essa alternativa pode não ser bem sucedida e que a Câmara vai resgatar os trechos retirados

Parlamentares furiosos

CPI suspende trabalhos pede condução coercitiva do empresário Carlos Wizard

Wizard é apontado como um dos integrantes de um suposto “gabinete paralelo” de aconselhamento ao governo para ações de combate à pandemia

Sobre shoppings e alianças

Como “compra por vingança”, casamentos adiados e bebês podem beneficiar a Vivara

Ao reafirmar recomendação de compra, XP explica como retomada de planos familiares e a vontade de consumir vão beneficiar a produtora de joias

Indenização ao governo

Ford deve pagar R$ 2,5 bilhões ao governo da Bahia

O acerto deve ser anunciado nos próximos dias, segundo fontes dos setores automotivo e jurídico

Força do campo

Prestes a realizar IPO, AgriBrasil aposta em sustentabilidade e expansão geográfica

Empresa que atua no ramo de exportação de grãos foi fundada em 2013 por Frederico Humberg, que vai aproveitar oferta para vender ações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies